MotoGP

De Puniet volta à LCR para disputar Copa do Mundo de MotoE ao lado de Canepa. Tech3 também anuncia par

Oito anos após se despedir do time de Lucio Cecchinello, Randy De Puniet vai voltar à LCR para formar dupla com Niccolò Canepa na temporada inaugural da Copa do Mundo de MotoE. A Tech3 também revelou seu time para a série elétrica: Kenny Foray e Héctor Garzo
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 Randy De Puniet (Foto: Energica)
LEIA TAMBÉM
 A vez das elétricas

O grid da temporada inaugural da MotoE segue tomando forma. A LCR confirmou que vai contar com Randy De Puniet e Niccolò Canepa, enquanto a Tech3 confirmou Kenny Foray e Héctor Garzo.
 
Além de LCR e TEch3, a Copa do Mundo de MotoE contará com as outras cinco equipes satélites da MotoGP ― Ángel Nieto, Marc VDS, Pramac, Avintia e Gresini ―, além de algumas equipes de Moto2 e Moto3 ― Pons, IntactGP, Ajo e SIC58 Squadra Corse. A VR46 de Valentino Rossi chegou a ser cotada para o campeonato, mas optou por não participar.
 
Com os anúncios de LCR e Tech3, 12 dos 18 pilotos da série elétrica já foram confirmados. Além de De Puniet, Canepa, Foray e Garzó, também estão garantidos no novo certame Nico Terol e María Herrera, que vão representar a Ángel Nieto; Xavier Siméon e Eric Granado, pilotos da Avintia; Jesko Raffin, pela IntactGP; Matteo Ferrari, em uma das vagas da Gresini; Sete Gibernau, pela Pons; e Bradley Smith, pela SIC.
 
Chefe da LCR, Lucio Cecchinello classificou a Copa do Mundo de MotoE como um “novo desafio” e celebrou a composição do time.
Randy De Puniet testou a Ego Corsa em Le Mans (Foto: Energica)
“Este projeto é um novo desafio na minha carreira e eu estou muito orgulhoso de fazer parte disso com um novo LCR e-time, porque esta nova categoria representa uma parte do futuro das corridas”, disse Cecchinello. “Também estou muito feliz por voltar a trabalhar com meu ex-chefe de equipe, Paolo Cordioli,que me ajudou a montar a LCR em 1996, e também Luciano e Thomas Betti, dois ex campeões internacionais em corridas de motos elétricas anteriores”, seguiu.
 
“Quando Randy aceitou nossa proposta para fazer parte deste novo projeto, eu fiquei muito feliz, porque ele guiou pela LCR por cinco anos no passado (2003/2004 nas 250cc e 2008/2009/2010 na MotoGP), alcançando resultados incríveis: 18 vezes no pódio, incluindo quatro vitórias com as cores da LCR”, lembrou. “Niccolò tem uma carreira muito impressionante, incluindo o título do Mundial de Superstock de 2007 e o título do Mundial de Endurance de 2016/2017, e está ansioso para começar esse novo desafio na MotoE”, completou.
 
De Puniet, por sua vez, celebrou a volta à LCR e avaliou que vai ser divertido disputar uma categoria com 18 motos iguais.
 
“Claro, estou muito feliz em fazer parte do primeiro campeonato da MotoE e, para mim, é ainda melhor, porque eu volto para a LCR onde corri por cinco anos da minha carreira na MotoGP. Tenho as melhores memórias com este time, então é incrível estar de volta com Lucio e sua esquadra”, comemorou. “Em relação à Copa do Mundo de MotoE, vai ser tudo novo para todo mundo, mas, graças ao teste de novembro em Jerez, nós vamos reunir mais informações sobre a moto e o estilo de pilotagem. Acho que vai ser divertido ter 18 motos idênticas usando os mesmos pneus, então eu mal posso esperar para começar este novo desafio”, completou.
 
Canepa, por sua vez, também se mostrou animado pelo desafio na MotoE e celebrou a chance de correr com a LCR.
 
“Estou muito feliz por fazer parte desse novo projeto em sua temporada de estreia e, acima de tudo, por fazer isso com as cores da LCR. Acho que é um dos times de mais alto nível do paddock e tenho uma relação muito boa com Lucio”, comentou Niccolò. “Agora mal posso esperar para testar a moto pela primeira vez em Jerez. Estou, de fato, treinando bastante para estar pronto para o início da temporada e este primeiro teste em novembro vai nos dar informações importantes sobre a configuração da moto. Lucio montou uma equipe muito profissional e, do meu lado, vou fazer meu melhor para recompensar o time com bons resultados”, prometeu.
 
A Tech3, aliás, vai mesclar experiência e juventude no time da MotoE. Campeão do Francês de Superbike em 2017, Foray tem 34 anos e disputou o Mundial de Endurance por um longo período. Garzo, de 20 anos, disputa o Europeu de Moto2.
 
“Estou muito feliz em ser parte desta nova aventura. É um verdadeiro prazer e estou orgulhoso de trabalhar com a Tech3. Eu já estou muito empolgado para testar a moto na próxima semana em Jerez”, falou Foray.
 
“Antes de mais nada, é um prazer me tornar um piloto oficial no Mundial de MotoGP, e é também um grande prazer fazer isso com a Tech3. Para mim, o novo projeto da MotoE está pronto para surpreender o mundo, por conta das enormes mudanças que vai trazer”, opinou Garzo. “Não é um campeonato muito longo, mas eu acho que é o bastante para o primeiro ano de desenvolvimento. O mais importante é o nível que a nova categoria vai ter, dando lugar a pilotos que estão, de fato, em uma moto da MotoGP no momento. Isso torna as coisas mais difíceis, mas também mais competitivas”, encerrou.
 
A categoria, que terá motos da italiana Energica, será composta por cinco etapas: Jerez de la Frontera, Le Mans, Sachsenring, Red Bull Ring e Misano. As corridas terão de oito a dez voltas de duração, dependendo do tamanho do circuito.