Mitsubishi Motors

Spinelli e Haddad enfrentam problemas na terceira etapa e abandonam Rali Dakar 2016 em Jujuy

A dupla brasileira, que competiu com o ASX Racing da equipe Mitsubishi Petrobras, teve de encerrar sua participação no maior rali do mundo de forma prematura: a água que entrou no motor ainda durante o prólogo comprometeu o carro na especial da última terça-feira, causando um superaquecimento. O ASX teve de ser rebocado até o acampamento em Jujuy, e isso resultou no fim do Dakar para a dupla da Mitsubishi

Warm Up / Redação GP, de Sumaré

O Dakar 2016 terminou de forma bastante precoce para Guilherme Spinelli e Youssef Haddad. A dupla, que chegou à Argentina muito confiante em um bom resultado, começou a lidar com problemas logo no prólogo, no último domingo, quando teve de passar por um rio, e a água acabou por entrar no motor do ASX Racing #318 da equipe Mitsubishi Petrobras. Durante a especial da última terça-feira (5), entre Termas de Río Hondo e Jujuy, na Argentina, a dupla sofreu com a elevação dos níveis de temperatura na água e do óleo e só conseguiu chegar ao acampamento com auxílio externo. Assim, Spinelli e Haddad dão adeus ao Dakar 2016 logo no terceiro dia de prova.
 
“Amigos, o Dakar acabou muito cedo para nós dessa vez. Infelizmente, as consequências da água que entrou no motor no rio do prólogo foram mais graves do que imaginávamos. Hoje, durante a especial, as temperaturas de água e óleo foram subindo. Administramos até onde deu, mas não conseguimos chegar até o fim e nem dar alguma solução. Fim de Dakar para nós”, escreveu Spinelli no fim da última noite em sua conta no Facebook.
Guilherme Spinelli e Youssef Haddad tiveram de abandonar o Dakar 2016 na terceira etapa (Foto: Victor Eleutério/Mitsubishi)
A dupla vinha em franca evolução durante a terceira especial do Dakar. Ao longo da etapa, Spinelli e Haddad estavam em 16º lugar, subindo para 15º no geral. Entretanto, a partir do waypoint 5 — posto de controle de cronometragem —, o ASX Racing começou a apresentar problemas e foi ficando para trás. No WP 6, já com o superaquecimento, o carro passou apenas em 100º, e depois teve de receber auxílio externo para chegar ao fim da etapa.
 
Se Spinelli e Haddad tiveram um dia pra lá de difícil, os outros conjuntos da Mitsubishi foram muito bem na rota para o noroeste da Argentina. Os lusos Carlos Sousa e Paulo Fiúza começaram o dia em 96º lugar e fecharam a especial em 27º, subindo para 71º na classificação geral.
A dupla lusa formada por Carlos Sousa e Paulo Fiúza também vem em evolução ao longo do Dakar (Foto: Victor Eleutério/Mitsubishi)
“Começamos e acabamos o trecho debaixo de chuva. Mas deu para desempenharmos um bom ritmo. O ASX Racing se comportou muito bem e nos ajudou a conquista essa posição”, declarou o piloto português. “As ultrapassagens foram relativamente fáceis hoje. Passamos muitos carros, mesmo com o piso escorregadio. O interessante é que durante toda a especial tinha muito público assistindo, e isso dá ainda mais motivação”, observou o competidor, exaltando a paixão do povo argentino pelo rali.
 
João Franciosi e Gustavo Gugelmin também tiveram um dia positivo com o ASX Racing da Ralliart Brasil. A dupla brasileira ganhou 38 posições em relação à posição de largada na terça-feira e agora está em 55º na classificação geral.
João Franciosi e Gustavo Gugelmin vão evoluindo na disputa do Dakar 2016 (Foto: Victor Eleutério/Mitsubishi)
“Largamos com muita chuva, até achei que fossem cancelar novamente ou atrasar a partida. Mas o João anda muito bem em piso escorregadio, e isso foi determinante. No meio da prova estava seco, pegamos poeira e ficamos muito tempo atrás dos outros competidores. No trecho final, voltamos a pegar piso escorregadio. Mas hoje deu para terminar com o pé direito e amanhã vamos largar em uma posição favorável. Com isso, podemos andar mais livres e tirar mais potência do ASX Racing”, comentou o navegador.
 
A quarta especial do Dakar será disputada toda em Jujuy, numa etapa em laço. Começam os desafios do Dakar na altitude. A prova deverá chegar aos 3.500 metros, com mudanças constantes em razão da alternância entre terrenos arenosos e repletos de pedras. Será um grande desafio, sobretudo no que tange à navegação. Para as equipes de apoio, porém, representa um alívio, já que não haverá a necessidade de deslocamentos nesta quarta-feira (6).
 



PADDOCK GP EDIÇÃO #11: ASSISTA JÁ