MotoGP

Chefe da Ducati defende legalidade da moto no Catar e revela surpresa com mudança de postura da Honda

A Ducati segue mantendo sua postura em relação ao caso do defletor usado no Catar. Gigi Dall'Igna, chefe da equipe, afirmou que a Desmosedici segue o regulamento do Mundial, e afirmou estar surpreso na postura adotada pela Honda durante o episódio

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
A Ducati segue no centro dos debates após o GP do Catar. O dispositivo apresentado pela equipe durante a prova em Losail ainda é tema de muita análise, mas Gigi Dall’Igna, chefe do time, continua batendo o pé de que tudo está seguindo o regulamento do Mundial de Motovelocidade. 
 
Na etapa de abertura da temporada 2019, a esquadra de Borgo Panigale adotou um defletor instalado no braço oscilante da Desmosedici, localizado no pneu dianteiro. A Com isso, Aprilia, KTM, Honda e Suzuki apresentaram um protesto questionando a legalidade da peça.
Agora, o processo está acontecendo e a FIM informou que o caso foi levado à Corte de Apelações, com uma audiência sendo realizada antes da etapa de Termas de Río Hondo, na Argentina.
 
Falando sobre toda a situação, Gigi revelou estar surpreso com as proporções que tudo tomou, ficando surpreso com a postura das fábricas. “Estamos um pouco perplexos, especialmente por como tudo aconteceu. Antes da corrida no Catar, todas as discussões sobre o regulamente, e houve muitas, sempre foram resolvidas dentro do MSMA ou envolvendo o diretor-técnico do campeonato”, explicou em entrevista ao site da MotoGP.
O dispositivo apresentado pela Ducati (Foto: Reprodução)
“É a primeira vez que algumas equipes decidem prestar uma reclamação contra outra por uma dúvida técnica. Isso marca uma clara diferença em relação ao passado, uma diferença negativa”, seguiu.
 
“Questionar o diretor-técnico do campeonato, que é o único, segundo o regulamento, que pode decidir se algo montado na moto é legal ou não. Corre o risco de isso se tornar o faroeste e que matem o xerife. Há perigo de acontecer em todas as corridas”, completou.
 
Entretanto, apesar de todos os questionamentos, Dall’Igna defende a legalidade da Ducati. “Estamos seguros de que nosso trabalho cumpre perfeitamente com as normas técnicas. Estamos convencidos e confiamos que na apelação também vejam que temos razão”, apontou.
 
“Estamos tranquilos, pois estamos convencidos de que temos sido corretos e temos respeitado as normas e não vemos motivos do porque o Tribunal de Apelação possa decidir diferente”, completou.
 
Por fim, o dirigente disse ter ficado surpreso em como a Honda tem levado todo o caso, pois nunca houve problemas entre as marcas. “Sempre que havia um problema se debatia nos lugares indicados para isso, nas reuniões da MSMA com o diretor-técnico do campeonato”, falou.
 
“No Catar, essas quatro fábricas decidiram mudar sua forma de atuar e o que mais nos surpreende é o comportamento da Honda que, conosco e Yamaha, é um dos ‘pais fundadores’ do campeonato, e agora decidiu mudar sua postura, desafiando a Federação”, encerrou.