MotoGP
03/06/2018 09:43

Lorenzo domina Itália de ponta a ponta e vence a primeira na Ducati em 1-2 com Dovizioso. Rossi é 3º e Márquez é 16º

Jorge Lorenzo teve uma atuação ‘à la Yamaha’ e dominou o GP da Itália praticamente de ponta a ponta. Andrea Dovizioso não deu conta de acompanhar o parceiro de Ducati, mas ficou em segundo com Valentino Rossi completando o pódio
Warm Up / JULIANA TESSER, de São Paulo / NATHÁLIA DE VIVO, de São Paulo
 Jorge Lorenzo (Foto: michelin)

Jorge Lorenzo chegou à Mugello pressionado e não decepcionou. Em uma atuação que relembra seus bons momentos a bordo da Yamaha, o espanhol dominou a pista da Toscana praticamente de ponta a ponta neste domingo (3) e, enfim, chegou ao primeiro triunfo pela Ducati.
 
Largando em segundo, o #99 fez uma belíssima saída ― tal qual vinha fazendo nas etapas recentes da MotoGP ― e tomou a liderança de Valentino Rossi ainda nos primeiros metros. A partir daí, o ‘velho Lorenzo’ fez seu retorno magistral, disparando na ponta sem dar chances a mais ninguém.
Jorge Lorenzo venceu pela primeira vez com a Ducati (Foto: Michelin)
A briga pelo segundo lugar, por outro lado, não foi muito mais animada. Depois de uma excelente largada, Marc Márquez tomou a posição de Rossi, mas ficou pouco por lá, já que um tombo na Scarperia ainda na quinta volta da corrida mandou o #93 para o fundo do pelotão. O #46, então, herdou a posição, mas acabou superado por Andrea Dovizioso pouco depois.
 
Sonhando com um renascimento nos moldes daquele do ano passado, Dovizioso apertou o passo e se isolou em segundo, deixando a concorrência para se engalfinhar pelo terceiro lugar.
 
Com o passar das voltas, Rossi, Andrea Iannone, Danilo Petrucci passaram pela posição, mas o momento decisivo veio com seis voltas para o fim, quando Valentino passou o rival da Pramac para assegurar seu lugar no pódio da Toscana.
 
Iannone também se reposicionou e passou a pressionar o piloto da Yamaha, mas teve sua tentativa anulada pelo ‘Doutor’. O titular da Suzuki ainda fez uma tentativa final, mas levou o troco e perdeu qualquer chance de uma nova ultrapassagem. O multicampeão, aliás, ainda recortou bem a vantagem de Dovizioso na volta final. 
 
0s022 atrás do companheiro de Suzuki, Álex Rins ficou com o quinto posto, à frente de Cal Crutchlow, que também passou Petrucci nos giros finais.
 
Depois de uma largada bastante ruim, Maverick Viñales fez uma prova discreta e ficou com o oitavo posto, à frente de Álvaro Bautista. Em um fim de semana bem apagado, Johann Zarco fecha o top-10.
 
Márquez, por sua vez, só conseguiu escalar até o 16º posto e recebeu a bandeirada com 12s667 de atraso para Franco Morbidelli, o último a pontuar. 

Com o resultado deste domingo, Márquez segue no topo da tabela, mas agora é Rossi quem ocupa a vice-liderança, 23 pontos atrás do #93. Viñales caiu para terceiro, com Dovizioso e Zarco fechando o top-5. Lorenzo subiu para décimo na classificação.
 
Saiba como foi o GP da Itália de MotoGP:
 
O clima, definitivamente, não quis estragar o domingo dos italianos. Em dia de Valentino Rossi na pole, o sol apareceu firme e forte na região de Scarperia e San Piero, elevando as temperaturas para 28°C ― com o asfalto chegando a 52°C. 
 
Na pole pela primeira vez desde o GP do Japão de 2016, Rossi, aos 39 anos e 106 dias, é o piloto mais velho a sair na pole da classe rainha desde que Jack Findlay liderou o pelotão na Ilha de Man em 1974 aos 39 anos e 121 dias.
 
Jorge Lorenzo aparece em segundo, à frente de Maverick Viñales. Andrea Iannone abre a segunda fila, à frente de Danilo Petrucci e Marc Márquez, que repete seu pior grid, conquistado neste ano na Argentina. Andrea Dovizioso tem o sétimo posto.
 
Naquele que é seu pior grid na MotoGP, Dani Pedrosa tem o 20º posto.
 
Neste fim de semana, a Michelin manteve sua tradicional alocação, levando para a Toscana os pneus macios, médios e duros.
 
Na escolha dos pneus, a maior parte dos pilotos optou por dianteiro médio, com exceção de Dovizioso, Viñaales, Pedrosa, Pol Espargaró, Rossi e Márquez, que foram de duro. No traseiro, a grande parte foi de macio, menos Zarco, Viñales, Pedrosa, Crutchlow e Rossi, que foram de médio, e Márquez, que foi de duro.
 
As luzes se apagaram e que largada de Jorge Lorenzo. O espanhol da Ducati pulou para a ponta. Já Márquez fez uma saída do modo louco, pulou de sexto para segundo, errou, caiu para trás, tentou retomar o posto, encostou em Petrucci e se colocou em terceiro.
Mais para trás, Pedrosa fazia um final de semana para esquecer. Além de alinhar apenas na 20ª colocação, sua pior posição de saída de sua carreira na MotoGP, o piloto sequer conseguiu terminar o primeiro giro, logo sofrendo um acidente.
 
No fim da primeira volta, a ordem do pelotão era Lorenzo, Rossi, Márquez, Iannone, Dovizioso, Rins, Crutchlow, Petrucci, Zarco e Viñales.
 
Enquanto isso, diversos pilotos também iam ao chão além do #26. Engrossando a lista daqueles que caíram, tinha Miller, Abraham, Redding, Nakagami e Lüthi.
 
Na ponta do pelotão, Márquez então deu o bote certeiro em cima do herói da casa. Sem conseguir segurar o #93, Valentino acabou caindo para a terceira colocação, mas seguia colocando pressão no adversário.

Depois de toda a ação inicial, as coisas começavam a se acertar no circuito de Mugello. Lorenzo seguia na primeira colocação, com Márquez, Rossi, Iannone e Dovizioso completando o top-5.
 
Então, em uma reviravolta impressionante, Marc não conseguiu fazer mais uma de suas belas salvadas. Na curva 10, o piloto cometeu um erro, tentou evitar a queda, mas não conseguiu. O titular da Honda acabou caindo para a 18ª, e última, posição.
Com isso, Iannone assumiu a posição do titular da Honda. No entanto, o italiano não conseguiu segurar as investidas de Dovizioso, que assumiu a terceira colocação.
 
O #04 estava determinado em mudar sua sorte no campeonato. Em uma passada incrível, o italiano engoliu Rossi para começar a caçada em cima de seu companheiro Lorenzo. Enquanto isso, Iannone encostava ameaçadoramente em Rossi.
 
Na San Donato, então, Valentino acabou esparramando, permitindo a ultrapassagem de Andrea e caindo para quarto. Agora, “o doutor” tinha que prestar atenção em petrucci, que estava se aproximando.
Com 15 voltas para o fim, a ordem era Lorenzo, Dovizioso, Iannone, Rossi, Petrucci, Rins, Crutchlow, Zarco, Viñales e Bautista. Márquez seguia na 18ª posição, sem conseguir avançar no pelotão.
 
Faltavam 12 voltas para a bandeira quadriculada e as coisas acalmaram de forma significativa na Itália. Lorenzo seguia na ponta e com uma vantagem bastante confortável de 1s157 para o segundo colocado, Dovizioso.
 
Enquanto isso, a vida de Márquez não estava nada fácil. O titular da Honda havia ultrapassado apenas Siméon pela 17ª colocação, mas agora estava a mais de 13s do 16º, o Morbidelli.
 
De volta ao pelotão da frente, o degrau mais baixo do pódio tinha um novo dono. Em uma ultrapassagem dupla, Petrucci superou Iannone e Rossi para se colocar na terceira colocação. No entanto, a dupla seguia na perseguição ao #9.

A briga pela quarta colocação era bastante animada com nove voltas para o fim. Rins, em um bote certeiro, superou Rossi para tomar a posição. Enquanto isso, Iannone agora aparecia apenas na sexta colocação.

Valentino, então, conseguiu consumar a ultrapassagem em cima de Rins, pulando para quarto. O italiano agora começava a sua caçada em cima de Petrucci pelo degrau mais baixo do pódio. Enquanto isso, na ponta, Lorenzo tinha uma vantagem de mais de 2s.

Por fora, então, em um lindo lance, o #46 conseguiu tomar a terceira colocação. O titular da Yamaha ainda trouxe junto Iannone, jogando Danilo para apenas o quinto posto.

Rossi e Iannone começaram a protagonizar um emocionante embate pela terceira colocação. O #29 tentou dar o bote em cima do #46, que fechou a porta. Na curva seguinte, Andrea conseguiu superar Valentino, mas acabou abrindo muito e viu Rossi dar o troco.
 
Então, em um cenário de domínio absoluto, Jorge Lorenzo enfim quebrou o encanto com a Ducati. De ponta a ponta, o piloto conquistou sua primeira vitória com a equipe italiana. Em uma dobradinha, Andrea Dovizioso foi o segundo. Valentino Rossi completou o pódio
MotoGP 2018, GP da Itália, Mugello, Final:

1 99 JORGE LORENZO ESP  DUCATI 41:43.230 23 voltas
2 4 ANDREA DOVIZIOSO ITA  DUCATI +6.370  
3 46 VALENTINO ROSSI ITA YAMAHA +6.629  
4 29 ANDREA IANNONE ITA SUZUKI +7.885  
5 42 ÁLEX RINS ESP SUZUKI +7.907  
6 35 CAL CRUTCHLOW ING LCR HONDA +9.120  
7 9 DANILO PETRUCCI ITA PRAMAC DUCATI +10.898  
8 25 MAVERICK VIÑALES ESP YAMAHA +11.060  
9 19 ÁLVARO BAUTISTA ESP ÁNGEL NIETO DUCATI +11.154  
10 5 JOHANN ZARCO FRA TECH3 YAMAHA +17.644  
11 44 POL ESPARGARÓ ESP KTM +20.256  
12 55 HAFIZH SYAHRIN MAL TECH3 YAMAHA +22.435  
13 53 TITO RABAT ESP AVINTIA DUCATI +22.464  
14 38 BRADLEY SMITH ING KTM +22.495  
15 21 FRANCO MORBIDELLI ITA MARC VDS HONDA +26.644  
16 93 MARC MÁRQUEZ ESP HONDA +39.311  
17 10 XAVIER SIMÉON BEL AVINTIA DUCATI +1:01.211  
18 30 TAKAAKI NAKAGAMI JAP LCR HONDA +5 voltas  
  41 ALEIX ESPARGARÓ ESP APRILIA GRESINI NC  
  43 JACK MILLER AUS PRAMAC DUCATI NC  
  12 THOMAS LÜTHI SUI MARC VDS HONDA NC  
  26 DANI PEDROSA ESP HONDA NC  
  17 KAREL ABRAHAM RTC ÁNGEL NIETO DUCATI NC  
  45 SCOTT REDDIING ING APRILIA GRESINI NC  
             
POLE VALENTINO ROSSI ITA YAMAHA 1:46.208 177.7  km/h
VOLTA MAIS RÁPIDA DANILO PETRUCCI ITA PRAMAC DUCATI 1:48.001 174.8 km/h
RECORDE MARC MÁRQUEZ ESP HONDA 1:47.639 175.4 km/h
MELHOR VOLTA VALENTINO ROSSI ITA YAMAHA 1:46.208 177.7 km/h
             
    Condições do tempo   PISTA SECA   ar: 29ºC | pista: 51ºC



PADDOCK GP ESPECIAL BAR DO ZÉ #1

AFINAL DE CONTAS, MÔNACO MERECE OU NÃO CONTINUAR NA F1?