Indy

Primeiro dia em St. Pete tem Honda em ligeira vantagem, mas equilíbrio entre equipes deixa disputa aberta

A sexta-feira de treinos livres em São Petersburgo teve a Honda na frente da Chevrolet, mas a diferença entre as montadoras caiu muito no TL2, deixando o jogo aberto para o resto do final de semana. Outro ponto positivo para quem gosta de imprevisibilidade é o alto número de equipes no topo da tabela de tempos

Grande Prêmio / GABRIEL CURTY, de São Paulo / FELIPE NORONHA, de São Paulo
O primeiro dia de treinos livres da Indy em 2019 teve um interessante equilíbrio entre diferentes equipes. Nesta sexta-feira (8), após um TL1 que mostrava a Honda bastante na frente da Chevrolet, o TL2 misturou tudo, mas manteve a diversidade de times nos primeiros lugares.
 
O resultado dos treinos livres foi importantíssimo para a Chevrolet. Em 2018, a Honda dominou completamente nas pistas de rua e venceu todas as etapas. Portanto, cada bom resultado deve ser comemorado pelos americanos.
 
No TL1, a Honda conseguiu fechar o top-6 inteiro só com seus times. O novato Felix Rosenqvist liderou e o também estreante Marcus Ericsson apareceu em terceiro. Já na segunda atividade, cinco carros de cada montadora e apenas 0s08 entre o líder Ryan Hunter-Reay e o segundo colocado Spencer Pigot.
Spencer Pigot botou a Chevrolet na disputa (Foto: IndyCar)
Além disso, o TL2 teve tempos bem mais baixos que a primeira sessão, ou seja, acabam servindo mais de parâmetro para o que devemos ver na definição do grid de largada. 
 
Analisando com mais calma o top-10 dos dois treinos, temos nada menos que oito equipes representadas. Certamente, os destaques aí ficam para a Carlin, que teve dois pilotos entre os oito mais velozes no TL2, a Carpenter com Pigot em segundo, a Schmidt Peterson e a RLL com dois top-10 e, sem dúvidas, a Andretti. Foi do time de Michael Andretti o melhor carro do dia, o #28 de Hunter-Reay.

"Definitivamente fizemos algumas mudanças entre os treinos e, primeiramente, pensei que eram muitas, e de fato foram. Estamos no limite para melhorarmos isso. Foi uma boa ida à pista. Os pneus vermelhos estavam rápidos, como costumam ser. O carro estava muito bom. Mas, sobre outras áreas, prefiro não comentar ainda. Vamos nos juntar como equipe e trabalhar, mas foi um primeiro passo muito bom", explicou o americano.
Ryan Hunter-Reay foi o nome da sexta-feira (Foto: IndyCar)
Segundo no TL1 e líder no TL2, ‎Ryan foi o único piloto a frequentar o grupo dos cinco mais rápidos nas duas sessões e logo em posições de tanto destaque. Um dos pilotos com melhor retrospecto em St. Pete, talvez seja o grande favorito do momento para pole e vitória.

Além da Andretti, a Ganassi também teve um dia bem positivo. Líder com Rosenqvist no TL1, o time também viu o atual Scott Dixon cercando os ponteiros, mas naquele estilo de sempre: pouco chamativo, mas regular.
 
"Acho que foi um ótimo primeiro dia. Me senti bem com o carro desde o começo. Tudo funcionou bem. Estamos apenas tentando juntar tudo. Usei os pneus alternativos pela tarde pela primeira vez, e aprendi muito após errar as primeiras voltas. Acho que há muito ainda o que tirar do carro", comentou o sueco.
Scott Dixon apenas cercou os ponteiros (Foto: IndyCar)
"O carro esteve ok desde o começo. Pegamos muito tráfego na pista. Estava horrível. Temos algumas coisas as quais podemos melhorar, mas temos um carro para top-3 no momento, sem dúvida", resumiu de forma otimista e ponderada ao mesmo tempo o pentacampeão.

Em um dia em que a Penske apenas lutou para não ficar tão longe da Honda, Pigot foi o grande nome da Chevy ao lado da dupla da Carlin. E o americano se mostrou animado com o que vem por aí.
 
"Foi um bom dia para nós. Estou muito feliz com o carro, com os pneus vermelhos em particular, então vamos sabendo bem das coisas para a classificação. Vamos ver no que podemos melhorar, mas até aqui estou muito feliz com nosso progresso", disse o #21.
Tony Kanaan, Matheus Leist e a Foyt tiveram um dia duro (Foto: IndyCar)
Na Foyt, a dupla brasileira adotou discursos diferentes após um dia que, ao menos nos resultados, não foi positivo. O time não entrou no top-15 em nenhuma das duas sessões e ficou efetivamente na frente apenas da Meyer Shank e da DragonSpeed, duas equipes novatas.
 
"Foi um dia difícil para nós, mas sabíamos que poderia ser assim. Matheus começou com o carro que já conhecíamos, mas fomos em uma direção completamente diferente para ver se encontrávamos algo melhor e, obviamente, não funcionou. Lutamos o dia todo com algumas coisas de acerto, mas não posso entrar em detalhes. O engraçado é que AJ é que ajudou com isso, foi ótimo. Acho que quando você está em uma equipe pequena, como a nossa, você tem que tentar algo diferente, às vezes funciona, às vezes não. Pena que não funcionou hoje, mas ainda temos amanhã", comentou Tony.
 
"Foi um bom dia. É bom estar de volta e trabalhando com essa equipe. Acho que conseguimos um bom avanço hoje. Descobrimos algumas coisas e isso pode nos ajudar no futuro, até mesmo nesse final de semana. Estamos ansiosos. É bom pilotar em um circuito de rua, é uma ótima pista, estou ansioso para a classificação", afirmou Matheus.

Com Hunter-Reay como favorito, a Indy parte para a definição do grid em St. Pete com diversos times juntos, Chevrolet e Honda próximas e, principalmente, com chance considerável de uma zebra acontecer.