Prévia: melhor histórico e time mais forte dão à Penske ligeiro favoritismo em St. Pete

Com seis vitórias em dez anos — sendo três de Helio Castroneves — e o atual campeão, Will Power, a Penske aponta como a favorita à vitória na abertura do campeonato da Indy em São Petersburgo. E os quatro pilotos da forte esquadra aparecem muito bem. Ganassi e Andretti tentam, com seus líderes, quebrar a hegemonia

Senhores, façam suas apostas. O campeonato da Indy promete este ano. E por que mais que nos outros? Bem, é o primeiro que as três grandes equipes começam em completa igualdade de condições. A Penske resolveu seguir Ganassi e Andretti e incluiu um quarto carro em sua esquadra. E para tal, chamou o piloto que reúne jovialidade e experiência, Simon Pagenaud.
 
Junto ao campeão Will Power, ao vice Helio Castroneves e ao quarto colocado do ano passado, Juan Pablo Montoya, o time mais tradicional da categoria tem um belo passo à frente. Por mais que tenha passado oito anos num jejum de títulos, nunca que a Penske deixou de brigar por eles. E com um quarteto destes, é impossível não colocá-la como postulante no fim da temporada em Sonoma. 
Maior rival, a Ganassi tem uma operação diferente: são duas equipes de dois pilotos. A principal manteve Scott Dixon e Tony Kanaan e a segunda seguiu com Charlie Kimball e decidiu apostar, com contenção, o novato Sage Karam. Estes dois últimos não podem ser considerados como ameaças às pretensões maiores, de forma que, separada ou não, a esquadra depende da liderança do tricampeão neozelandês e do campeão brasileiro.
 
A Andretti tenta se recolocar como força atuante depois de uma temporada em que só ficou com as 500 Milhas de Indianápolis. O vencedor Ryan Hunter-Reay, campeão em 2012, é o líder destacado e a aposta natural de Michael Andretti – que sabe que não pode contar com seu filho Marco. Carlos Muñoz mescla esperança e dúvida, e Simona de Silvestro precisa garantir bons resultados para fazer o ano todo depois de um ano sabático da Indy.
 
Daí, estes ingredientes são levados para São Petersburgo. E com o retrospecto da prova, fica praticamente impossível apontar um favorito destacado. Tudo porque, em dez anos de história, apenas em uma oportunidade um piloto que não corria por estas três equipes venceu – Graham Rahal, em 2008, pela finada e gloriosa Newman-Haas.
Helio Castroneves durante os testes coletivos da Indy em Barber (Foto: IndyCar)
É claro que Power tem ligeira vantagem por ser o atual vencedor e campeão. O australiano enfim começa uma temporada sem o duro fardo de provar que não nasceu para ser vice. Outro que tem de ser considerado é Castroneves, maior ganhador da prova na última década. E os outros dois pilotos da Penske entram no balaio porque a equipe levou 60% das corridas em St. Pete.
 
Há, também, outro fator a ser plenamente analisado: os kits aerodinâmicos. Se em um primeiro momento pareceu que a Chevrolet havia feito um melhor trabalho, os últimos testes coletivos da Indy em Barber acabaram por equiparar as equipes parceiras da Honda. Dentre as três citadas, Penske e Ganassi são empurradas pela montadora norte-americana, enquanto a Andretti é a principal da japonesa.
 
Pintam como zebras a CFH, junção da Carpenter com a Fisher Hartman, que tem dois pilotos interessantes e em ascendência, Luca Filippi e Josef Newgarden; e a SPM, que agora conta com James Hinchcliffe, ganhador da corrida em 2013.
 
A etapa de abertura do campeonato certamente terá algo em torno de duas horas de duração. Nestes anos todos, a prova mais rápida acabou em 1h56min. As bandeiras amarelas são uma constante num traçado de rua ondulado e com muitas curvas de 90º. E haverá um outro item a ser observado: o que haverá de fazer este Francesco Dracone, que não andava num carro da categoria havia cinco anos, e volta, não por sua qualidade, pelas mãos da Dale Coyne.

Prognóstico do GRANDE PRÊMIO

1 1 WILL POWER AUS PENSKE CHEVROLET
2 6 HELIO CASTRONEVES BRA PENSKE CHEVROLET
3 10 TONY KANAAN BRA GANASSI CHEVROLET
4 77 SIMON PAGENAUD FRA PENSKE CHEVROLET
5 9 SCOTT DIXON NZL GANASSI CHEVROLET
RAPIDINHAS…

1) Ao lado de Scott Dixon, Tony Kanaan é o piloto que mais vezes disputou provas nas ruas de St. Pete. A corrida deste fim de semana é a 11ª para os companheiros de Ganassi. Vitórias? Nenhuma para ambos.

2) São os parceiros de Penske que mais vezes ganharam nas ruas de St. Pete. Helio Castroneves aparece com três triunfos e Will Power, dois. Os outros dois pilotos que venceram lá foram Graham Rahal, da RLL, e James Hinchcliffe, agora na SPM.

3) Se quebrar a escrita, Dixon chega a 36 vitórias na história da Indy, desempatando com Bobby Unser e se tornando o quinto maior ganhador de todos os tempos.

4) Cinco pilotos vão estrear neste fim de semana na pista urbana: Stefano Coletti, Sage Karam, Gabby Chaves, Francesco Dracone e Luca Filippi.

5) O GP de St. Pete é disputado desde 2005. Somente em três oportunidades, o piloto que ganhou a corrida foi campeão da temporada: justamente no primeiro ano, com Dan Wheldon; em 2011, Dario Franchitti; e no ano passado, com Will Power.

LISTA DE INSCRITOS | GP DE SÃO PETERSBURGO

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube