MotoGP

Iannone aponta chefe-técnico e vê inexperiência com moto afetando performance na estreia pela Aprilia

Andrea Iannone avaliou que sua performance tem sido afetada pela experiência dele e de sua equipe com a moto da Aprilia. O #29 citou nominalmente o chefe-técnico Fabrizio Cecchini e colocou em dúvida o trabalho do italiano

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
Andrea Iannone criou um certo ‘climão’ dentro da Aprilia. Ainda sofrendo para se adaptar à RS-GP, o #29 avaliou que a inexperiência com a moto de Noale está abalando sua performance na temporada 2019 da MotoGP.
 
Andrea, que foi 14º no Catar e 17º na Argentina, reconheceu que ainda não está acostumado com o protótipo italiano e garantiu que segue tranquilo apesar dos resultados ruins.
 
“Eu estava tranquilo depois da corrida de Termas. Nós conhecemos os problema que tivemos durante o fim de semana e muitos dos temas que nos afetam são devidos a inexperiência que eu e minha equipe temos com esta moto”, disse Iannone.
Andrea Iannone acha que a inexperiência com a moto abala performance (Foto: Aprilia)
Resultado de imagem para emoji microfonePaddockast #14: O melhor piloto de MotoGP de todos os tempos



 Ouça no Spotify
 Ouça no iTunes
 Ouça no Android
 Ouça no playerFM

Andrea, no entanto, apontou o dedo para Fabrizio Cecchini, seu chefe-técnico. O engenheiro, aliás, venceu a Moto2 com Toní Elias na estreia da categoria.
 
“Meu chefe-técnico, Fabrizio Cecchini, tem muita experiência, mas ele chega da Moto3 para a MotoGP, que hoje em dia é muito diferente, começando pelos pneus. Mas também pelo acerto, com muitíssima eletrônica, e por isso é preciso entender como controlar as coisas”, apontou Andrea. “Hoje, quando você faz um acerto, por exemplo, não pode levar em conta só o acerto, por exemplo, não pode levar em conta só a reação que a ciclística terá. Você precisa levar em conta muitos outros fatores, por isso precisa de um pouco de tempo para assimilar as coisas”, seguiu.
 
“Outro problema é que estamos usando os fins de semana de corrida para seguir desenvolvendo a moto, isso em paralelo a tentar avançar. Se estivéssemos mais próximos dos ponteiros, sem ter de recuperar tanta distância na corrida, claramente sofreríamos mesmo”, considerou.
 
Mesmo assim, Andrea se disse confortável na escuderia de Noale.
 
“No geral, acho que a Aprilia precisava de mim e eu precisava dela. Eles estão me dando muito e eu estou trabalhando com pessoas com que me sinto bem. É claro que estou tranquilo, não estou nervoso, vamos no caminho certo. No passado, eu fui rápido. Voltarei a ser”, garantiu.


 

 
Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.