Dall’Igna aceita pressão da opção entre Martín, Marc Márquez e Bastianini: “Meu trabalho”

Chefe da Ducati Corse, Gigi Dall’Igna elogiou a atuação dos pilotos da Ducati no GP da França de domingo (12). Dirigente afirmou que vai aproveitar a semana para pensar em quem será o escolhido para ocupar o lugar ao lado de Francesco Bagnaia na temporada 2025 da MotoGP

Gigi Dall’Igna tem uma dura missão pela frente: escolher entre Jorge Martín, Marc Márquez e Enea Bastianini quem será o companheiro de Francesco Bagnaia na temporada 2025 da MotoGP. O chefe da Ducati Corse, no entanto, promete que a decisão será tomada até o GP da Itália, já que quer deixar tempo hábil para os pilotos preteridos poderem buscar as melhores opções para o futuro.

Atualmente, Bastianini é o titular da vaga, no último ano de um contrato de duas temporadas. Destaque durante a passagem pela Gresini, o italiano sofreu no ano de estreia com a equipe de fábrica, principalmente por causa de lesões. Apesar do enorme revés, o #23 escapou da substituição, mas abriu 2024 pressionado por resultados. Até agora, a vitória não veio, mas o italiano está no mesmo nível de Bagnaia e ocupa a quarta colocação no Mundial de Pilotos, com só dois pontos a menos do que o companheiro de Ducati.

A situação de Martín é um tanto mais complexa. O espanhol já foi preterido outras duas vezes: primeiro quando Bastianini foi escolhido para a vaga de 2023 e, depois, quando não foi trocado pelo italiano apesar do vice-campeonato do ano passado. Insatisfeito com a posição de satélite, Jorge já deixou claro que, se não for para o time principal, vai deixar a casa de Borgo Panigale. A performance é o principal argumento para justificar uma promoção, uma vez que o #89 lidera o campeonato com 129 pontos, 38 a mais do que Bagnaia, o segundo na tabela.

Marc Márquez, por sua vez, corre por fora. Depois de 11 temporadas com a Honda, o espanhol abandonou a RC213V para tentar reencontrar performance na Gresini. Usando uma das melhores motos do grid, a campeã de 2023, o hexacampeão da MotoGP cresceu pouco a pouco e foi um dos destaques das últimas duas corridas da temporada.

Gigi Dall’Igna está preocupado com a escolha da Ducati (Foto: Ducati)

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
▶️ Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

A questão é que Márquez é mais do que só os resultados atuais. Dall’Igna já deixou claro que o desempenho de 2024 não será o único quesito analisado e apontou que a “história” também será levada em conta. Além disso, patrocinadores também terão influência na decisão, o impacto do #93 no campo do marketing é significativo.

Após o GP da França de domingo (12), Dall’Igna falou da difícil escolha que tem pela frente, mas começou por um elogio a Marc, que saltou de 13º para 2º na sprint e no GP em Le Mans.

“Ele é Marc Márquez! Claro que ele pode fazer algo assim. E fez”, disse Dall’Igna ao site da MotoGP.

O dirigente admitiu que a escolha em relação a quem será o segundo piloto da equipe oficial a partir de 2025 ficou “mais difícil”.

“Este é o meu trabalho e tenho de escolher o melhor piloto possível para nossa equipe de fábrica e os melhores pilotos possíveis para nossas outras equipes”, disse Dall’Igna. “Tenho algo em que pensar nesta semana”, assumiu.

O dirigente ainda aproveitou para elogiar a atuação de Martín em Le Mans, mas sem deixar de reconhecer o desempenho de Bagnaia, Márquez e Bastianini.

“Jorge fez corridas inacreditáveis, não só corridas inacreditáveis, mas um fim de semana inacreditável. Estou muito orgulhoso dele e de que ele esteja na nossa equipe”, elogiou. “Mas Pecco também fez uma boa corrida hoje. E Marc fez um trabalho fantástico durante todo o fim de semana”, exaltou.

“Enea também, pois ele fez a volta mais rápida no fim da corrida e recuperou a posição contra [Maverick] Viñales. Estou realmente feliz com os pilotos”, destacou.

Por fim, Dall’Igna comentou o desfecho do GP da França para Bagnaia, que liderou a maior parte da disputa, mas acabou superado por Martín e Marc Márquez. Com o abandono na sprint, o bicampeão viu Jorge abrir ainda mais vantagem na classificação da MotoGP.

“Ele fez um trabalho fantástico em Jerez e fez um trabalho fantástico hoje”, comentou. “Ele não está feliz com o resultado, pois gostaria de ter vencido essa corrida, e acho que poderia. Mas lutar contra os outros dois não é fácil e, no fim, ele ficou em terceiro. Estou realmente feliz com a corrida dele”, encerrou.

MotoGP volta a acelerar entre os dias 24 e 26 de maio, para o GP da Catalunha, em Barcelona, com a 6ª etapa da temporada 2024. O GRANDE PRÊMIO faz a cobertura completa do evento, assim como das outras classes do Mundial de Motovelocidade durante todo o ano.

Chamada Chefão GP Chamada Chefão GP 🏁 O GRANDE PRÊMIO agora está no Comunidades WhatsApp. Clique aqui para participar e receber as notícias da MotoGP direto no seu celular! Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.