MotoGP
13/08/2018 14:31

Ducati admite 'desgosto enorme' por saída de Lorenzo e garante: “Estamos dando à Honda um grande piloto”

A Ducati começou a perceber a grande falta de Jorge Lorenzo vai fazer em 2019. Davide Tardozzi afirmou, em entrevista ao programa 'Carrusel Deportivo', que o espanhol se encontrou com a moto, vai manter o alto nível nas próximas etapas e que vai ser uma pena sua saída
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 Jorge Lorenzo (Foto: Michelin)
A Ducati começa a sentir o golpe que vai ser a saída de Jorge Lorenzo ao final de 2018. Davide Tardozzi, diretor esportivo da equipe, reconheceu que será um desgosto enorme quando o espanhol partir para a Honda.
 
O competidor de Mallorca teve exibição de gala no final de semana na Áustria. Ousando na escolha de pneus, indo de macio dianteiro e traseiro, conseguiu dar o bote em cima de Marc Márquez na última volta da corrida para assegurar a terceira vitória do ano.
 
Entretanto, até domar a fera vermelha, o #99 sofreu sem bons resultados. Isso culminou e uma não renovação do contrato. No final de semana do GP da Itália, então, Danilo Petrucci assinou o acordo para dar o salto para a equipe de fábrica em uma decisão unilateral de Claudio Domenicali. Na manhã seguinte, Lorenzo venceu sua primeira corrida.
Jorge Lorenzo (Foto: Michelin)
Desde então, Jorge subiu ao degrau mais alto do pódio outras duas vezes, além do segundo lugar que conquistou na Tchéquia. Ainda, assumiu a terceira colocação da classificação, antes pertencente à Andrea Dovizioso.
 
Após a corrida no Red Bull Ring, no último domingo, Tardozzi concedeu uma entrevista para o programa ‘Carrusel Deportivo’. “Jorge fez uma corrida incrível, acredito que agora que conhece a Ducati, escuta os engenheiros e pode pilotar como quer, freando tarde. Estou convencido de que vai seguir neste nível nas próximas corridas”, falou.
 
“Será um desgosto enorme dizer adeus a Lorenzo depois destas conquistas, estamos dando á Honda um grande piloto, mas ficará um amigo para sempre”, encerrou.
 
Lorenzo vai trocar a Ducati pela Honda após duas temporadas guiando a Desmosedici. Em seu primeiro ano, somou apenas 137 pontos indo ao pódio três vezes e terminando em sétimo. Em 2018, já soma três vitórias e quatro pódios, além de ter 130 tentos.