GUIA 2020: Com toque de Pedrosa, KTM abre nova fase na temporada 2020 da MotoGP

Após polêmicas com Johann Zarco na última temporada, a montadora austríaca aposta no trabalho do experiente piloto de testes espanhol para alcançar voos maiores em 2020

DEPOIS DE UMA CONTURBADA TEMPORADA EM 2019, a KTM entra em 2020 com outra mentalidade e uma moto desenvolvida por um piloto de capacidade comprovada. Com o 'experiente' Pol Espargaró e o novato Brad Binder, que subiu da Moto2, a equipe espera superar as polêmicas do último ano.
 
A RC16 teve muitos dedos do experiente Dani Pedrosa ao longo de seu desenvolvimento, durante a última temporada. Todo esse trabalho foi para tirar a equipe da quinta posição no Mundial de Construtores e tentar, no mínimo, aproximar a montadora das rivais que hoje dominam a MotoGP, como Yamaha, Honda, Ducati e Suzuki.
 
A ingrata missão tem sido trabalhada ano após ano, com a casa de Mattighofen evoluindo a cada temporada. Quando entrou na classe de elite do Mundial de Motovelocidade, em 2017, fez apenas 84 pontos. No ano seguinte, 89. Em 2019, foram 134 pontos com a equipe principal e mais 42 com a Tech 3, nova parceira da montadora austríaca.

Pol Espargaró (Foto: KTM)

Paddockast #50
GRANDES PROMESSAS QUE NÃO VINGARAM

Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

No último ano, a equipe apostou em Johann Zarco. O francês, que vinha de boas temporadas com a Tech 3 apoiada pela Yamaha, parecia uma ajuda no desenvolvido da KTM, mas acabou sendo uma dor de cabeça sem fim. Pouco adaptado ao equipeamento, marcou apenas 30 pontos e conseguiu um mísero décimo lugar no GP da Catalunha. Os problemas aumentaram ao ponto de o #5 pedir para romper seu vínculo com o time na metade e, depois, dispensado pela equipe. No fim do ano, Johann ainda vestiu as cores da LCR na vaga de Takaaki Nakagami, que se afastou para uma cirurgia no ombro. 
 
Pol Espargaró, porém, é a aposta mais certeira do time. Na equipe desde 2017, o espanhol conseguiu resultados satisfatórios ao longo do último ano, como um sexto lugar no GP da França, e mostrou para a montadora que há espaço, sim, para evolução da moto.
 
Após os testes na Malásia, Espargaró avaliou que a moto está melhor do que na última temporada. "Nós nos saímos bem, nosso ritmo está de fato próximo da volta mais rápida aqui no ano passado, então estamos muito, muito melhores", avaliou. Ele ainda completou afirmando que o motor e o chassi são melhores em comparação a 2019.

Brad Binder (Foto: Divulgação/MotoGP)

Para a outra vaga a KTM decidiu apostar no estreante Brad Binder, que sobe depois de alguns anos na Moto2, correndo pela Ajo. Na classe intermediária, o sul-africano é o atual vice-campeão, com cinco vitórias no último ano. O feito o fez ser presenteado com uma vaga na equipe principal da KTM, 'furando a fila' de seu antigo companheiro Miguel Oliveira. Um lance que, aliás, causou polêmica.
 
Animado com a chance na principal categoria do Mundial, Binder usou a pré-temporada para trabalhar a preparação física, especialmente a parte da resistência. O desafio não é só a busca por bons resultados, mas também para aguentar a potência das motos da MotoGP.
 
TECH 3
 
A Tech 3 entra na segunda temporada como equipe satélite da KTM como uma nova dupla de pilotos. Com a saída de Hafizh Syahrin, que nunca mostrou bons resultados montado na RC16, a aposta foi surpreendente: Iker Lecuona.
 
Sem nunca ter se detacado na Moto2 em quatro temporadas, com apenas dois pódios, Lecuona ser promovido para a MotoGP foi uma grande surpresa. A estreia, porém, aconteceu ainda no ano passado, quando foi chamado para ocupar o posto do lesionado Miguel Oliveira na última etapa da classe principal no ano passado. Largou em 19º e abandonou após um acidente durante a prova. 

Miguel Oliveira (Foto: Tech 3)

Miguel Oliveira, por sua vez, caminha para a segunda temporada na elite do Mundial. O português era um dos favoritos para assumir a vaga deixada por Zarco na equipe de fábrica, mas acabou seguindo por mais um ano na equipe satélite. Em 2019, ele chegou a alcançar um bom oitavo lugar na Áustria, mas a expectativa é de que os bons resultados e a consistência esperada chegue agora em 2020, com uma moto mais ajustada.
 

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube