Dovizioso vê risco de volta à MotoGP com Yamaha “maior do que chance de dar certo”

Piloto de 35 anos contou que desde que defendeu a Tech3, em 2012, sempre teve a vontade de ser um piloto oficial da Yamaha. O italiano de Forli volta à MotoGP no GP de San Marino e da Riviera de Rimini deste fim de semana para guiar pela SRT

Andrea Dovizioso considerou que o risco de voltar à MotoGP com a Yamaha é maior do que a chance de o projeto dar certo. Depois de alguns meses afastado, o italiano volta ao grid a partir deste fim de semana para assumir a vaga de Franco Morbidelli na SRT, já que o ítalo-brasileiro foi para a equipe de fábrica da casa de Iwata.

Três vezes vice-campeão da MotoGP, Dovizioso vinha em um ano sabático após encerrar uma união de oito anos com a Ducati. Com passagem também pela Honda, o piloto de 35 anos chegou a ser cotado para a Aprilia, mas a crise da Yamaha acabou abrindo uma porta para o retorno do italiano de Forli.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Andrea Dovizioso volta à MotoGP em Misano neste fim de semana (Foto: Divulgação/MotoGP)

VEJA TAMBÉM
Fatos e curiosidades sobre o GP de San Marino e da Riviera de Rimini de MotoGP
Como fica o grid da MotoGP para a temporada 2020?

Originalmente, Maverick Viñales tinha contrato com a Yamaha para 2022, mas, depois de pedir à equipe para encerrar a relação um ano antes, foi flagrado tentando danificar propositalmente o motor da YZR-M1 durante o GP da Estíria. Suspenso na Áustria, o espanhol acabou depois desligado da fábrica dos três diapasões e assinou com a Aprilia.

Dovizioso, então, apareceu como uma alternativa. Morbidelli foi levado à equipe principal para ocupar o lugar de Maverick, com Andrea formando par com Valentino Rossi. Assim, o piloto conhecido pelo #4 volta a guiar a M1 após mais de nove anos, já que defendeu a Tech3 em 2012.

“Já em 2013, depois de um bom ano na equipe satélite, meu sonho era ser piloto oficial da Yamaha. Isso não aconteceu e aquilo seguia ali, na minha mente. Ter essa possibilidade, depois de oito anos em uma mesma equipe, me levou a tentar”, disse Dovizioso. “Não quero dizer que vou ser o melhor com essa moto, mas, como piloto, você tem uma ideia de qual moto é a ideal. O risco é maior do que as possibilidades de que corra bem. Mas, tudo bem, assumo esse risco sem problemas”, comentou.

Antes de fechar com a Yamaha a volta à MotoGP, Dovizioso chegou a testar com a Aprilia, mas acabou por não fechar com a casa de Noale, que aproveitou o fim tumultuado de relação com a Yamaha para contratar Maverick Viñales.

“Tive a oportunidade de fazer vários testes com a Aprilia e acho que foi positivo para ambas as partes. Mas eu sabia o que eu queria. E, no final, surgiu a oportunidade”, avaliou o piloto de 35 anos.

O piloto de Forli, porém, tratou de se livrar da pressão nesse retorno à MotoGP após alguns meses de afastamento.

“A pressão não me preocupa, pois não tenho de lutar pelo Mundial e nem por resultados. O importante do nosso acordo é que eu tivesse uma moto oficial para o ano que vem e com o apoio de fábrica”, finalizou.

A largada para o GP de San Marino e da Riviera de Rimini de MotoGP está marcada para as 9h (de Brasília) de domingo (19). O GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades do Mundial de Motovelocidade 2021.

LEIA TAMBÉM
Bagnaia se agiganta em duelo com Marc Márquez e vence no melhor estilo em Aragão
Marc Márquez ainda tem em lesão limitador, mas segue sendo piloto vigoroso de antes

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar