Diretor da KTM coloca vaga de Smith em xeque. Piloto de testes, Kallio mira retorno em tempo integral à MotoGP

Diretor-executivo da KTM, Stefan Pierer admitiu a decepção com a performance de Bradley Smith e colocou em xeque a permanência do britânico no time. Piloto de testes, Mika Kallio teve uma boa atuação no GP da Áustria e ainda busca um caminho para voltar à MotoGP em tempo integral

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Ao que parece, a KTM não tem sua dupla de pilotos definida para a temporada 2018. Diretor-executivo da marca austríaca, Stefan Pierer admitiu a insatisfação com a performance de Bradley Smith e prometeu definir seus titulares para o próximo ano até as etapas asiáticas do Mundial.
 
Nas 11 etapas disputadas até aqui, o britânico foi superado por Pol Espargaró dez vezes em treinos classificatórios e outras seis em GPs ― o catalão não completou quatro corridas, contra duas do #38, que não correu na Catalunha por conta de lesão. Assim, o #44 ocupa a 19ª posição no Mundial de Pilotos, com 21 pontos, 153 atrás do líder Marc Márquez, enquanto Smith aparece apenas em 22º, com oito pontos.
Bradley Smith tem sua vaga na KTM ameaçada (Foto: Michelin)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

“Nós apreciamos muito Bradley. Ele foi o primeiro piloto da MotoGP a acreditar no nosso projeto. Nós não esquecemos disso”, disse Pierer à publicação alemã ‘Speedweek’. “Mas nós queremos algo mais dele. Vamos decidir o nosso line-up de pilotos para 2018 até as corridas transoceânicas, em outubro”, completou.
 
E uma das principais ameaças à vaga de Smith vem de casa. Piloto de testes da KTM, Mika Kallio não esconde o desejo de voltar à MotoGP em tempo integral. E a performance do GP da Áustria conta bastante a favor do #36.
 
Correndo como wild-card no Red Bull Ring, Kallio recebeu a bandeirada na décima colocação, o segundo melhor resultado da RC16 no ano, atrás apenas da nona posição de Espargaró em Brno. A diferença de 19s766 entre o finlandês e Andrea Dovizioso, o vencedor em Spielberg, entretanto, foi a menor registrada pela KTM no ano, apesar de Mika ter testado pela última vez no traçado em julho passado e ter disputado somente seu terceiro GP desde 2015.
 
“Não corri tanto recentemente, então se estivesse correndo com mais frequência poderia ficar mais próximo”, disse Kallio. “Entretanto, hoje foi uma das melhores corridas que fiz na MotoGP e o mais próximo que estive do vencedor na MotoGP”, seguiu.
 
Questionado sobre seus planos para o futuro, o piloto de 34 anos admitiu que, desde que chegou a KTM, sempre pensou em usar a oportunidade como um jeito de voltar à classe rainha. 
 
“Há quase dois anos, quando cheguei na KTM para este projeto, eu disse que testar era algo que eu gostava de fazer, mas também que este talvez fosse o caminho para voltar a MotoGP”, comentou. “Definitivamente, isso estava nos meus planos: um dia voltar a ser piloto da MotoGP outra vez. Esta ainda é a minha meta e, claro, este resultado vai ajudar bastante. Mas eu não sei se é o bastante ou não. Vamos ver o que acontece”, seguiu.
Mika Kallio busca oportunida para voltar para a MotoGP (Foto: KTM)
Kallio esteve na MotoGP em 2009 e 2010, correndo com equipamento satélite da Ducati. Depois, o finlandês passou cinco anos na Moto2, onde venceu quatro corridas e foi vice-campeão de 2014 atrás de Tito Rabat, seu então companheiro de Marc VDS.
 
A escuderia belga, aliás, é uma das poucas com vaga para 2018, já que ainda busca um companheiro para Franco Morbidelli depois de perder Jack Miller para a Pramac.
 
“Eu falei com alguns times, mas, como sabemos, não tem mais muitos lugares disponíveis. A VDS tem um lugar. Eu conversei com eles, mas, no momento, ainda não tive uma resposta clara sobre o que eles vão fazer. Claro, também têm muitos outros pilotos batendo na porta deles”, reconheceu. “Então eu preciso esperar e, definitivamente, ver o que a KTM gostaria de fazer. Qual é o plano deles para mim para o futuro. Minha primeira prioridade é ficar aqui, se puder encontrar um lugar para correr. Eu realmente gostaria de ficar com a KTM. Eu gosto dessas pessoas  e tenho uma longa história com eles. Então, absolutamente, seria bom ficar”, frisou.
 
Questionado se consideraria a possibilidade de voltar à Moto2 para defender a marca austríaca, Kallio respondeu: “Não. Nós jamais falamos sobre a Moto2 com a KTM. Acho que eles têm muitos bons pilotos e um plano para eles. No momento, para mim seria só a MotoGP”.

#GALERIA(7149)
 

SE A RENAULT NÃO COLOCAR KUBICA DE VOLTA NA F1, ALGUÉM VAI COLOCAR

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube