GUIA 2022: Ducati cria casca e entra na temporada 2022 com pressão do favoritismo

Vice-campeã do Mundial de Pilotos com Francesco Bagnaia no ano passado e vencedora dos Mundiais de Equipes e Pilotos em 2021, a casa de Bolonha tem a qualidade da Desmosedici mais do que comprovada e entra na disputa deste ano encabeçando o ranking das favoritas

GUIA MOTOGP 2022: FAVORITOS, NOVATOS E PALPITES PARA TEMPORADA

CHEGOU A HORA DE A DUCATI COLOCAR UM PONTO FINAL DE UM AMARGO JEJUM DE TÍTULOS NA MOTOGP? Campeã pela única vez em 2007, ainda na era Casey Stoner, a casa de Borgo Panigale entra no campeonato de 2022 com a pressão do favoritismo, uma vez que, ainda que tenha sido derrotada por Fabio Quartararo na disputa do Mundial de Pilotos, fechou a temporada passada com o selo de melhor moto do grid estampado na Desmosedici.

Vencedora dos Mundiais de Equipes e Pilotos de 2021, a marca de Borgo Panigale sabe que tem nas mãos uma boa moto, um protótipo forte, confiável e que, acima de tudo, não tem mais as deficiências de outrora. A Desmosedici, seja a GP21 do ano passado ou a nova GP22, é uma moto completa: excelente nas retas ― como quase sempre foi ―, mas também bastante eficiente nas curvas.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Francesco Bagnaia conquistou a confiança da Ducati com um 2021 sólido e competitivo (Foto: Divulgação/MotoGP)

GUIA DA MOTOGP 2022
MotoGP abre era pós-Rossi com menu extenso e pratos para lamber os beiços
MotoGP mantém estabilidade e só tem mudanças pontuais no regulamento
Acosta chega forte, mas Moto2 é livro aberto na busca por protagonista
Volta de Carrasco e estreia de Moreira deixam olhos atentos à Moto3
Aprilia dá novo passo e mira protagonismo de novo status na MotoGP
Yamaha ainda sofre com motor, mas busca evolução na MotoGP
Aprilia dá novo passo e mira protagonismo de novo status na MotoGP
Quartararo sai da glória de campeão para a luta de se manter no topo
Sem ícone máximo, MotoGP tem de descobrir novo mundo em era pós-Rossi

No entanto, vale a ressalva: pelo que vimos nos testes de pré-temporada, a Ducati ainda não dominou por completo o novo protótipo, mas tampouco pareceu preocupada com o que a GP22 tem a oferecer.

Sob a liderança capaz de Gigi Dall’Igna, a Ducati Corse conseguiu deixar para trás as falhas técnicas que a perseguiram por anos a fio e, com o foco em jovens talentos, deu o passo que faltava para lançar um decisivo ataque pelo título da classe rainha.

Existem muitas formas de constatar a evolução da Ducati ao longo dos anos. A mais simples, porém, é numérica. Basta ver que o número de Desmosedici que hoje estão no grid. Em 2021, foram seis motos italianas. Em 2022, serão oito. Além das duas oficiais de Francesco Bagnaia e Jack Miller, a casa de Bolonha vai atender Pramac, Gresini e VR46. Ou seja, a marca italiana vai responder por mais de 33% das 24 motos do grid de 2022.

Dos oito pilotos, são dois novatos ― Marco Bezzecchi e Fabio Di Giannantonio ― e três que estão no segundo de MotoGP ― Jorge Martín, Luca Marini e Enea Bastianini. Mas a média de idade dos competidores é de 25 anos, com os estreantes aparecendo como os caçulas e Johann Zarco, de 31 anos, como o piloto mais velho.

O elenco é, sem dúvida, talentosíssimo. Se, em 2020, a Ducati deixou todo mundo com a pulga atrás da orelha pela maneira como se livrou de Andrea Dovizioso e Danilo Petrucci, o ano passado mostrou que os italianos foram certeiros ao mirar o futuro. Os jovens pilotos não só deram conta do recado como chegaram até mesmo a surpreender.

E isso aconteceu até mesmo na equipe de fábrica. Bagnaia foi escalado para compor a equipe, não para protagonizá-la. Mas foi exatamente isso o que fez. O pupilo de Valentino Rossi passou à frente de Miller e se colocou como o homem forte de Bolonha, o que já lhe rendeu um contrato até 2024. O desempenho, por sinal, foi tão bom que Pecco é visto como um dos favoritos para o título deste ano. Mesmo tendo sido derrotado no ano passado.

Jack, por outro lado, vive a pressão de ter de mostrar serviço. Afinal, não faltam à Ducati alternativas ao piloto australiano. Martín mostrou ter qualidades para ser piloto oficial, Bastianini já deixou claro que quer o time de fábrica. O #43 começa o ano cobrado e sabendo que precisa entregar mais do que o quarto lugar que conseguiu no ano passado.

O crescimento dos últimos anos mostrou que a Ducati criou casca na MotoGP, mas é preciso uma performance que vá de mais para mais ainda. No Mundial atual, com tanta gente competitiva, ninguém pode se dar ao luxo de bobear. Cabe à estrutura italiana mostrar serviço em cada uma das 21 corridas do ano.

WEB STORY
# Novos nomes, equipes, calendário: um resumão da MotoGP 2022

DUCATI MOSTRA CONFIANÇA E APOSTA EM RELAÇÃO DURADOURA COM BAGNAIA NA MOTOGP
Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Escanteio SP.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar