Dovizioso esquece classificação e diz que Ducati tem de focar em “levar máximo para casa”

Já 93 pontos atrás de Marc Márquez na classificação da MotoGP, Andrea Dovizioso avaliou que a Ducati precisa focar em fazer o melhor com o material que tem em mãos. Apesar do resultado, o #4 considerou que o time trabalhou bem em Misano

Andrea Dovizioso jogou a toalha. 93 pontos atrás de Marc Márquez na classificação da MotoGP, o #4 considerou que a Ducati agora tem de focar em levar para casa o máximo que pode.
 
No GP de San Marino e da Riviera de Rimini de domingo (15), Dovizioso recebeu a bandeirada apenas na sexta colocação ― mesma posição em que largou ―, mas concluiu a corrida com 14s de atraso para Márquez, que venceu pela sétima vez no ano.
 
Outrora rival do #93 pelo título, Andrea sabe que não adianta mais pensar na tabela. Agora é hora de fazer o máximo possível com o material que tem em mãos.
Andrea Dovizioso (Foto: Ducati)
Paddockast #33
10 ANOS DE SECA BRASILEIRA NA F1

Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

“É uma pena em relação a posição, mas, para mim, nós trabalhamos muito bem ao longo do fim de semana levando em conta a situação dos testes”, disse Dovizioso. “Quando esse é o caso, você tem de ficar calmo, trabalhar bem e foi isso que fizemos”, seguiu.
 
O italiano defendeu seu comportamento calmo, já que entende que perder o controle não vai mudar a situação na temporada 2019. 
 
“Pareço calmo, pois entendo do que somos capazes, que é levar para casa o máximo com o que temos à nossa disposição”, frisou. “Não preciso me preocupar com outras coisas ou fazer coisas diferentes em comparação com o que estamos fazendo no momento. Nós estamos trabalhando duro, estamos tentando. Mas ir para a pista irritado não muda nada”, ponderou.
 
“Nós temos de tentar levar para casa o máximo. Era um sexto lugar a 13s [do vencedor], o que não é ótimo. Enquanto isso, é o importante a fazer”, defendeu. “Então temos outras coisas para conversar, mas temos de fazer isso internamente”, afirmou. 
 
Com 150 pontos ainda em disputa no campeonato, o italiano garante que já deixou de se preocupar com a tabela há algum tempo.
 
“Não há razão para levantarmos a bandeira branca. A diferença já é grande, então só podemos tentar levar o máximo para casa”, reconheceu. “Mas não podemos pensar em reduzir a diferença se terminamos atrás na corrida”, cobrou.
 
Perguntado sobre o que espera do GP de Aragão deste fim de semana, Andrea respondeu: “No ano passado, nós lutamos pela vitória com Marc e, no final, também tinha [Andrea] Iannone. Mas agora as Yamaha também estão melhorando, então espero que elas sejam competitivas em Aragão”.
 
“Como aqui, no entanto, temos de tentar manter a calma e levar para casa o máximo. Não podemos fazer mais nada”, encerrou.
 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar