Assessor de Rossi diz que piloto "não tinha como esperar" reação da Ducati e fala em decisão corajosa

Valentino Rossi optou pela Yamaha para 2013, pois não tinha tempo na carreira para esperar por uma melhora significativa da Ducati. A opinião é de Davide Brivio, ex-chefe da Yamaha

Foi o tempo que pesou na decisão de Valentino Rossi pela Yamaha. De acordo com Davide Brivio, ex-chefe da marca de Iwata e atualmente assessor do italiano, o sete vezes campeão da MotoGP escolheu o retorno à equipe japonesa porque não tinha tempo suficiente na carreira para esperar que o novo programa técnico da Ducati se tornasse competitivo. Brivio também classificou a opção de Rossi como corajosa, porque terá de enfrentar o antigo rival Jorge Lorenzo no time nipônico novamente.

Ainda assim, o italiano afirmou que Valentino teria sido capaz de alcançar o sucesso com a equipe vermelha. Na última sexta-feira (10), depois de semanas de boatos, a Yamaha anunciou o retorno de Rossi por duas temporadas, mesma duração do próximo contrato de Lorenzo com a marca, que foi firmado em junho deste ano. 

Rossi volta à Yamaha em 2013 (Foto: Yamaha)

"Não foi uma escolha fácil. O projeto da Ducati pode ser vencedor, mas isso leva tempo. E é muito para um piloto de 33 anos", disse Brivio, em entrevista ao jornal 'La Gazzetta dello Sport', acrescentando que Valentino não deve sentir arrependimento por sua passagem pela equipe italiana.

"Foi certo o que foi feito e era preciso tentar. Tem sido dois anos positivos, mas faltam os resultados, e isso é a coisa mais importante", completou.

Brivio também vê como uma escolha corajosa por parte de Valentino retornar à Yamaha, especialmente por causa de Lorenzo. A rivalidade entre os dois foi bastante polêmica e acabou sendo decisiva para saída do italiano da equipe em 2010. "Ele tomou o caminho mais difícil, porque é preciso ter coragem para desafiar Jorge, principalmente diante da atual fase dele, e ainda com a mesma moto", declarou.

"Rossi se jogou nisso e tem tudo a perder, e você precisa ter bolas para fazer isso. Mas demonstra o quanto ele está motivado para voltar a vencer", acrescentou.

Quando Valentino deixou a Yamaha, no fim de 2010, boa parte de seu staff técnico o acompanhou para a Ducati, incluindo o renomado engenheiro australiano Jeremy Burgess, que trabalha com o multicampeão desde a Honda. Brivio, entretanto, disse que não pode confirmar se Burgess vai mesmo retornar à equipe japonesa junto com o piloto. "Valentino já expressou seu desejo, agora a decisão cabe à Yamaha", concluiu.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube