MotoGP

Bolo de aniversário, risada do sotaque e estilo 'de outro planeta': pilotos compartilham memórias com Hayden

O GP das AMéricas vai prestar diversas homenagens para Nicky Hayden, inclusive a aposentadoria do #69. Na esteira do final de semana emocionante, os pilotos compartilharam as melhores memórias que tiveram ao lado do 'Kentucky Kid'

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
Resultado de imagem para emoji microfonePaddockast #14: O melhor piloto de MotoGP de todos os tempos



O final de semana em Austin vai ser marcado por muita emoção, pois o #69 de Nicky Hayden vai ser aposentado do Mundial de Motovelocidade. Na esteira das homenagens, os pilotos aproveitaram para compartilhar as melhores memórias que tiveram ao lado do ‘Kentucky Kid’.
 
O norte-americano sofreu um forte acidente de trânsito em 2017, quando andava de bicicleta em Rimini. Atropelado por um motorista, acabou não resistindo aos ferimentos e morreu poucos dias depois.
 
Então, nada mais justo do que relembrarem do piloto, ainda mais em um final de semana marcante. Primeiro a falar, Marc Márquez falou da divertida festa que participou com Nicky. “Tenho dois bons momentos. O primeiro é em 2008, na apresentação da equipe, da Repsol, estava fazendo 15 anos e ele trouxe o bolo de aniversário, foi muito legal”, contou.
 
“A outra foi quando dividimos os boxes em 2016, na Áustralia, Dani [Pedrosa] estava machucado. Fizemos uma festa depois da corrida, foi uma boa festa, pois ele estava cantando no palco com sua namorada, cantamos juntos. Foi a melhor memória”, seguiu.
Jorge Lorenzo, Valentino Rossi, Marc Márquez, Dani Pedrosa e Nicky Hayden (Foto: Divulgação/MotoGP)
Já Andrea Dovizioso compartilhou uma engraçada viagem que fez ao lado do norte-americano no Japão. “Conheci Nicky no início de minha carreira no Mundial, pois estava na Honda. Tive muitos momentos com Nicky quando era mais novo. Às vezes tínhamos que estar em Motegi durante o inverno. Passei muito tempo com ele e era sempre bom passar tempo juntos”, disse.
 
“Um momento divertido foi uma vez, no Japão, pegamos um táxi juntos, eu, meu empresário e ele, e Nicky sentou na frente. Ele começou a pressionar o taxista, pois estava dirigindo muito devagar, e foi muito divertido. Ele pressionava para ir mais rápido, pois demorou umas duas horas para chegar no aeroporto. Sempre bom passar tempo com ele”, seguiu.
 
A memória quee Valentino Rossi contou também aconteceu no Japão, e o italiano inclusive brincou como o estilo dele parecia ‘de outro planeta’. “Tenho muitas memórias com Nicky. Me lembro do dia que conheci ele, estávamos em Tókio, pois em 2003, estava na Honda, e ele chegou da América, era meu companheiro. Estávamos esperando ele na estação de Tókio, e ele chegou com um estilo bastante americano, parecia que vinha de outro planeta”, falou.
 
“Depois pegamos o trem, pois usávamos o trem para nos locomover pelo Japão, e Nicky começou a perguntar um monte de coisas. Primeiro, falando um americano bastante carregado, bastante difícil de entender, fazendo muitas questões, por que pegar o trem, quão longo era o dia... Eu disse ‘Nicky, um conselho: não faça tantas perguntas’. Essa foi a primeira vez”, emendou.
 
“Tenho uma memória muito boa com ele. Em 2012, quando conquistei minha primeira pole-position, era também meu primeiro ano no Mundial, na Moto3, em Jerez. Estava na press conference, e ele estava sentando perto de mim e estava rindo muito do meu inglês, pois era muito, muito ruim. Foi bem engraçado”, disse Álex Rins.
 
“Eu tenho algumas, mas talvez a melhor foi da primeira vez em que estive no paddock, em 2014, especialmente, na Moto3. Nicky falou que as portas estavam sempre abertas para mim, com os americanos, achei muito legal. Ele era sempre muito amigável, bom de se estar perto”, encerrou Jack Miller.