Motociclismo

É preciso parar de aceitar mortes em “esporte de risco” como motociclismo: “Não é normal”, diz Juliana Tesser

Depois de mais uma morte, a segunda no ano, no SuperBike Brasil, o tema foi debatido no Paddockast #20. E sob o viés de que é preciso parar de normalizar as mortes no esporte, mesmo que seja “de risco”. Para Juliana Tesser, “isso não é normal”

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
O SuperBike Brasil viu mais uma morte em suas pistas na última semana, e o Paddockast #20 debateu a situação: algo importante é que não se normalize as mortes no esporte, mesmo que ela seja "de risco", disse Juliana Tesser.

O assunto começa aos 37:05. Ouça no player abaixo ou na sua plataforma preferida:



  Ouça no Spotify
  Ouça no iTunes
  Ouça no Android
  Ouça no playerFM

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo 

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.