KTM reforça estrutura e fecha com Tech3 para ter equipe satélite na MotoGP a partir da temporada 2019

Depois de a Yamaha anunciar o fim de uma parceria de 20 anos com a Tech3, a KTM comunicou o acerto com o time de Hervé Poncharal. Com o acordo, a escuderia francesa passa a ser satélite da fábrica austríaca em 2019, contando com duas RC16

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Não demorou muito para a Tech3 ter seu futuro definido na MotoGP. Dias após a formalização do fim de uma parceria de 20 anos com a Yamaha, a equipe de Hervé Poncharal foi confirmada nesta segunda-feira (5) como equipe satélite da KTM a partir de 2019.
 
Em um comunicado enviado à imprensa, a marca austríaca confirmou o acordo com a equipe de Bormes-les-Mimosas, mas não deu maiores detalhes em relação à parceria.

“Estamos muito felizes por unir forças com a Tech3 na MotoGP a partir de 2019", disse Pit Beirer, chefe da KTM. "A equipe tem muitos anos de experiência e conquistou grandes resultados no campeonato. A estrutura profissional deles vai nos tornar mais fortes", seguiu.

“Ter quatro KTM RC16 no grid é também um outro grande passo para nós, tanto em termos de desenvolvimento da nossa moto da MotoGP, como em expandir a estrutura da KTM no paddock”, considerou. “Da Red Bull Rookies Cup à MotoGP, existe um caminho claro rumo ao topo. Estamos ansiosos para começar essa grande colaboração e sou grato a Hervé Poncharal pela futura confiança na KTM”, completou.
 
A aliança entre Tech3 e KTM, aliás, já era esperada. Isso porque a marca laranja, que chegou à classe rainha do Mundial de Motovelocidade no ano passado, dispõe de maior capacidade para disponibilizar mais protótipos do que Suzuki e Aprilia, por exemplo.
RC16 (Foto: KTM)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Além disso, a política de KTM é mais agradável aos olhos de Poncharal, que nunca conseguiu da Yamaha o mesmo material dado aos pilotos de fábrica. Ao contrário de Honda e Ducati, a casa de Iwata não tem por hábito apoiar competidores satélites e costuma entregar ao time independente no fim do ano a moto que foi usada pela esquadra principal ao longo do campeonato.
 
O comunicado também não dá uma pista em relação aos futuros pilotos do time. A expectativa é que a Tech3 se torne uma espécie de equipe júnior da KTM, abrigando atletas que passaram pelos programas de formação da marca. 
 
Caso isso aconteça, Johann Zarco teria espaço na estrutura, uma vez que é o primeiro dos campeões da Red Bull Rookies Cup. Além disso, Stefan Pierer, chefão da KTM, já admitiu publicamente o interesse no francês. Outra possibilidade, no entanto, seria que o #5 fosse promovido ao time oficial.
As alternativas da KTM passariam também por Miguel Oliveira e Brad Binder, os atuais pilotos da marca na Moto2. O português, aliás, já chegou a testar a RC16.
 
Outra implicação deste acordo reside no patrocinador principal da Tech3. Hoje, a equipe é apoiada pela Monster, mas a KTM tem laços estreitos com a Red Bull. O rompimento do time de Poncharal com a empresa dos energéticos, porém, não chegaria como surpresa, uma vez que já esteve bastante próximo de acontecer antes de Zarco e Jonas Folger encantarem com ótimas performances na estreia na elite do Mundial.
 
A Yamaha, por outro lado, ainda não anunciou seus planos para 2019. A imprensa europeia coloca Avintia, Ángel Nieto e Marc VDS como candidatas ao posto de equipe satélite da marca dos três diapasões. 
TUDO POR CONTA DOS CUSTOS

MESMO COM FRIO, PRÉ-TEMPORADA DA F1 NÃO DEVE SAIR DA EUROPA

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height:
0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute;
top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube