Indy

Pole, Pagenaud torce por temperatura alta na Indy 500, mas admite que “não seria o melhor para os fãs”

Simon Pagenaud afirmou que a Penske tem carros muito bem acertados e, assim, teria melhores chances com temperatura alta na Indy 500. Por outro lado, acredita que para os fãs não seria o melhor dos cenários

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
A edição de 2018 das 500 Milhas de Indianápolis foi marcada pelo baixo número de disputas e importância imensa da classificação. Com carros novos e temperatura altíssima, a prova preocupou para 2019, mas Simon Pagenaud imagina que a edição deste ano não será tediosa. O francês, no entanto, admite que, para ele, é melhor torcer por calor, já que sai da pole. Só não seria muito legal para os torcedores.
 
Simon, que liderou o primeiro treino livre depois da definição do grid, não se animou muito com a atividade pela condição climática. De acordo com o francês, foi um dia atípico de frio em que não se conseguiu tirar conclusões definitivas sobre o acerto.
Simon Pagenaud vê o calor como uma arma para quem tem a pole (Foto: Reprodução)
"O treino livre foi no frio e aí todo carro parece bom. Claro, temos uma boa ideia de como estamos, mas precisamos ver em outras condições, por isso fui testando tudo, andando sozinho, no vácuo e vendo como estávamos. Mas temos um acerto bem bom, talvez precisemos de um pouco mais no vácuo, é acertar a quantidade certa de downforce, mas isso depende da temperatura", resumiu.
 
Pagenaud admitiu que, enquanto pole, o ideal seria correr com temperaturas altas, para ter algo parecido com o cenário de 2018. No entanto, o francês sabe que não seria uma corrida das melhores para os torcedores, ainda que superior em relação à prova do ano passado.
 
"Eu ia adorar que corrêssemos com temperatura alta porque nosso carro é melhor que o da maioria e acho que isso criaria uma disparidade maior entre as equipes. Mas estou falando como competidor. Enquanto fã, não seria o melhor, um pouco mais frio e teríamos todos próximos, muita diversão. De qualquer jeito, a Indy trabalhou para melhorar a corrida, a Firestone também. Com certeza foram mudanças positivas, está bem melhor de guiar", completou.
 


Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.