Em dia de despedida, Lorenzo escapa na largada e encerra seca da Yamaha com vitória em Valência. Kallio abandona

Jorge Lorenzo disparou na ponta logo na largada e não deu chances à concorrência. De partida da Ducati, o #99 encerrou uma seca de vitórias da Yamaha naquele que é seu 250 GP no Mundial.

Jorge Lorenzo cumpriu o objetivo de encerrar sua passagem pela Yamaha com uma vitória. Largando na pole neste domingo (13), o #99 fez uma ótima saída e tratou de disparar na ponta sem sequer tomar ciência da presença dos rivais.
 
Naquele que é o 250º GP da carreira, Lorenzo fez uma prova impecável e solitária e recebeu a bandeirada com 1s185 de vantagem. Foi o quarto triunfo do espanhol na temporada 2016.
 
Enquanto o piloto de Palma de Maiorca sumiu na ponta, a briga pelo segundo posto se mostrou bem mais interessante, envolvendo Andrea Iannone, Valentino Rossi, Maverick Viñales e Marc Márquez.
Jorge Lorenzo escapou na ponta desde a largada (Foto: Yamaha)

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);

Com uma bela largada, Iannone saltou para segundo ainda nos primeiros metros, com Rossi logo aparecendo para brigar. Os italianos travaram um bom duelo, com a vantagem ficou com o #29, que se valia especialmente da força do motor Ducati.
 
Sempre próximo, Márquez partiu para o ataque e, depois de passar Rossi, tomou o segundo lugar de Iannone, partindo em busca de Lorenzo. Nos giros finais, o representante da Honda recortou bem a vantagem de Jorge, mas apenas conseguiu reduzir a diferença para 1s1.
 
Na reta final da disputa, Rossi fez uma nova tentativa para cima de Iannone, mas, de novo, a vantagem ficou com o piloto de vermelho.
Viñales, por outro lado, acabou isolado em quinto, com Pol Espargaró batendo Andrea Dovizioso na parte final da corrida para assegurar a sexta colocação. Aleix Espargaró ficou em oitavo.
 
Bradley Smith também fez uma corrida solitária e ficou em nono, com Álvaro Bautista recebendo a bandeirada na décima colocação.
 
Na estreia da RC16 da KTM, Mika Kallio não conseguiu completar todas as 30 voltas da corrida e abandonou. A fábrica austríaca estreia de vez na classe rainha em 2017.
Fazia 12 anos que um piloto não conseguia vitórias consecutivas em Valência. O último tinha sido Rossi, que venceu nas temporadas 2003 e 2004, com Honda e Yamaha, respectivamente.
 
Saiba como foi o GP da Comunidade Valenciana de MotoGP:
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Em uma temporada marcada pela chuva, o GP da Comunidade Valenciana quis dar uma mãozinha e desafiar a previsão do tempo. Com o sol brilhando no céu, a última etapa da temporada 2016 começou com a temperatura na casa dos 22°C, com o asfalto alcançando os 26°C. O vento era apenas uma brisa leve, soprando a 5 km/h.
 
Em sua despedida da Yamaha, Jorge Lorenzo faturou a quarta pole da carreira. Neste fim de semana, o #99 atinge a marca de 250 GPs no Mundial.
 
Festa também para Márquez, que chega aos 150 GPs neste domingo. O tricampeão da MotoGP larga em segundo, em sua 12ª aparição na primeira fila neste ano. Terceiro, Rossi também completa sua dúzia de top-3 no grid em 2016 em Cheste.
 
Maverick Viñales vem na sequência, seguido por Andrea Dovizioso e Pol Espargaró. Voltando de lesão, Dani Pedrosa, que é o piloto mais bem sucedido no circuito Ricardo Tormo, tinha o oitavo posto no grid.
 
Estreando com a RC16 da KTM, Mika Kallio sai em 20º em Valência. A marca que fez o finlandês superar Tito Rabat e Yonny Hernández é menos de oito décimos de segundo mais lenta que o atual recorde da pista, estabelecido por Lorenzo no ano passado.
 
Nesta etapa final de 2016, os pilotos podem optar pelos pneus dianteiros médios e duros, e traseiros macios e médios, todos assimétricos, com a parte mais resistente do lado esquerdo para lidar com o desequilíbrio na divisão das curvas em Valência — nove para a esquerda e cinco para a direita.
Marc Márquez fez a festa com a torcida em Valência (Foto: Repsol)
Na primeira fila, a escolha de pneus foi variada. Lorenzo e Rossi foram de médios na frente e macios atrás, enquanto Márquez optou pelo pneu duro na frente da RC213V. 
 
Quando as luzes se apagaram, Lorenzo saiu muito bem, puxando a fila à frente de Iannone, Viñales e Rossi. Pedrosa e Márquez vinham na sequência.
 
Márquez não demorou para deixar Pedrosa para trás e passou a pressionar Rossi, que vinha colado em Viñales. Na ponta, Lorenzo não tinha escapado das garras de Iannone.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Sem muita demora, Lorenzo começou a imprimir seu bom ritmo, quebrando o recorde da pista já no terceiro giro.
 
Enquanto isso, Viñales ia tentando encostar em Iannone, levando Rossi e Márquez junto. Pedrosa já vinha um pouco mais afastado.
 
Na terceira volta, Viñales cometeu um pequeno erro, mas Rossi não conseguiu espaço para passar. Quarto, Márquez também seguia coladinho.
 
Na sequência, Dovizioso passou Pedrosa pelo sexto posto. Pol era o oitavo, com Aleix e Crutchlow completando o top-10.
 
Na quarta volta, Rossi usou a curva 14 para passar Viñales e assumir o terceiro posto. Logo depois, Márquez fez o mesmo e se instalou em quarto.
 
Enquanto isso, Hernández, que se despede da MotoGP, caiu e abandonou a disputa.
 
Quase 1s atrás de Iannone, Rossi passou a tentar encurtar a diferença, mas Márquez vindo no embalo atrás.
 
Na sexta volta, Pedrosa também foi ao chão, abandonando a disputa na curva 2. O espanhol vinha volta do de lesão.
 
Sem muita demora, Rossi chegou em Iannone e tomou a segunda colocação. O #29 tentou usar a potência do motor Ducati para devolver a posição, mas Valentino deixou a porta trancada.
 
Pouco depois, Andrea fez uma nova tentativa e conseguiu retomar o segundo posto. Rossi se afastou um pouco, com Marc chegando mais atrás.
 
O #46 encostou de novo e tentar dar o golpe de novo na 14, mas, desta vez, Iannone estava preparado. Na ponta, Lorenzo já tinha 2s6 de folga.
Valentino Rossi, Andrea Iannone e Marc Márquez brigaram pelo segundo posto (Foto: Yamaha)
Na oitava volta, Rossi passou Iannone mais uma vez, agora na curva 11. Na reta, a Ducati sempre leva vantagem. Então o piloto da Yamaha mudou a trajetória para defender. O multicampão, no entanto, atrasou tanto a freada que perder a curva, escapando rapidamente da pista e cedendo o segundo posto para Iannone. Márquez se aproximou de novo, em um grupo que também tinha Viñales e Dovizioso.
 
A briga entre os italianos seguiu, com Rossi encontrando uma abertura para passar mais uma vez. Pouco depois, foi Márquez quem deu o bote em Andrea, mas o titular da Ducati recuperou o posto do pódio.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Marc pressionou mais um pouco, passando mais uma vez. Na reta, um novo troco do italiano. Enquanto isso, Rossi se afastou um pouco. 0s7, no caso.
 
Sozinho na ponta, Lorenzo seguia imprimindo um ritmo forte, abrindo mais e mais vantagem em relação ao pelotão que vinha atrás. O #99 foi a Valência disposto a se despedir de Iwata com um triunfo.
 
Na abertura da 12ª volta, Rossi já tinha Iannone mais próximo, com Márquez, Iannone, Viñales e Dovizioso vindo juntos. Com 12 metros de largura, o circuito Ricardo Tormo tem reputação de ser uma pista de difícil ultrapassagem.
 
Com 15 voltas para o fim, Lorenzo tinha 4s6 de margem para Rossi. 
 
No giro seguinte, Iannone conseguiu passar Rossi e recuperou o segundo posto, mas Valentino deu o troco na volta seguinte. O piloto da Ducati fez uma nova tentativa de sucesso, enquanto Márquez vinha colado atrás tentando aproveitar.
 
Na curva 14, Crutchlow caiu e abandonou a disputa. Um fim triste para uma boa temporada do britânico.
 
Com 12 voltas para o fim, Márquez se lançou para cima de Rossi e assumiu o terceiro posto. Viñales agora vinha colado no italiano.
 
O #93 logo partiu para cima de Iannone e tomou a posição. Na reta, o motor Ducati fez diferença mais uma fácil, facilitando a recuperação do italiano.
 
Márquez voltou à frente pouco depois. Enquanto isso, Lorenzo ia se afastando mais e mais, chegando a 5s235 de vantagem. 
 
Com oito giros para o fim, Rossi recuperou a posto no pódio ao passar Iannone, de cara abrindo uma pequena vantagem para o conterrâneo. Segundo, Márquez já tinha uma boa vantagem de diferença.
 
Com seis voltas para a bandeirada, o motor da Ducati voltou a fazer a diferença, com Andrea tomando o terceiro posto de Rossi pouco depois.
 
Restando três voltas para o fim, Márquez começou a colar em Lorenzo, reduzindo a vantagem do #99 para 2s370. Iannone era terceiro, já com certa vantagem em relação a Rossi, que também tinha se afastado de Viñales.
 
Mais atrás, Dovizioso vinha sendo caçado pelos irmãos Espargaró, liderados pelo caçula Pol.
 
Com duas voltas para o fim, Rossi cortou a diferença e passou Iannone. O #29 tentou a resposta imediatamente, mas foi contido. Em uma nova tentativa, Andrea levou vantagem.
 

#GALERIA(6848)

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

MotoGP, GP da Comunidade Valenciana, Valência, Corrida:

1 99 JORGE LORENZO ESP YAMAHA 45:54.228
2 93 MARC MÁRQUEZ ESP HONDA +1.185
3 29 ANDREA IANNONE ITA DUCATI +6.603
4 46 VALENTINO ROSSI ITA YAMAHA +7.668
5 25 MAVERICK VIÑALES ESP SUZUKI +10.610
6 44 POL ESPARGARÓ ESP TECH3 YAMAHA +18.378
7 4 ANDREA DOVIZIOSO ITA DUCATI +18.417
8 41 ALEIX ESPARGARÓ ESP SUZUKI +18.678
9 38 BRADLEY SMITH ING TECH3 YAMAHA +25.993
10 19 ÁLVARO BAUTISTA ESP APRILIA GRESINI +35.065
11 8 HECTOR BARBERÁ ESP AVINTIA DUCATI +36.425
12 9 DANILO PETRUCCI ITA PRAMAC DUCATI +42.415
13 6 STEFAN BRADL ALE APRILIA GRESINI +49.823
14 45 SCOTT REDDING ING PRAMAC DUCATI +52.035
15 43 JACK MILLER AUS MARC VDS HONDA +55.625
16 50 EUGENE LAVERTY IRL ASPAR DUCATI +58.254
17 53 TITO RABAT ESP MARC VDS HONDA +58.555
18 76 LORIS BAZ ESP AVINTIA DUCATI +1:06.164
19 36 MIKA KALLIO FIN KTM NC
20 35 CAL CRUTCHLOW ING LCR HONDA NC
21 26 DANI PEDROSA ESP HONDA NC
22 68 YONNY HERNÁNDEZ COL ASPAR DUCATI NC

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube