Taponen é campeão do Mundial de Kart na classe OK. Câmara abandona após liderar

Rafael Câmara chegou a liderar a final, mas teve um pneu furado e abandonou. O título do Mundial de Kart ficou com o finlandês Tuukka Taponen na classe OK. O japonês Kean Nakamura Berta levou o título da OK Júnior após punição a Freddie Slater

David Vidales quase decola e acerta Dino Beganovic. Os dois pilotos, da Prema, abandonaram em Monza (Vídeo: FRECA)

O kartismo conheceu neste domingo (31) chuvoso em Campillos, na Andaluzia, Espanha, seus novos campeões mundiais. Em campeonato que originalmente seria disputado em Birigui, interior de São Paulo, em dezembro, mas por pressão política foi transferido para a Europa, o finlandês Tuukka Taponen, de 15 anos, triunfou de forma dominante depois de assumir a liderança na bateria final na classe OK ao superar o brasileiro Rafael Câmara, que levou, na semana passada, o título da Champions of the Future. O pernambucano assumiu a liderança na primeira volta, mas perdeu performance nos giros seguintes e abandonou em razão de um pneu furado.

Na OK Júnior, o novo campeão é o japonês Kean Nakamura Berta, que foi beneficiado por uma punição de 5s imposta ao vencedor da corrida final, o britânico Freddie Slater.

Na luta pelo título da classe OK, o brasileiro melhor colocado foi o veterano Olin Galli, que largou em 34º e terminou em 13º na bateria final. Gabriel Gomez, que fez um grande fim de semana e inclusive largou na segunda fila, ao lado de Câmara, na final, enfrentou problemas e perdeu muitas posições para terminar em 24º. Matheus Morgato e Câmara abandonaram a disputa.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

TUUKKA TAPONEN; CAMPEÃO MUNDIAL; KART; CAMPILLOS;
Tuukka Taponen conquistou o título mundial na classe OK (Foto: Reprodução)

Tuukka Taponen, o novo campeão mundial de kart na classe OK

A mais importante corrida do fim de semana em Campillos aconteceu debaixo de chuva. Ugo Ugochukwu, piloto norte-americano vinculado à McLaren, largou na pole, lado a lado com o sueco Oscar Pedersen. Dois brasileiros formaram a segunda fila: Gabriel Gomez lado a lado com Rafael Câmara. Outro candidato ao título, Arvid Lindblad, vinculado ao programa da Red Bull, era o sexto no grid, logo à frente do búlgaro Nikola Tsolov.

O grid ainda tinha Matheus Morgato, que largou em 28º, e o veterano Olin Galli, que ganhou 14 posições na primeira volta depois de ter largado em 34º e já era o 20º na primeira passagem.

Na abertura da segunda volta, Câmara passou Ugochukwu e assumiu a liderança, enquanto o finlandês Tuukka Taponen tomou a terceira posição. Gabriel Gomez perdeu muitas posições em meio às disputas e despencou para 17º lugar. Mais atrás, Morgato escapou com seu kart quando era o 24º e caiu para último.

Câmara seguiu na frente, mas não conseguiu evitar a aproximação de Taponen, que fez a ultrapassagem na quinta volta. Quem também chegava cada vez mais perto era Lindblad, que depois de escalar o pelotão tomou a terceira posição. Em seguida, o brasileiro foi superado pelo piloto britânico e também por Ugochukwu, caindo assim para a quarta posição.

Rafa respondeu e retomou o terceiro lugar, mas fazia parte do bolo que envolvia Ugochukwu e também o italiano Luigi Coluccio. Os dois deixaram Câmara para trás na volta 6.

RAFAEL CÂMARA; MUNDIAL DE KART;
Rafael Câmara, enquanto esteve na pista, lutou pelo título mundial (Foto: Manuela Nicoletti/Ferrari Promo)

Um dos grandes favoritos ao título, Câmara começou a perder performance, foi ultrapassado por vários pilotos e abandonou na volta 9 da bateria final em virtude de um pneu furado. Naquele momento, o melhor brasileiro era Olin Galli, enquanto Tapunen seguia firme na liderança. Daí em diante, com ampla vantagem para Lindblad, de mais de 7s, o finlandês não foi mais superado e partiu para a conquista do título mundial com a montadora italiana Tony Kart.

Luca Coluccio foi declarado segundo colocado ao fim da disputa, enquanto Lindblad foi o terceiro. Olin Galli terminou em 13º, enquanto Gabriel Gomez ficou em 24º. Câmara e Matheus Morgato abandonaram.

Kean Nakamura Berta é campeão da OK Júnior após punição de Freddie Slater

Com a pista bem molhada, 36 pilotos partiram rumo à decisão do título mundial em Campillos, sendo dois deles brasileiros: Matheus Ferreira e Miguel Costa. Ferreira, de numeral #102, escapou diante do asfalto traiçoeiro e foi o primeiro a abandonar.

A pole da grande final do dinamarquês David Walther, mas logo o piloto foi superado. Primeiro, pelo leto Tomass Stolcermanis, e depois pelo britânico Freddie Slater. O atual campeão europeu da OK Júnior largou na final em 13º.

Na volta 5 de 16 ao longo da corrida, Slater conseguiu ultrapassar Stolcermanis e tomou a ponta. Miguel Costa aparecia em 20º com o kart de numeral #159.

Stolcermanis perdeu posições para Walther e, depois, para Kean Nakamura Berta, que largou em nono. O japonês ganhou muitas posições e também deixou o dinamarquês para trás e assumiu a segunda posição.

O que chamou a atenção foi a efervescente disputa que envolveu Stolcermanis e o russo Anatoly Khavalkin pelo quarto lugar da bateria final. Walther, em terceiro, estava pouco mais à frente.

Nas voltas finais, Khavalkin subiu para terceiro depois de superar Walther, enquanto Stolcermanis era o quinto. Lá na frente, porém, não teve pra ninguém. Com grande atuação e vantagem de mais de 4s para Nakamura Berta, Freddie Slater venceu a bateria final do Mundial na OK Júnior.

Só que o resultado oficial foi outro. Minutos depois, a direção de prova anunciou que Kean Nakamura Berta foi coroado o campeão mundial da OK Júnior. Tudo porque Slater foi punido em 5s e, por menos de 0s3, viu a conquista escapar depois de grande jornada em Campillos. Miguel Costa foi o brasileiro melhor colocado na final. Com a revisão dos resultados, o piloto, ligado à Academia da Sauber, foi declarado décimo lugar.

MCLAREN OU FERRARI: QUEM LEVA O 3º LUGAR DA F1 2021? | GP às 10
Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar