Sato relata falta de ritmo no fim e diz que “não estava no nível” de atacar Rossi: “Fizemos o máximo que dava”

Takuma Sato apareceu no fim da corrida após ficar sumido por boa parte dela e chegou. Na terceira colocação, admitiu que não tinha condições de atacar Simon Pagenaud e Alexander Rossi. Foi até o limite

A última relargada para a edição 2019 das 500 Milhas de Indianápolis, na tarde deste domingo (26), apresentou um postulante à vitória que ainda não tinha dado as caras durante a prova: o vencedor de 2017, Takuma Sato. O hoje piloto da RLL não conseguiu vencer, mas terminou a prova num terceiro lugar que coloca o japonês entre os primeiros colocados do campeonato da Indy.

 
A oportunidade de Sato chegou depois da bandeira vermelha chamada por conta do acidente da volta 176, quando Graham Rahal e Sébastien Bourdais se encontraram e acabaram tirando Felix Rosenqvist, Zach Veach e Charlie Kimball da prova. Conseguiu terminar em terceiro após largar em 14º. 
 
"Sempre é desafiador, sempre é difícil. Mantivemos nossa cabeça concentrada, fizemos nosso trabalho e tiramos o máximo que dava", falou.
Takuma Sato (Foto: IndyCar)

No rádio, logo após a prova, já havia agradecido à equipe e avaliado que foi até onde deu. 

 
"Obrigado, rapazes! Estava muito apertado aqui na pista. Agradeço a todos pelo trabalho, realmente sou grato. Tiramos o máximo que dava", comemorou. 
 
Apesar do japonês aparecer em terceiro, surpreendeu que ele não tenha tentado atacar Alexander Rossi e Simon Pagenaud. Alguém problema, Sato explicou, limitou a potência nas últimas voltas. 
 
"Tivemos algum tipo de problema na segunda volta com o pace-car e diminuímos o ritmo. Foi sorte que continuamos na corrida, e as últimas 15 voltas foram bastante divertidas. Tentamos alcançar Rossi, mas não estávamos nesse nível", comentou.
 
Sato está na quarta colocação do campeonato e tem 203 pontos contra 250 do líder Pagenaud.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube