Bagnaia diz que perdeu “chance de lutar pela vitória” na classificação do GP de Portugal

Italiano da Pramac afirmou que deu um importante passo à frente em comparação com o ano passado, mas acredita que ainda é cedo para falar na briga pelo título

Marc Márquez acabou a corrida em Portimão cansado e emotivo (Vídeo: MotoGP)

Francesco Bagnaia acredita que a punição por ignorar uma bandeira amarela durante a classificação da MotoGP para o GP de Portugal lhe tirou a chance de brigar pela vitória no domingo (18). O italiano fechou a corrida em Portimão no segundo lugar, 4s809 atrás de Fabio Quartararo, o vencedor.

Já no fim do Q2, Bagnaia fez a melhor volta da classificação, mas teve o tempo cancelado por não ter reduzido a velocidade após uma queda de Miguel Oliveira. Pecco alega que não viu a bandeira. E também foi defendido por Pol Espargaró, que alegou que o italiano não tinha mesmo como saber da sinalização.

VEJA TAMBÉM
⇝ Quartararo leva melhor em revanche com Portimão e mostra maturidade na MotoGP

Francesco Bagnaia tem retribuído a confiança da Ducati (Foto: Ducati)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram.

Mesmo largando só em 11º, o companheiro de Johann Zarco conseguiu terminar a corrida em segundo e, assim, ocupar o segundo lugar na classificação do campeonato, 15 pontos atrás de Quartararo.

“Acho que o resultado máximo possível hoje era a segunda posição, pois o Fabio tinha uma grande vantagem na frente. De qualquer forma, perdemos no sábado a possibilidade de tentar vencer”, disse Bagnaia. “Fabio mostrou um ritmo realmente forte e acho que ninguém estava esperando um ritmo como este. Mas hoje o grip estava muito alto e os pneus também estavam funcionando realmente bem”, seguiu.

“Fizemos um trabalho incrível e estou muito feliz, porque talvez, em uma situação como essas no ano passado, não estaríamos lá”, ponderou. “Eu melhorei um pouco o meu estilo de pilotagem nesta situação e ultrapassei muitos pilotos em algumas curvas que achava que seria difícil”, comentou.

Assim como aconteceu no Catar, Pecco teve de brigar pelo pódio com Joan Mir, mas, desta vez, não precisou do poder do motor Ducati para derrotar o rival da Suzuki.

“Achava que Joan estava colado em mim, pois o estava ouvindo muito próximo”, comentou Bagnaia. “Pensei que se estivesse na frente até a última curva, seria impossível que ele me ultrapassasse, pois nosso motor é muito forte”, reconheceu.

“Na última volta, fiz uma boa volta. Então achei que seria mais difícil para ele me ultrapassar”, contou.

Depois de dois pódios em três corridas, Pecco torce para que a primeira vitória “chegue logo”, mas acredita que é “cedo demais para falar em campeonato”.

“Este ano, o meu objetivo é ser constante assim em todos os lugares. Neste circuito, eu consegui, já que no ano passado, fui último. Demos um grande passo à frente, mas é muito cedo para falar em campeonato”, insistiu. “Estou muito fez com a vice liderança no momento e quero continuar assim”, completou.

A MotoGP volta às pistas em 2 de maio, para o GP da Espanha, em Jerez de la FronteraAcompanhe a cobertura do GRANDE PRÊMIO sobre o Mundial de Motovelocidade.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube