Catalunha segue tônica da temporada 2021 e vê Ducati fazer oposição à Yamaha

Dona de um histórico vencedor em Barcelona, a casa de Iwata mostrou força não só com Fabio Quartararo, mas especialmente com Franco Morbidelli. A marca de Borgo Panigale, porém, viu Johann Zarco fazer frente as YZR-M1 e colocou quatro motos no top-10

MotoGP preparou vídeo com imagens da carreira em tributo a Jason Dupasquier (Vídeo: MotoGP)

Ducati x Yamaha segue dando o tom da temporada 2021 da MotoGP. Em um circuito onde o histórico é amplamente favorável à casa de Iwata, foram os italianos que começaram na frente, com Johann Zarco ditando o ritmo dos trabalhos desta sexta-feira (4) na Catalunha.

O francês da Pramac estabeleceu como melhor tempo do dia em Barcelona a marca de 1min39s235, 0s021 melhor do que Franco Morbidelli, o mais destacado entre os pilotos da Yamaha. Líder do campeonato, Fabio Quartararo garantiu o terceiro tempo.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram.

Johann Zarco foi o mais rápido no primeiro dia em Montmeló (Foto: Red Bull Content Pool)

LEIA TAMBÉM
⇝ Itália contrasta melhor e pior do esporte e evidencia força extraordinária de pilotos
⇝ Rins abusa de quedas em momentos cruciais e sai da briga pelo título da MotoGP
⇝ Vale tudo no amor e na guerra? Tática de Marc Márquez causa polêmica na Itália

A casa de Bolonha ainda viu outras três Desmosedici no top-10: Francesco Bagania foi quinto, Jack Miller ficou em sétimo e Enea Bastianini em oitavo. Maverick Viñales foi a terceira YZR-M1 na lista dos dez mais rápidos e fez o sexto tempo, 0s586 atrás de Johann. KTM, Aprilia e Honda colocaram uma moto cada entre a melhor dezena. A exceção foi a Suzuki, que viu Jack Miller em 16º e Álex Rins numa cama de hospital, já que o #42 foi operado após um acidente de bicicleta na quinta-feira.

Líder, Zarco chegou à Catalunha embalado por uma renovação de contrato com a Pramac e reconheceu que o bom resultado foi também graças ao vácuo de Quartararo.

“Foi interessante acompanhar Fabio. O vácuo me ajudou”, disse Zarco. “Estou feliz por estar na liderança. Começamos com uma base boa. Tentamos fazer algo para melhorar, mas, no momento, está faltando alguma coisa. Era possível fazer uma boa volta sozinho, mas seguir Fabio na minha volta mais rápida foi interessante e me permitiu dar feedback para desenvolver a moto”, relatou.

Mesmo reconhecendo a ajuda, Zarco se mostrou confiante em ter uma moto capaz de vencer no circuito catalão.

“Gosto de ter velocidade nas curvas. Costumo sofrer nessa área, mas a situação muda de uma pista para outra. Estamos perdendo alguma coisa entre a aderência e as curvas, mas temos pontos fortes que podemos melhorar. Mas já temos uma moto fantástica para lutar pela vitória”, apostou.

Segundo melhor entre as Ducati, Francesco Bagnaia destacou um salto de performance entre as sessões da manhã e da tarde, mas ressaltou que ainda é preciso trabalhar na escolha dos pneus.

Franco Morbidelli foi a melhor entre as Yamaha (Foto: SRT)

“Em comparação com esta manhã, de tarde nós conseguimos melhorar muito e conquistar facilmente o quinto melhor tempo. No entanto, a pista tem muito pouca aderência, então ainda temos algum trabalho a fazer”, indicou. “Em comparação com o normal, hoje adotamos uma estratégia diferente: rodamos principalmente com os pneus macios, mas já entendemos que não é a escolha certa para a corrida. Amanhã vamos tentar as outras duas opções disponíveis”, avisou.

“No momento, estou satisfeito com a maneira como o fim de semana está correndo e estou confiante para a classificação de amanhã”, frisou.

Sétimo nesta sexta-feira, Jack Miller cravou 1min39s914 e fez uma avaliação positiva deste início de trabalhos para o GP da Catalunha.

“Foi um primeiro dia positivo e foi bom ver os fãs nas arquibancadas depois de tanto tempo! A aderência do asfalto é realmente baixa nesta pista, então fizemos muitas voltas para entender que estratégia adotar para a corrida de domingo. Acho que já temos uma ideia clara”, relatou. “Amanhã faremos mais testes com o pneu traseiro duro para tentar melhorar em alguns aspectos. Mas, no geral, me sinto confortável com a minha Desmosedici e estou confiante de que posso me sair bem amanhã outra vez”, garantiu.

Forte ao longo de todo o primeiro dia em Montmeló, Morbidelli saiu satisfeito com a performance inicial da moto nesta sétima etapa da temporada 2021.

“Começamos fortes. A moto está se comportando muito bem”, disse Franco. “Me senti muito bem, estamos muito rápidos e isso logo ficou evidente. Começamos bem e eu me diverti”, comentou.

Fabio Quartararo se disse ansioso pela classificação na Catalunha (Foto: Yamaha)

Morbidelli, porém, mostrou ainda ter dúvidas em relação aos melhores pneus para a corrida deste fim de semana. Como sempre, a Michelin levou macios, médios e duros para a Catalunha, mas apenas o dianteiro de composição mais mole é feito em versão simétrica.

“Gosto de algumas coisas nos médios, outras nos duros, mas ainda é muito cedo para tomarmos uma decisão. Vamos ver como será o fim de semana”, ponderou. “A pista não tem muita aderência, mas é divertida. Temos que nos jogar, mesmo que às cegas se for preciso, um pouco como fizemos no ano passado. É uma das nossas características e nesta temporada temos de fazer isso ainda mais”, frisou.

Terceiro na tabela, Fabio Quartararo saiu igualmente satisfeito e ansioso pela classificação, que definiu como um dos momentos preferidos do fim de semana. O francês de Nice já conseguiu a posição de honra no grid em quatro oportunidades.

“Foi um bom primeiro dia na Catalunha. O ritmo esta manhã e esta tarde foi bom. Nós claramente trabalhamos nisso hoje. Já somos rápidos, mas sei que podemos melhorar”, falou Fabio. “O novo asfalto em algo em que precisamos prestar atenção. A mudança no asfalto é complicada, mas o novo layout é muito melhor do que o antigo”, elogiou.

“Estou ansioso para a classificação de amanhã e vou fazer meu melhor para estarmos na primeira fila. Se puder lutar pela pole, claro que vou tentar. Uma das minhas coisas favoritas no fim de semana é a classificação”, relatou.

Companheiro de equipe do líder do Mundial, Maverick Viñales começou o trabalho com Silvano Galbusera e se mostrou satisfeito com o método de trabalho que rendeu a sexta colocação na tabela de tempos.

Joan Mir relatou problemas com pneus (Foto: Suzuki)

“Me senti muito bem na moto. Com certeza, mudamos muito a moto durante o TL1 e o TL2. Isso não é algo que normalmente fazemos, mas, no momento, precisamos fazer isso para encontrar um equilíbrio melhor e fazer uma moto mais ajustada ao meu estilo de pilotagem”, falou Viñales. “Senti muitas coisas positivas ao longo do dia. Com Silvano, estamos trabalhando de forma muito constante. Nós sabemos que a nossa prioridade é encontrar um acerto que me deixe confortável para que eu possa pilotar a moto com o meu próprio estilo de pilotagem. Não checamos muito os tempos de volta ou a posição. Só estávamos tentando combinar meu estilo de pilotagem à moto”, explicou.

“Meu ritmo de corrida não é nada mal. Tivemos um grande desgaste do pneu traseiro, mas acho que isso tem mais a ver com o acerto da moto. Podemos resolver”, garantiu. “No primeiro long-run mais longo, eu me senti bem. Rodei em 1min40s baixo. Esse é um ritmo que deve nos colocar no top-4, então precisamos seguir trabalhando como fizemos hoje”, acrescentou.

Apesar da posição atrasada na tabela, Joan Mir não saiu preocupado desta sexta-feira, já que entende que um problema com os pneus foi o que atrapalhou a busca por tempo.

“Me senti bem forte neste primeiro dia, apesar de a pista não ter muita aderência. Fui bem competitivo nas duas sessões, mas quando mudei para a combinação macio-macio no fim da sessão, tive um pequeno problema com a dianteira da moto e não me senti confortável quando tentei uma volta rápida, então decidi que era melhor voltar aos boxes”, disse Mir. “Sabia que não chegaria perto o bastante dos meus melhores tempos e preferi a segurança ao invés de forçar excessivamente”, defendeu.

“Tive um bom ritmo de corrida, com muitas voltas consistentes, mas preciso trabalhar em fazer algumas voltas rápidas. Minha equipe vai tentar descobrir a melhor maneira de lidar com o problema que encontrei hoje e estaremos prontos outra vez amanhã”, concluiu.

MotoGP volta às pistas no próximo dia 6 de junho para o GP da Catalunha. Acompanhe a cobertura do GRANDE PRÊMIO sobre o Mundial de Motovelocidade.

LEIA TAMBÉM
⇝ Fatos e curiosidades sobre o GP da Catalunha de MotoGP

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar