Lorenzo reconhece força de Pedrosa em 2012 e afirma que segundo título na MotoGP foi "muito mais sofrido"

Jorge Lorenzo desembarcou nesta sexta-feira (2) em Barcelona e foi recepcionado por uma grande quantidade de torcedores, que foram cumprimentá-lo pela conquista do bicampeonato na MotoGP. Ainda no aeroporto, o espanhol agradeceu aos fãs e afirmou que o título deste ano foi o “mais sofrido” da carreira

Depois de conquistar o bicampeonato da MotoGP no último domingo (28), na Austrália, e de uma breve passagem pela Indonésia durante a semana – onde realizou eventos promocionais com a Yamaha – , Jorge Lorenzo finalmente retornou à Espanha nesta sexta-feira (2) e teve uma recepção calorosa dos torcedores, que o aguardavam no aeroporto para celebrar o triunfo, que veio após uma fortíssima temporada. Em 17 provas até o momento – ainda resta a etapa de Valência -, Jorge esteve no degrau mais alto do pódio seis vezes, conseguiu outros dez segundos lugares e abandonou apenas uma corrida, em Assen, na Holanda, onde derrubado por Álvaro Bautista.
 

Jorge Lorenzo chegou a Barcelona nesta sexta-feira (Foto: MotoGP)

Com o segundo lugar em Phillip Island, o piloto faturou a taça com uma prova de antecipação e se tornou o primeiro espanhol a ganhar mais de um título na classe rainha do Mundial. Ao desembarcar em Barcelona, Jorge afirmou que o título alcançado neste ano foi muito mais difícil e que, por esta razão, foi até mais comemorado que o primeiro. O primeiro título de Lorenzo na MotoGP foi em 2010. 

"Este campeonato foi muito mais sofrido e, por isso, mais gostoso. Foi muito mais difícil este ano porque a concorrência foi mais dura. Em 2010, tivemos uma vantagem maior de pontos. Dani (Pedrosa) teve uma lesão no Japão e, com uma diferença acima de 50 pontos, conseguimos garantir o campeonato nas últimas três provas. Agora foi diferente. Tivemos de esperar até a penúltima prova para conquistar o título e enfrentamos muitas dificuldades também", afirmou o espanhol aos jornalistas.

Agora com quatro títulos mundiais na bagagem – dois nas 250cc e dois na MotoGP – , Lorenzo ainda declarou que não vê com obsessão a busca por um número recorde de títulos. "Não me preocupo com quantidade de títulos, eu vivo o momento e tenho ainda mais dois anos com a Yamaha pela frente. Agora temos de esperar e ver o que acontece", falou o piloto.

Ainda falando sobre o futuro, Jorge não deixou de responder as perguntas sobre a expectativa de voltar a dividir a Yamaha com Valentino Rossi a partir da próxima temporada. "Tenho 25 anos e Rossi, 33. Então, ele tem muito mais experiência, ganhou muito mais corridas e títulos do que eu. É certo que nos últimos anos ele teve dificuldades, mas estou seguro que com a Yamaha, que é uma moto muito mais suave, ele voltará a ser muito mais rápido", afirmou.

Lorenzo também reservou palavras de admiração para o grande rival de 2012: Dani Pedrosa. O espanhol ressaltou a força do compatriota durante a temporada e reafirmou o fim dos problemas de relacionamento entre ambos. "Antes, nós não podíamos nem nos ver e havia muita discussão, agora a relação é muito mais cordial. E, na verdade, qualquer um de nós dois merecia esse campeonato. Fomos os mais constantes. E Dani cometeu apenas um erro, que foi em Phillip Island", reconheceu.

Por fim, o piloto de Palma de Mallorca falou sobre a estreia de Marc Márquez, campeão da Moto2, na Honda e a aposentadoria de Casey Stoner. "Estou certo que Marc alcançará em pouco tempo um nível alto. Ele contará com uma equipe muito competitiva e uma moto muito rápida. Além disso, talento, motivação e agressividade não lhe faltam", explicou.

Lorenzo atende os torcedores (Foto: Reprodução/Twitter)

"Sobre Stoner, é difícil compreendera decisão de parar porque ele só tem 27 anos e é realmente muito jovem. Mas eu entendo. Ele está competindo desde os 15 anos, tem uma família, não é um piloto que aprecia toda essa exposição na mídia e deve estar cansado. Temos apenas de respeitá-lo, mas vamos perder um grande piloto, sem dúvidas", concluiu.

 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube