Apesar das críticas, MotoGP terá motos CRT também em 2013

A MotoGP vai continuar tendo no grid motos CRT em 2013. É o que garantiu o presidente da FIM, Vito Ippolito, apesar das críticas em relação a diferença de performance entre as motos de produção e os protótipo

MotoGP vai continuar tendo no grid motos CRT em 2013, mas pode optar por uma mudança significativa para os próximos anos. Isso porque a Honda já se prepara para fornecer protótipos acessíveis para as equipes. Essa é a crença do presidente da FIM, Vito Ippolito, que disse que o objetivo é convencer outras montadoras a também disponibilizar protótipos a preços mais baratos.

Até que isso aconteça, no entanto, o dirigente insistiu em dizer que as motocicletas CRT, que foram incorporadas ao campeonato com a meta de aumentar o grid a um custo menor, vão continuar a existir. De fato, o regulamento CRT se mostrou um sucesso em termos de baixos custos, mas as motos estão muito longe da performance dos protótipos, e isso criou um campeonato a parte.

"A MotoGP vai continuar com as CRTs, com a meta de construir motos mais competitivas em 2014, com a ajuda de novos regulamentos e de um novo trabalho de desenvolvimento. O cenário vai mudar", disse Ippolito em entrevista à revista italiana 'Motorsprint'. "Pedimos aos fabricantes para construírem protótipos de produção, que foi durante anos um objetivo meu, mas eles disseram que não, então não tivemos outra escolha a não ser inventar outro tipo de moto. E foi assim que a CRT nasceu", explicou.

Aleix Espagaró faz parte do regulamento das CRT neste ano (Foto: Divulgação)

Questionado sobre a possibilidade de a Honda passar a fornecer réplicas de produção derivadas de sua moto a partir 2014, Ippolito respondeu: "É, parece que sim, mas vamos ver o que acontece até 2014. Espero que a construção desse tipo de moto aconteça e que outras fabricantes sigam o exemplo. Nós da FIM e também a Dorna concordamos que as fábricas podem construir esse tipo de moto e ter o sucesso que tiveram nos anos 80 e 90. Motos de verdade, competitivas e baratas. Esses eram os anos das 500cc, mas isso pode ser feito agora com a MotoGP".

O presidente da entidade máxima do motociclismo também revelou que outras mudanças importantes estão sendo discutidas para o futuro da categoria rainha, incluindo a introdução de uma centralina única, além de alterações no calendário.

"Estamos trabalhando com a Dorna no conjunto do novo regulamento, exatamente porque queremos que outros fabricantes, como a BMW, Suzuki, Koawasaki e Aprilia, entrem no Mundial", disse o venezuelano, acrescentando que agora as atuais equipes de fábrica estão mais flexíveis no que diz respeito às regras quanto à eletrônica e a centralina.

"Eles [as equipes] estão se ajustando com relação a isso. A centralina é parte fundamental do regulamento de 2014. Os três fabricantes da MotoGP há muito se opuseram a ela, mas agora acho que estamos no caminho certo para encontrar um acordo", afirmou Ippolito, que ainda disse que a Dorna também trabalha para trazer a MotoGP para o Brasil em futuro breve.

"Além disso, em um curto espaço de tempo, dois ou três anos, vamos ter mais corridas fora da Europa. O motivo é a crise econômica. A Dorna Já trabalha arduamente para voltar à America do Sul. Nós logo vamos à Índia e estamos trabalhando com a Indonésia também. "

"Vamos ver como as coisas evoluem, mas é claro que agora há sempre mais e mais pedidos para corridas da MotoGP em países distantes da Europa", concluiu.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube