MotoGP

Lorenzo se diz “estancado” e já considera romper com Honda se resultados seguirem ruins

Jorge Lorenzo admitiu que também não estaria disposto a seguir com a Honda por dois anos se não conseguir reverter seus resultados. Passadas as primeiras seis etapas da temporada 2019, o #99 soma apenas 19 pontos

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
Jorge Lorenzo deu um aviso claro: se os resultados seguirem ruins, não é só a Honda que desejará antecipar o fim da parceria. O #99 reconheceu que também não estará disposto a continuar se não conseguir reverter a performance que exibiu até aqui.
 
 
Falando à imprensa na quinta-feira (13), Alberto Puig, chefe da Honda, afirmou que a montadora da asa dourada planeja cumprir o contrato de dois anos que tem com o #99. O dirigente, no entanto, descartou fazer mudanças radicais para atender o piloto de Palma de Maiorca.
 
Jorge Lorenzo admitiu que também não teria vontade de cumprir contrato com resultados ruins (Foto: Divulgação/MotoGP)
Paddockast #22
O que torna uma corrida de qualquer categoria legal? E chata?



Perguntado se não teme que os resultados acabem por esgotar a paciência da Honda como aconteceu com a Ducati, Lorenzo deixou claro que ele próprio não está satisfeito.
 
“É evidente que nenhuma das duas partes está contente com os resultados que estamos conseguindo. Não é só a Honda que não está contente com os resultados, eu também não estou”, disse Lorenzo. “São duas partes aqui, duas partes que venceram muito. A Honda, evidentemente, ganhou mais títulos ao longo da história. E teve mais pilotos. A minha história é menor, e sou só um piloto, mas também consegui muitos resultados, com várias marcas. E quero conseguir com a Honda também”, seguiu.
 
“E é por isso que eu estou aqui e foi por isso que eu decidi continuar a minha carreira por mais dois anos, pelo menos, na MotoGP. Me esforçando a cada dia e tendo uma disciplina rígida para tentar conseguir isso”, comentou. “O processo, imagino, será mais longo do que achávamos e mais longo do que eu gostaria, mas creio que, com esforço, modificações ― das duas partes, da Honda e da minha ―, para entender melhor a maneira de pilotar esta moto, teremos progressos e iremos melhor”, ponderou.
 
“Vamos ver se o tempo mostra isso ou se seguiremos estancados. Desta maneira, não só a Honda não está disposta a continuar. Eu, tampouco”, concluiu.

Depois do GP da Itália, Lorenzo seguiu para o Japão para tentar acelerar sua adaptação à RC213V. O #99 contou que algumas dessas mudanças serão vistas já neste fim de semana, mas algumas novidades na área da ergonomia só vão aparecer a partir de Assen.

O GP da Catalunha de MotoGP está marcado para o domingo, às 9h (de Brasília). O GRANDE PRÊMIO acompanha tudo AO VIVO.
 

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.