Sem ritmo e com “degradação maior que dos outros”, Leist diz que “não tinha muito o que fazer” em Barber

Matheus Leist teve um GP do Alabama para esquecer. Com um carro muito limitado, problema com os pneus e ainda uma estratégia que deu errado, o brasileiro fechou uma volta atrás dos demais

Matheus Leist teve muitas dificuldades no GP do Alabama, a terceira etapa da Indy. No último final de semana, o brasileiro sofreu com a falta de ritmo da Foyt, com degradação elevada dos pneus e ainda uma estratégia que deu errado, fechando a prova em 20º e uma volta atrás dos primeiros colocados.
 
Leist mostrou-se conformado com o resultado final, explicando que nada indicava que pudesse ter funcionado melhor pelos problemas que apareceram.
 
"Corrida difícil em Barber. Infelizmente, não foi o resultado que a gente queria. Sofremos muito com os dois tipos de pneus e não tivemos ritmo. Nossa degradação foi bem maior que a dos outros e, nesse caso, não tem o que fazer", disse.

Matheus Leist encarou um duro GP do Alabama (Foto: IndyCar)

Segundo o gaúcho, ainda teve o problema com a tática de paradas que deu errado, com a amarela saindo e Leist ficando preso no safety-car junto com os carros que estavam uma volta na frente. Na relargada, não teve como voltar para a prova.

 
"Infelizmente, tomamos uma volta ao ir para os boxes antes da bandeira amarela. Não tinha o que fazer ali, foi um dia frustrante em Barber considerando que fomos 12º no ano passado e poderíamos ter algo melhor esse ano. Vamos ver em Long Beach", completou.

Veja os horários do fim de semana da Indy em Long Beach.

 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube