MotoGP

Dovizioso vê “melhora enorme” da Ducati e aceita força de Márquez na Argentina: “Quando está assim, é invencível”

Andrea Dovizioso considerou que Marc Márquez esteve invencível em Termas de Río Hondo. Ainda assim, o #4 celebrou a considerável melhora da Ducati no traçado argentino

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
Resultado de imagem para valentino rossi 46 Quase 400 GPs, nove títulos e recordes: os 23 anos de Rossi no Mundial
🏍️ Confira a classificação da MotoGP após o GP da Argentina

Andrea Dovizioso perdeu a liderança da MotoGP para Marc Márquez, mas nem por isso saiu de Termas de Río Hondo desanimado. O #4 considerou que a Ducati deu um passo importante em uma pista onde não tem um histórico dos mais favoráveis.
 
Márquez foi dominante no domingo (31) na Argentina e não deu chances à concorrência. Dovizioso, por sua vez, disputou o segundo lugar com Valentino Rossi na maior parte da disputa, mas acabou batido na volta final, com uma manobra do #46 na curva 7.
 
Falando à imprensa após a corrida, Andrea reconheceu que nada podia ser feito em relação a Márquez e avaliou que, nessas horas, é preciso somar o máximo de pontos possível.
Andrea Dovizioso celebrou melhora da Ducati na Argentina (Foto: Ducati)
Resultado de imagem para emoji microfonePaddockast #12: Quem sobrevive a 'Drive to Survive'?



Resultado de imagem para icon itunes Ouça pelo iTunes 
Resultado de imagem para icon spotify Ouça pelo Spotify


“Quando Marc está assim, ele é invencível”, disse Dovizioso. “Infelizmente, isso não é nenhuma novidade”, seguiu.
 
“Em algumas pistas, em alguns momentos, nós temos de olhar para a imagem maior com Marc e tentar somar o máximo de pontos”, ponderou. 
 
Até então, a Ducati tinha um único pódio em Termas de Río Hondo ― um segundo lugar do próprio #4 na corrida de 2015. A melhora, no entanto, não passou livre de problemas.
 
“Nossa meta era o pódio e nós conseguimos, então, em relação a isso, estamos felizes em somar pontos importantes em uma pista ruim, mas não estou muito feliz com a maneira como o pneu funcionou durante a corrida”, apontou. “Não pude ser tão rápido quanto queria nas últimas dez voltas, para abrir uma diferença em relação a Vale, então Vale estudou muito bem a minha maneira de pilotar e criou uma ultrapassagem na última volta”, seguiu.
 
“Eu não podia responder, mas o terceiro está ok. Vai ser muito importante analisar e entender o que podemos melhorar”, considerou.
 
Apesar das dificuldades, Dovizioso considerou que a performance deste ano marca uma evolução considerável em relação ao ano passado.
 
“No ano passado, eu era no mínimo 1s mais lento do que hoje. Acho que a nossa melhora é enorme e é por isso que a meta era o pódio. E nós conseguimos”, explicou. “Então temos de estar realmente felizes com isso”, defendeu.
 
“Não é o bastante, porque lutamos com grandes pilotos, mas acho que a nossa velocidade foi constante durante a segunda parte da corrida. No ano passado, eu terminei em sexto porque muitos pilotos fizeram loucuras e caíram. Então acho que a melhora é enorme”, avaliou.