Crutchlow reporta dificuldades com braço após cirurgia: “Não é uma situação boa”

O inglês destacou que tem tido uma recuperação complicada com o braço direito, mas apesar dos problemas, descartou qualquer preocupação a longo prazo

Cal Crutchlow mostrou certa preocupação com a recuperação de seu braço direito. Um mês após ter operado o membro, comentou dos problemas que tem enfrentado nas últimas semanas e reconheceu que não está em uma situação favorável.

O inglês está em uma batalha para tentar voltar a 100% em forma. No GP da Espanha, o piloto da LCR sofreu uma queda no warm-up e precisou passar pela sala de cirurgia e perdeu a rodada dupla em Misano. Algum tempo depois, precisou operar novamente por conta de um arm pump [síndrome compartimental], mas dessa vez, sem perder corridas.

Entretanto, a recuperação tem sido mais complicada do que o esperado. “Passei dez dias em casa, dez dias no hospital vendo os cirurgiões, ressonâncias magnéticas. Apenas mais uma semana, se fosse fácil todos estariam fazendo isso. Meu braço não está em uma ótima situação no momento. Honestamente, foi uma das razões de não ter ido a Portimão, não queria usá-lo”, falou.

“Vou andar neste final de semana e visitar Dr. [Xavier] Mir novamente para ver qual a melhor opção a se fazer, pois ainda há fluído, o braço está muito inchado, o músculo flexor está extremamente tenso por algum motivo. E a pele está completamente presa nos músculos e tendões, não conseguimos tirar”, continuou.

Cal Crutchlow falou dos problemas em seu braço (Foto: LCR)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram.

“Não dá para tirar. Fisioterapia, massagem, pode fazer o que quiser, mas é como super bonder. Como pode imaginar, não há fáscia [conjunto de tecidos fibrosos que envolve o músculo para proteção] no momento. Normalmente, a cicatriz ficaria presa na fáscia, mas não há nenhuma, por isso está no músculo. Não é uma situação boa”, completou.

Crutchlow não mostrou preocupação com problemas a longo prazo em seu braço, mas disse não saber se vai precisar ficar fora de mais alguma etapa até o final da temporada. “Não sei ainda, mas acredito que a maioria das pessoas não correria ou estaria apto para isso. Mas não é algo para estar orgulhoso, para ser honesto”, apontou.

“Gostaria de não estar nessa situação, é claro. Mas vou seguir meu trabalho, eu o amo, ainda quero correr. É a razão de estar aqui. O ponto positivo é que não há nenhum problema de segurança que estejam preocupados, é mais a questão do meu braço. Não vai melhorar nas próximas semanas, não dá dúvidas disso”, continuou.

“Não estou preocupado a longo prazo. Acredito que vai melhorar assim que encontrar o problema de fato e consertá-lo. O problema é, não sei qual é no momento, mas acredito que se continuar a correr no próximo ano e tiver o inverno para descansar, vai ficar tudo bem. Não é uma preocupação. O problema vão ser as seis corridas seguidas, vai ser difícil”, encerrou.

GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades do GP da França, décima etapa do Mundial de Motovelocidade 2020.

LEIA TAMBÉM
Peter Pan, Rossi ainda tem espaço na MotoGP. Mesmo aos 41 anos
Viñales mostra velocidade e talento de Top Gun, mas decepciona com irregularidade
Dovizioso desperdiça chance de ouro e nem experiência parece ajudar na busca do título
27 anos após Schwantz x Rainey, Suzuki e Yamaha reeditam rivalidade na MotoGP
Bola da vez na MotoGP, Mir cresce e vira elemento surpresa na briga pelo título
Novos talentos e velhos conhecidos: MotoGP une experiência e frescor no grid de 2021

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube