Marc Márquez diz que ainda está longe da plena forma: “Precisamos de tempo”

Piloto da Honda relatou que ainda sente uma diferença muito grande entre os braços direito e esquerdo. Espanhol avaliou que a chuva prevista para o fim de semana pode jogar a seu favor

Jack Miller celebrou a vitória com os integrantes da Ducati (Vídeo: MotoGP)

Marc Márquez acredita que ainda está longe de estar 100% em forma. Depois de passar nove meses longe da MotoGP, o espanhol voltou à ativa no mês passado, em Portugal, mas ainda luta para recuperar o condicionamento que tinha antes da lesão no braço direito.

O irmão de Álex quebrou o braço em uma queda na primeira corrida da temporada 2020. O hexacampeão passou por um total de três cirurgias e perdeu 15 corridas por conta do longo tempo de recuperação.

WEB STORY
Fatos e curiosidades sobre o GP da França de MotoGP

Marc Márquez considerou que ainda precisa de tempo para recuperar a forma (Foto: Honda)

LEIA MAIS
⇝ Sorte sorri para Miller, que apazigua críticos e sai protagonista do GP do Espanha
⇝ Falta de segurança irrita pilotos e coloca futuro da MotoGP em Jerez em xeque
⇝ Red Bull Rookies Cup: a categoria de base de ouro do Mundial de Motovelocidade
⇝ Pol Espargaró escancara frustração após quatro GPs e se mostra perdido na Honda
⇝ Ducati consegue raro desempenho em Jerez e se permite sonhar com título em 2021
⇝ Lado a lado: as vitórias de Jack Miller na classe rainha do Mundial de Motovelocidade
⇝ Azar desprestigia Morbidelli em 2021. Mas Yamaha tem obrigação de corrigir futuro
⇝ KTM sofre com novos pneus e desmancha evolução obtida em 2020 após quatro etapas
Na Garagem: Pedrosa usa força da Honda na China e vence na 4ª corrida na MotoGP

Desde que voltou, Marc ainda não exibiu o tipo de performance com que está acostumado. O piloto de Cervera foi sétimo em Portimão e nono em Jerez, as duas corridas em que participou em 2021.

Após o GP da Espanha, Marc intensificou os treinos na academia, o que o fez perceber a diferença que ainda existe no condicionamento dos dois braços.

“Na última quarta-feira, fiz um check-up com os meus médicos. A consolidação do osso está correndo bem. isso significa que entre Jerez e Le Mans, pude aumentar o treinamento na academia”, disse Márquez. “Começamos a encontrar uma maneira de conseguir mais músculos, mais força no braço direito. Aí eu sinto que ainda tem uma grande diferença entre os braços direito e esquerdo e estamos longe de um bom nível”, seguiu.

“Antes de Jerez, estava treinando com pesos mais leves e não me sentia tão mal. Depois de Jerez, começamos a trabalhar na academia com pesos maiores e tentar trabalhar mais duro. Foi aí que percebi que estamos longe de bem com o meu braço. A diferença ainda é grande”, frisou. “Então talvez a sensação que sinto quando piloto é normal. Eles dizem que precisamos de tempo. Talvez, se tudo correr bem em Le Mans, poderei pilotar entre as corridas e pedalar um dia. Esse será outro passo”, ponderou.

“Mas, no momento, ainda não decidimos. Só decidimos treinar mais forte na academia na última semana, e a reação do corpo foi ok”, relatou. “Não temos tempo, mas precisamos de tempo”, resumiu.

Questionado se a previsão de chuva para os três dias de atividades em Le Mans pode ajudá-lo, Márquez respondeu: “Não sei. Claro, por um lado, eu gostaria de rodar no seco, porque é a melhor maneira de seguir com a minha reabilitação. Por outro lado, no molhado você nunca sabe. É mais uma loteria”.

“O limite que tenho agora é a minha condição física e é verdade que a pista molhada é menos exigente. Então isso pode ajudar”, considerou. “Por outro lado, a minha posição na moto não é a mesma de sempre. Vamos ver”, encerrou.

A MotoGP volta à ação no dia 16 de maio, com o GP da França, quinta etapa do calendário. Acompanhe a cobertura do GRANDE PRÊMIO sobre o Mundial de Motovelocidade.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar