MotoGP

Alimentação, treino e mudança: Petrucci recebe ajuda de Dovizioso. E 2019 “pode ser melhor ou pior temporada”

Danilo Petrucci se vê pronto para a primeira corrida com a Ducati. Confiante com o que foi apresentado durante a pré-temporada, o piloto ainda ressaltou a importante e útil ajuda que tem recebido de Andrea Dovizioso dentro e fora da pista

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
GUIA 2019
🏁 MotoGP abre 2019 imprevisível e com promessa de alta competitividade
🏁 Por equilíbrio, MotoGP introduz mudanças aerodinâmica e eletrônica
🏁 Yamaha mostra evolução. Mas a dúvida permanece: é o suficiente?
🏁 Ducati sai da pré-temporada forte e vê chance de recuperar título
🏁 Honda carrega mistério: Márquez e Lorenzo vão se aguentar sem brigas?
🏁 Após anos de 'chove e não molha', Suzuki vê chance de dar próximo passo
🏁 KTM tem Pedrosa como trunfo e chance de acelerar evolução da RC16
🏁 Aprilia mira evolução e busca recuperação após 2018 decepcionante
🏁 Moto2 tem motor Triumph, mudança na classificação e classe talentosa
🏁 Moto3 traz nova classificação, volta de Fenati, time de Biaggi e promessa Öncü
🏁 Até com Gibernau, Mundial estreia Copa do Mundo de MotoE em 2019

Danilo Petrucci está animado para disputar a primeira etapa de 2019 com as cores da Ducati. Confiante de um bom resultado, ainda reforçou que se sente preparado após mudar sua abordagem de treinos – muito graças a Andrea Dovizioso.
 
Nas últimas semanas, a classe rainha do Mundial de Motovelocidade realizou duas sessões de testes pré-temporada, uma em Sepang e outra em Losail. Nas duas ocasiões, o #9 mostrou ter se adaptado bem a Desmosedici e apresentou bons resultados.
 
“Se eu tiver de dizer como me sinto, eu diria que confiante, mais do que no ano passado. Ver o seu nome constantemente no topo da folha de tempos faz você perceber que você não é tão medíocre”, brincou. “Estou mais consciente do meu potencial e agora só quero correr”, comentou.
 
“A corrida no Catar é sempre estranha, pois há sempre muita expectativa e pressão. Vai ser importante ficar calmo e trabalhar como no inverno. Fui o único a completar uma simulação completa de corrida e sei que posso ser rápido. Quão rápido? Ano passado fiquei em quinto, obviamente quero melhorar essa posição”, seguiu.
Danilo Petrucci (Foto: Ducati)
❀ Tatiana Calderón – pilota de testes da Alfa Romeo e primeira mulher a correr na F2
❀ Bruna Tomaselli - do kart em Santa Catarina à seleção na W Series e no Road to Indy

Começar o trabalho em uma nova equipe nunca é tarefa muito fácil. Entretanto, Danilo tem contado com a importante ajuda de Dovizioso, que além de dicas dentro da pista, também tem passado direcionamentos de pontos como alimentação e treinos físicos.
 
“Andrea tem me ajudado, dentro e fora da pista. Passamos muito tempo juntos, até mesmo jantamos juntos. Tem sido bem útil e me ajudado a mudar, também no meu dia a dia. Muitos pequenos detalhes que, quando colocados juntos, levam a melhores resultados”, afirmou.
 
“Um dos meus defeitos era ser impaciente, querer mostrar tudo na hora, agora dou meu tudo, mas sem me pressionar. 2019 pode ser minha melhor ou pior temporada na MotoGP, depende de mim”, continuou.
 
“Mudei minha maneira de treinar e comer. Dovi tem me ajudado nessa área também, me aconselhando em focar mais na qualidade do que quantidade. Ano passado, comia muito pouco e treinava demais, eu ficava tão cansado que via na corrida uma oportunidade de relaxar”, seguiu.
 
“Antes também acordava tarde, agora coloco o despertador às 6h, tenho um bom café da manhã e treinos mais completos e mais curtos. Basicamente, mudei meu metabolismo e me sinto mais forte”, ressaltou.
 
Por fim, com base no que viu na pré-temporada, Petrucci sublinhou a importância de uma boa classificação. “Percebi que durante a simulação, durante as primeiras voltas é melhor não exigir demais dos pneus e para fazer isso precisa largar das duas primeiras filas. Sei que tenho bom ritmo, então preciso focar nesse ponto. No final, sei que tenho boas cartas”, encerrou.