Honda admite problemas e busca solução até na moto de 2017

A equipe nipônica está correndo contra o relógio para resolver uma questão sentida tanto pelos irmãos Márquez quanto Cal Crutchlow em curvas de alta velocidade. Alberto Puig, chefe do time, já apontou que o motivo é desconhecido

A temporada 2020 da MotoGP ainda não começou, mas a Honda já viu que sua vida não vai ser tão fácil quanto nos anos anteriores. O motivo é que para esta segunda-feira (24), Marc Márquez preferiu rodar com a moto de Takaaki Nakagami – um ano defasada.
 
O hexacampeão não tem se sentindo bem com a RC213V deste campeonato deste a primeira bateria de ensaios em Sepang. O espanhol indicou falta de sensibilidade dianteira nas curvas de alta velocidade.
 
Mas não é apenas o #93 que tem sofrido com o problema. Cal Crutchlow e Álex Márquez também não se sentiram totalmente confortáveis com o protótipo de 2020. 
 
Isso fez com que a Honda fizesse uma reunião de última hora em seus boxes para tentar reverter a situação. Então, para o último dia de atividades pré-temporada, em Losail, Marc tem rodado com moto de Nakagami para poder comparar as duas versões.
As motos preparadas para Márquez (Foto: Reprodução)

“Estamos trabalhando, testando muitas coisas, mas não é o fim do mundo. É verdade que estamos trabalhando sobre a moto de 2019, mas não sei se essa vai ser a solução. Não sei se correremos com a moto de 2019”, explicou Alberto Puig, chefe da Honda.
 

“Igual corremos com a moto deste ano ou com a moto do ano passado. Talvez usemos a moto que tínhamos pensado para a temporada 2021. Isso quem sabe é a Honda, não eu”, completou.
 
O dirigente ainda explicou sobre a RC213V deste ano. “A moto é mais rápida, isso não há dúvida. Já provamos com nossos dados. Mas, às vezes, isso não basta. Devemos comprovar tudo porque, muitas vezes, só se trata de encontrar uma combinação adequada dos elementos.”
 
“Sei que não há muito tempo antes da primeira corrida, mas este é o modo de trabalhar, sempre no limite”, emendou.
 
Ao resumir a situação, afirmou que “não conhecemos a solução de nossos problemas. Se conhecêssemos, teríamos usado. Naturalmente, neste momento não estamos bem, está claro. Estamos provando coisas do ano passado, mas também coisas de três anos, não só coisas de 2019.”
 
“Estamos buscando melhorar o máximo possível para buscar uma solução para uma situação que por agora não nos faz nada feliz. Infelizmente, não temos muito tempo, mas tentaremos até o último minuto. Claramente é uma situação difícil, mas resolver problemas é parte de nosso trabalho”, encerrou.
 
A troca de Márquez por uma moto da temporada passada não foi algo planejado. Além de ter deixado Nakagami com apenas um protótipo para o restante do dia, ainda não tinha uma carenagem preta, apenas passando um adesivo escuro na RC213V.
 
O hexacampeão também tornou pública sua preocupação com a situação. O espanhol apontou que ainda não se sabe de onde vem o problema, mas que estão correndo para tentar revertê-lo.
 

Paddockast #49
RAÍ CALDATO: O ARTISTA PREFERIDO DE LEWIS HAMILTON

Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube