Sem assuntos inacabados, Hildebrand fala que “não se importa e nem pensa” sobre acidente na Indy 500 de 2011

JR Hildebrand disse que não pensa mais sobre o acidente que marcou sua carreira em Indianápolis em 2011. O norte-americano ainda falou sobre o trabalho na Carpenter e disse que vê o chefe Ed apenas como piloto

JR Hildebrand protagonizou uma das cenas mais dramáticas da história da Indy 500. Em 2011, ainda estreante, o norte-americano liderava a volta final em Indianápolis, quando bateu na última curva e foi se arrastando até a linha de chegada, para garantir o segundo lugar. A vitória naquele fim de maio ficou com Dan Wheldon, que morreria no fim da temporada, depois de um forte acidente em Las Vegas.

O episódio por si só já marca uma carreira. Mas Hildebrand não se importa. O piloto de 26 anos, que larga no domingo na nona colocação com a Carpenter, entende que não tem uma história inacabada com o Speedway. Ao contrário, JR encara o acidente como qualquer outro.

JR Hildebrand projeta lugar no top-10 para a corrida do próximo domingo (Foto: IndyCar)

“Realmente, para mim, o que aconteceu naquele dia não importa”, disse Hildebrand ao GRANDE PRÊMIO, no famoso oval. “Aquela acidente não me abala de maneira nenhuma. E eu nem penso mais nisso. Eu não volto para cá porque tenho algo a resolver com essa pista. Eu venho todos aqui porque gosto dessa pista, desse lugar. A atmosfera é ótima. É uma corrida única”, completou.

Junto com o pole Ed Carpenter, o piloto ajudou a equipe a entrar na seleta lista dos nove primeiros colocados do grid para a edição deste ano da tradicional prova. E disse que uma das razões do sucesso foi o trabalho conjunto que desenvolveu com o dono do time.

“Nós dois tivemos a chance de trabalharmos juntos o tempo inteiro neste mês”, contou. “E isso realmente se refletiu na pista. Acho que o verdadeiro segredo é que trabalhamos juntos e com o mesmo propósito, por isso deu certo”, afirmou.

Hildebrand também relatou que o relacionamento com o chefe é muito bom também, particularmente porque não vê Carpenter como um comandante, mas, sim, como outro piloto. “Olha, eu realmente o vejo como outro piloto”, declarou ao GRANDE PRÊMIO.

“Eu não o vejo como o dono da equipe, o chefe aqui, o que é bom, na verdade. Mas ele é um cara muito fácil de se lidar. É uma pessoa amável. Não há problemas na equipe, porque ele é uma pessoa também muito tranquila e acessível. Por isso, foi um mês muito, muito legal”, completou.

Para a corrida de domingo, o norte-americano projeta o top-10 como a meta mais realista. “Acho que temos todas as condições para terminarmos entre os dez. É claro que vai depender de outras coisas, mas estamos trabalhando com esse objetivo”, encerrou.

 

GRANDE PRÊMIO cobre 'in loco' as 500 Milhas de Indianápolis com os repórteres Victor Martins e Evelyn Guimarães. Para acompanhar o noticiário completo, clique aqui.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube