Motociclismo

Suspenso por doping, West perde vaga no Brasil e culpa FIM: “Destruiu a minha vida muitas vezes”

Anthony West disparou contra a FIM (Federação Internacional de Motociclismo) após perder a vaga na JC Racing no Brasil. O australiano, que disputava o Superbike Brasil mesmo suspenso por doping, acusou a entidade de destruir sua vida

Grande Prêmio / JULIANA TESSER, de São Paulo / NATHALIA DE VIVO, de São Paulo
Anthony West fez um duro ataque à FIM (Federação Internacional de Motociclismo). O australiano, que está provisoriamente suspenso por doping desde o ano passado, responsabilizou a entidade máxima do esporte por ter perdido a vaga na JC Racing, equipe que defendia na Superbike Brasil.
 
No ano passado, West testou positivo em um exame antidoping realizado na etapa de Misano do Mundial de Supersport. O piloto apelou à Corte Disciplinar, mas teve a suspensão mantida, já que a segunda amostra também deu positiva para substâncias adversas. Além disso, Anthony já tinha sido afastado do esporte por 18 meses em 2013 pela mesma razão.
Anthony West corria no Superbike Brasil (Foto: Sampafotos)
Paddockast #21
A primeira vez a gente nunca esquece: as vitórias dos maiores nomes do esporte



Apesar de o desfecho do caso ainda não ter sido oficialmente divulgado, o GRANDE PRÊMIO teve acesso a documentos da FIM que indicam que a suspensão de West vai até 14 de setembro de 2020.
 
Embora suspenso, Anthony disputava a temporada do Superbike Brasil, campeonato que teve a etapa de junho adiada após a segunda morte apenas em 2019. A presença do australiano só era possível uma vez que o campeonato nacional é independente da CBM (Confederação Brasileira de Motociclismo) e, assim, não está sujeito às regras da FIM.
 
Em um texto postado no Instagram, West se disse cansado do esporte e afirmou que nunca mais vai subir em uma moto.
 
“Foda-se, FIM! Cansei desse esporte!!!! Você nunca mais vai me ver em outra moto na minha vida. Vocês venceram, seus cães da FIM. Vocês são realmente pessoas de merda que não deveriam ter nada a ver com o esporte. A FIM pressionou para que eu perdesse a minha vaga com a Kawasaki aqui no Brasil.A FIM destruiu a minha vida muitas vezes e me colocaram em depressão a ponto de eu desejar estar morto. Cansei da porcaria dos jogos políticos deles. Foda-se FIM”, escreveu. “Desculpas a todos os meus fãs que me apoiaram ao longo deste tempo desde 1999, quando fui pela primeira vez ao Mundial. Amo todos vocês!!!!”, completou.

Em contato com o GRANDE PRÊMIO, West confirmou que, “a menos que possamos encontrar dinheiro de patrocínio, sim, perdi minha vaga”.
 
Questionado se a perda da vaga tinha relação com a situação atual do campeonato, Anthony apontou para a entidade.
 
“A FIM tem tentado me impedir de correr no Brasil, mesmo que este campeonato não tenha relação nenhuma com a FIM”, respondeu.
 
Indagado, então, se a Federação tinha conseguido convencer a JC Racing, West explicou seu ponto de vista. “De alguma forma, eles conseguiram convencer a Kawasaki Japão a fazer a Kawasaki Brasil parar de me patrocinar."
 
O GP entrou em contato com Daniel Fabbri, chefe da JC Racing, para confirmar a saída de West, mas ainda não obteve resposta. 
Anthony West escreveu um desabafo contra a FIM (Foto: Reprodução)

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.