Rahal domina e vence fácil primeira corrida da rodada dupla de Detroit. Penske erra na estratégia e Castroneves é 7º

Graham Rahal já era o favorito para vencer a corrida 1 em Detroit, mas seu trabalho foi bem facilitado pela péssima estratégia de paradas da Penske com Helio Castroneves. O brasileiro, que tinha tudo para ser segundo, acabou chegando em sétimo com uma parada a mais que os rivais

 

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : ‘pt’
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : ‘inread’
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

A vitória de Graham Rahal neste sábado (3) foi muito mais fácil do que prometia. Com uma pilotagem extremamente segura, boas relargadas e a estratégia certeira, o americano aproveitou-se da pole e venceu pela primeira vez em 2017 na corrida 1 de Detroit.

A segunda posição ficou com o cara que mais sabe tirar vantagem da estratégia e do consumo de combustível e pneus no grid. Scott Dixon, que vinha em recuperação do acidente na Indy 500 deu aula no quesito e, mais uma vez, superou a concorrência nos boxes, fechando atrás apenas do dominante piloto da RLL.

James Hinchcliffe tinha tudo para ter uma péssima prova, mas, depois de rodar na primeira curva, se recuperou, deu sorte e ficou em terceiro, segurando os ataques frenéticos de Josef Newgarden, quarto.

Alexander Rossi chegou em quinto, perdendo ritmo no final, enquanto Mikhail Aleshin foi o sexto colocado. Takuma Sato foi oitavo, Ed Jones ficou em nono e Spencer Pigot pegou mais um top-10.

Helio Castroneves tem muito o que lamentar na primeira prova na Belle Isle. O brasileiro tinha tudo para fechar ao menos em segundo, mas a Penske errou na estratégia e, assim, Castroneves não passou de um mediano sétimo lugar. Tony Kanaan foi o 15º, sem brigar nas primeiras posições em momento algum.

Graham Rahal venceu a corrida 1 em Detroit (Foto: IndyCar)

Confira como foi a corrida 1:

A largada para a corrida 1 aconteceu às 16h48 (em Brasília). Sozinho, James Hinchcliffe perdeu o controle e foi para o muro, causando a primeira bandeira amarela da prova e, por muito pouco, não sendo acertado por Josef Newgarden. Os líderes seguiam os mesmos.

Com a prova sob amarelas, o momento foi de um perseguição frenética de Hinch ao pelotão, que ainda era atrapalhado pelo safety-car. O canadense conseguiu se manter na volta do líder e, junto com Mikhail Aleshin, Oriol Servià e Spencer Pigot, já aproveitou para fazer a primeira parada da corrida, trocando os pneus.

A relargada aconteceu na volta 4 e, mais uma vez, Graham Rahal fez bem sua parte, segurando Helio Castroneves e abrindo na frente. Takuma Sato e Alexander Rossi seguiam atrás do brasileiro, com Scott Dixon e Simon Pagenaud preocupados com Newgarden.

Enquanto Castroneves ia se aproximando cada vez mais de Rahal e ambos fugiam da dupla da Andretti, vários pilotos do pelotão intermediário seguiam antecipando suas paradas, como Tony Kanaan, Carlos Muñoz e Marco Andretti.

A prova parecia estar tomada pela disputa na economia de pneus e combustível no grupo da frente até que, depois de seus companheiros de Penske, Castroneves foi aos boxes na volta 13. Sato também não demorou muito e deixou o grupo da frente ao trocar.

Scott Dixon é impressionante (Foto: IndyCar)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Rahal seguia impressionando e abria 13s para Rossi e 18s5 para Dixon, seus adversários que vinham na mesma estratégia, sem paradas. Castroneves já era sexto, atrás da dupla da Schmidt Peterson, que parou logo no segundo giro.

Na volta 23, Rahal e Rossi foram juntos para os boxes, enquanto Dixon parou no giro seguinte. O americano da RLL voltou em quinto, já próximo de Aleshin, Hinch, Castroneves e Newgarden. Aleshin e Hinch foram para a segunda rodada de paradas segundos antes de uma nova bandeira amarela, quando Conor Daly e Charlie Kimball se acharam na curva 4.

Novamente, alguns pilotos que andavam no grupo da frente foram aos boxes, como Newgarden, que era segundo. O grupo da frente, assim, tinha Castroneves, Rahal, Sato, Rossi, Hinch, Dixon, Aleshin, Pagenaud, Power e Chilton.

James Hinchcliffe rodou na primeira curva e ainda foi ao pódio (Foto: IndyCar)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

A bandeira verde voltou na volta 30, com Castroneves mantendo a dianteira e o destaque ficando por conta do ótimo início de Power, que mergulhou para cima de Pagenaud e ainda complicou o companheiro francês, que despencou para 11º.

A prova ficava imprevisível pela enorme alternância de estratégias no grupo dos ponteiros. Castroneves ia para sua segunda parada na volta 36, voltando em 12º. Rahal virava o líder, 4s5 na frente de Sato.

Sato também precisou parar e tudo levava a crer que a estratégia de Rahal era a correta. Com o americano vinham Rossi, Hinch, Dixon e Aleshin. Newgarden e Servià também podiam sonhar com algo.

Rahal e Rossi, mais uma vez, pararam juntos, na volta 48 e voltaram muito bem no pelotão. Hinch foi no giro seguinte e, mesmo com um pequeno problema na roda dianteira esquerda, superou Rossi. Dixon, Newgarden, Aleshin e Servià também paravam, com Rahal retornando ao primeiro lugar. Helio, que vinha em segundo, fez seu último pit-stop com 18 giros para o fim.

Josef Newgarden salvou a Penske (Foto: IndyCar)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Assim, estavam todos praticamente precisando apenas acelerar para a linha final. Rahal tinha 8s8 de frente para Dixon que, incrivelmente, superou de novo os rivais nos boxes. Hinch, Rossi, Newgarden, Aleshin, Sato, Chilton, Castroneves e Jones fechavam o top-10. Kanaan era 16º, o tempo todo brigando com Andretti, Muñoz e Hunter-Reay.

Com um ritmo muito interessante, Newgarden pressionou Rossi e ganhou a quarta colocação, ainda parecendo ser capaz de beliscar a vaga de Hinch no pódio nas voltas finais.

A pressão intensa de Newgarden em Hinch não deu resultado, enquanto Rahal e Dixon mantiveram facilmente seus lugares. Logo atrás, Sato e Chilton precisaram de rápidas paradas e acabaram ao menos promovendo Castroneves para sétimo, colado em Aleshin.

Rahal encarou os retardatários sem grandes problemas e, quando Dixon parecia se aproximar um pouco, apertou o ritmo na medida certa. Graham virou o sétimo vencedor em sete corridas da Indy em 2017.

1 15 Graham RAHAL EUA RLL Honda 70 voltas  
2 9 Scott DIXON NZL Ganassi Honda +6.147  
3 5 James HINCHCLIFFE CAN Schmidt Peterson Honda +9.169  
4 2 Josef NEWGARDEN EUA Penske Chevrolet +10.093  
5 98 Alexander ROSSI EUA Andretti Honda +25.567  
6 7 Mikhail ALESHIN RUS Schmidt Peterson Honda +31.364  
7 3 Helio CASTRONEVES BRA Penske Chevrolet +33.105  
8 26 Takuma SATO JAP Andretti Honda +47.470  
9 19 Ed JONES ING Dale Coyne Honda +53.653  
10 20 Spencer PIGOT EUA Carpenter Chevolet +54.073  
11 8 Max CHILTON ING Ganassi Honda +55.255  
12 27 Marco ANDRETTI EUA Andretti Honda +58.340  
13 28 Ryan HUNTER-REAY EUA Andretti Honda +59.135  
14 14 Carlos MUÑOZ COL Foyt Chevrolet +1:00.731  
15 10 Tony KANAAN BRA Ganassi Honda +1:01.960  
16 1 Simon PAGENAUD FRA Penske Chevrolet +1:02.149  
17 21 JR HILDEBRAND EUA Carpenter Chevrolet +1:06.172  
18 12 Will POWER AUS Penske Chevrolet +1 volta  
19 18 Esteban GUTIÉRREZ MEX Dale Coyne Honda +1 volta  
20 16 Oriol SERVIÀ ESP RLL Honda +1 volta  
21 83 Charlie KIMBALL EUA Ganassi Honda +1 volta  
22 4 Conor DALY EUA Foyt Chevrolet +45 voltas NC
 

ALONSO ATINGE NOVO PATAMAR NA HISTÓRIA DO AUTOMOBILISMO NA ESPETACULAR INDY 500

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = ‘ca-pub-6830925722933424’;
google_ad_slot = ‘8352893793’;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(‘crt_ftr’).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(‘cto_ifr’);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(‘px’)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write('’);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube