Rins fala em 2021 “longo e complicado”: “Tem algumas coisas que gostaria de esquecer”

Espanhol colocou a sequência de quatro abandonos como o ponto mais baixo da temporada, mas ressaltou que aprendeu lições valiosas ao longo do campeonato

REGULAMENTOS CONFUSOS ATRAPALHAM F1 E MOTOGP | GP às 10

Álex Rins classificou o 2021 da MotoGP como “longo e complicado”. O piloto da Suzuki disse que gostaria de esquecer alguns dos momentos que passou ao longo do ano, mas frisou que acumulou uma experiência importante na temporada.

Rins viveu em 2021 a segunda pior campanha da carreira na MotoGP, melhor apenas do que o ano de estreia, em 2017. O pai do pequeno Lucas somou apenas 99 pontos e ficou em 13º no campeonato, 179 pontos a menos que Fabio Quartararo, o campeão. Além disso, Álex somou 109 pontos a menos do que Joan Mir, o companheiro de equipe.

RETROSPECTIVA 2021
Quartararo usa consistência para dominar e vencer na MotoGP
Ducati fica sem cereja, mas tem bolo para lá de saboroso na MotoGP
Suzuki perde força e vira incógnita no grid da MotoGP em 2022
Marc Márquez vive montanha-russa em 2021, mas reencontra vitória
Viñales ativa ‘modo insano’ e acumula nova mancha na carreira
KTM ameniza crise com duas vitórias, mas faz ano opaco na MotoGP
# Bagnaia floresce, ganha força e vira protagonista na MotoGP
# Aprilia cresce, vai ao pódio e ganha reforço inesperado na MotoGP
# Gardner e Fernández se agigantam e tomam protagonismo da Moto2

Álex Rins teve um ano acidentado na MotoGP (Foto: Divulgação/MotoGP)

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Rins sofreu um total de 12 quedas ao longo da temporada e, apesar de não estar no topo da lista de tombos de 2021, teve quedas significativas, já que sete delas aconteceram nas corridas, incluindo aí quatro etapas seguidas ― Portugal, Espanha, França e Itália.

“É muito estranho olhar para este ano, pois, de muitas maneiras, passou rápido, mas também foi uma temporada muito longa e complicada”, disse Rins. “Tem algumas coisas que eu gostaria de esquecer, como as quedas e, especialmente, a sequência de quatro abandonos que tive”, seguiu.

“Foi difícil para mim, pois estava dando meu máximo a cada corrida e isso continuava resultando em quedas”, comentou. “Mas não vejo isso como uma coisa completamente ruim, pois, na realidade, aprendi muito com essas dificuldades, tive de lidar com essas decepções e com essa pressão, então posso dizer que, pelo menos, aprendi com esses momentos ruins”, garantiu.

“Como equipe, nós todos trabalhamos juntos e eu sinto o apoio da minha equipe. Minha meta era ser mais consistente e nós todos colaboramos para ver como fazer isso acontecer. Na próxima temporada, nós queremos reunir tudo que aprendemos e fazer compensar”, concluiu.

GRANDE PRÊMIO lança especial que celebra carreira de Valentino Rossi. ACESSE
DESCOMPLICADA E PERFEITINHA, DUCATI ACIONA ALARME DE RIVAIS NA MOTOGP | GP às 10
Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar