Diretor da Yamaha diz que acordo para leasing de motores para 2014 deve sair em breve

Em entrevista à revista britânica ‘Motorcycle News’, Lin Jarvis, diretor da Yamaha, afirmou que negociações com a Dorna para acordo sobre leasing de motores para temporada 2014 estão progredindo bem e devem ser concluídas em breve

A Dorna, promotora do Mundial de Motovelocidade, segue trabalhando duro para aumentar o número de motos no grid e a competitividade da categoria. De olho nesse objetivo, a Yamaha apresentou um projeto para fornecer motores para equipes privadas, trazendo um propulsor que ajude dos times a se aproximarem da performance dos protótipos. 
 
A proposta da Yamaha é fornecer motores da YZR-M1 por cerca de £ 700 mil (aproximadamente R$ 2,1 milhões) para um máximo de quatro pilotos. 
 
Assim como a casa de Iwata, a Honda também trabalha com um projeto com esse mesmo objetivo, e pretende vender um máximo de cinco versões de produção da RC213V. O objetivo das fábricas é apresentar uma alternativa para as atuais CRT.
Coluna Wild Card, por Juliana Tesser: O barraco mais ridículo do Oeste
Jarvis afirmou que motores para leasing deverão ser mais parecidos com os propulsores da Tech3 (Foto: Yamaha)
Em entrevista ao site britânico ‘Motorcycle News’, Jarvis afirmou que as negociações com a Dorna estão correndo bem, mas admitiu que a fábrica nipônica ainda não negociou o leasing desses motores com nenhuma equipe. 
 
“Estamos progredindo bem nas negociações com a Dorna, esperamos poder concluir as negociações em um futuro próximo e estarmos prontos para 2014”, declarou. “Não tivemos negociações profundas com nenhuma equipe ainda. É claro, ouvimos rumores de alguns times que estariam interessados e todo o projeto depende de os times estarem seriamente interessados na nossa opção, e terá um preço pelo leasing”, concluiu. 
 
“Uma vez que concluirmos nossa negociação com a Dorna, aí as discussões irão começar”, explicou. “Honestamente, não temos ideia de quem serão os candidatos. Não vamos ter qualquer lucro com este programa, então para nós é importante ter um mínimo de dois pilotos e um máximo de quatro, junto com nosso comprometimento com o time de fábrica com dois pilotos e o projeto de dois pilotos do time satélite da Tech3.”
 
Jarvis afirmou que ainda é cedo para falar sobre qual será a especificação do motor que será utilizado neste projeto. É mais provável que o motor seja similar ao que Cal Crutchlow e Bradley Smith irão terminar a temporada, ao invés do propulsor que estará nas M1 de Jorge Lorenzo e Valentino Rossi. 
 
“Isso ainda não foi decidido. Quando partimos para o leasing de motores, é uma outra variante em que teremos de pensar, porque vamos apoiar dois pilotos do time de fábrica, dois na Tech3 e aí os motores desses clientes”, lembrou. “Mas será diferente, pois esses motores serão colocados em chassis feitos por terceiros. Então é um processo bem diferente”, reforçou. 
 
“Para ser sincero, nós ainda não temos um plano detalhado e ainda não decidimos que especificação será, mas a meta é tentar ter a máxima performance e o máximo de motos competitivas no grid da MotoGP. Então será, pelo menos, bastante próximo da especificação da Tech3”, completou. 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube