Indy

Presidente do oval de Indianápolis por quatro décadas, Mari Hulman George morre aos 83 anos

Mari Hulman George marcou seu nome na história do Indianápolis Motor Speedway, presidindo o oval entre 1988 e 2016. A empresária herdou o negócio do pai, Tony Hulman, que retomou as atividades no IMS ao fim da Segunda Guerra Mundial
Warm Up / Redação GP, de Berlim
 Mari Hulman George (Foto: IndyCar)
O automobilismo dos Estados Unidos, especialmente o de Indiana, começou o sábado (3) com uma perda. Mari Hulman George, presidente do Indianapolis Motor Speedway entre os anos de 1988 e 2016, morreu aos 83 anos. A causa da morte não foi revelada.
 
Nascida em 1934, Hulman George teve a maior parte da vida dedicada, de uma forma ou de outra, ao IMS – seu pai, Tony Hulman, começou a trajetória ao comprar o oval em 1945, retomando atividades que estavam interrompidas por conta da Segunda Guerra Mundial. O empresário passou a administrar a pista, em um negócio que se tornou praticamente questão familiar para os Hulman. A morte de Tony em 1977 resultou na passagem de bastão para a esposa, Mary Fendrich Hulman, que em 1988 cederia a presidência do autódromo à filha Mari.
 
A presidência ao longo de 28 anos, durante quatro décadas diferentes, permitiu que Mari se tornasse um ícone do automobilismo local. Entre 1997 e 2016, a empresária teve a honra de dar o comando de ligar os motores na Indy 500. O período em questão incluiu duas provas particularmente marcantes: a de 2011, no aniversário de 100 anos da corrida, e a de 2016, 100ª edição das 500 Milhas.
Mari Hulman George (Foto: IndyCar)
Em 2016, já com 81 anos, Mari manteve a tradição familiar e cedeu a presidência do IMS ao filho Tony George, que já ocupava o cargo de diretor-executivo.
 
Passada a época de administradora de Indy, Mari concentrou esforços em uma paixão antiga: a filantropia. Apaixonada por cavalos, a empresária apoiou financeiramente centros de estudo e resgate de equinos no estado de Indiana.