MotoGP

Confortável na Honda, Márquez diz que “melhor moto não existe”: “Os rivais que fazem ser boa ou ruim”

Marc Márquez evitou colocar a atual RC213V como a melhor moto e avaliou que é a qualidade da concorrência que determina se uma moto é boa ou não. O espanhol ressaltou, no entanto, que se sente bem cômodo com o protótipo de 2019 da Honda

Grande Prêmio / JULIANA TESSER, de São Paulo
Resultado de imagem para marc marquez number Márquez vê Rossi 'abrindo portas' para quarentões e evita traçar metas na carreira
Resultado de imagem para marc marquez number Márquez diz que adaptação de Lorenzo está 'custando mais do que Honda esperava'
Resultado de imagem para marc marquez number Márquez vê Dovizioso como rival mais forte e põe domínio em Termas como exceção

Marc Márquez lidera a MotoGP depois de uma atuação dominante na Argentina, mas nem por isso sai alardeando ter a melhor moto do grid. O #93 considerou que não existe algo como a “melhor moto” e avaliou que são os rivais que dão a régua para medir a qualidade de um protótipo.
 
Antes de seguir para os Estados Unidos depois do GP da Argentina, Marc Márquez passou pelo Brasil na última terça-feira (2) para um encontro com jornalistas em São Paulo ― algo que, aliás, já se tornou uma tradição anual para o pentacampeão da MotoGP ― e evitou rotular com a atual RC213V como a melhor Honda entre as que pilotou.
Marc Márquez avaliou que "melhor moto" não existe (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
“A melhor Honda é muito difícil dizer”, falou Márquez. “Eu acho que a melhor moto não existe. Todas têm seus pontos fortes e pontos fracos. São os rivais que fazem uma moto ser boa ou ruim. Se o rival tem uma moto melhor, então você tem uma moto ruim. Se o rival tem uma moto pior, então você tem uma boa. É assim”, ponderou. 
 
Marc, no entanto, reconheceu que se sente cômodo com a moto atual e destacou a mudança de filosofia da Honda nos últimos anos, passando a desenvolver o protótipo anterior para conseguir algo melhor para o ano seguinte.
 
“É verdade que eu estou muito cômodo com a moto. A Honda mudou um pouco a filosofia nesses dois últimos anos, que é simplesmente evoluir o que já existia. Então neste ano nós temos uma moto muito parecida com a do ano passado, com mais motor, o que faz com que ela corra mais, que vá melhor na reta”, indicou. “Ainda tem algum problema de ‘juventude’, o que é normal, mas eu estou me sentindo cômodo e, o que é mais importante, é que nas três pistas onde provamos esta moto, nós fomos constantes e rápidos. Isso é o que eu mais destaco”, concluiu.