MotoGP

Márquez alcança combinação improvável, vence pela primeira vez em Motegi na MotoGP e fatura tri na 1ª tentativa

Nem ele acreditava, mas o improvável aconteceu. Marc Márquez viu Valentino Rossi e Jorge Lorenzo cairem e conquistou o tricampeonato da MotoGP com uma vitória inédita em Motegi. Andrea Dovizioso e Maverick Viñales completam o pódio

Warm Up / JULIANA TESSER, de São Paulo
O Maneki Neko parece ter dado resultado para Marc Márquez. Correndo no quintal da Honda neste domingo (16), o #93 colocou o tradicional gato da sorte japonês no capacete e viu uma improvável combinação de resultados acontecer para se tornar tricampeão da MotoGP.
 
O #93 chegou à ilha de Honshu com 52 pontos de margem na liderança do Mundial e precisava ampliar essa diferença para 76. Para isso, tinha que contar com Valentino Rossi no máximo em 15º, com Jorge Lorenzo fora do top-4, mas recebeu ainda mais.
Marc Márquez conquistou o título da MotoGP neste domingo (Foto: Repsol)
A classificação do Mundial de MotoGP após o GP do Japão

Depois de uma disputa entre o trio nas voltas iniciais, Rossi caiu na sexta volta e abandonou. Lorenzo resistiu até o 19º giro, mas um tombo do espanhol acabou por antecipar a conquista do titular da Honda.
 
Informado da situação, o #93 seguiu firme nas últimas voltas em Motegi até receber a bandeirada com 2s992 de vantagem para Andrea Dovizioso e, além do título de 2016, conseguiu outros importantes feitos. 
 
O pódio deste domingo foi o 50º de Márquez na MotoGP, o que faz dele apenas o 14º piloto a atingir tão marca nos 68 anos de história do certame. Além disso, ele supera Rossi como o mais jovem a fazê-lo.
 
Como se isso não fosse o bastante, Marc também iguala as 29 vitórias de Dani Pedrosa na classe rainha, atrás de apenas sete pilotos que subiram ao topo do pódio da MotoGP mais vezes.

Também em festa por seu 100º GP no Mundial de Motovelocidade, Maverick Viñales venceu uma disputa com Aleix Espargaró e ficou com o último degrau do pódio.
 
Cal Crutchlow garantiu a quinta colocação, à frente de Pol Espargaró, Álvaro Bautista, Danilo Petrucci, Scott Redding e Stefan Bradl.

Com o resultado desta 15ª etapa, Márquez chegou aos 273 pontos e abriu 77 de frente para Rossi, o segundo na classificação. Lorenzo vem em terceiro, com Viñales e Pedrosa fechando o top-5.
 
Saiba como foi o GP do Japão de MotoGP:
 
A previsão do tempo acertou em cheio. Assim como aconteceu nos dois dias anteriores, o domingo em Motegi foi de sol e tempo firme. Quando os 22 pilotos da MotoGP alinharam no grid para a 15ª etapa da temporada 2016, a temperatura estava em 24°C, com o asfalto alcançando 36°C. As rajadas de vento tinha velocidade de 11 km/h.
 

Pela terceira vez no ano, Valentino Rossi tinha a pole — a primeira fora da Europa desde o GP da Malásia de 2009. Em sua primeira chance de fechar a conta da temporada, Marc Márquez tinha o segundo posto, à frente de Jorge Lorenzo, que ainda sofre com as dores resultantes de um forte tombo no terceiro treino livre.
 
Falando em acidente, Dani Pedrosa foi operado na tarde de sábado, na Espanha, para tratar a fratura sofrida na clavícula direita. Além disso, os médicos também detectaram uma fratura sem deslocamento na fíbula da perna direita, o que exigiu imobilização. 
 
Ainda não há informações sobre a data de retorno do espanhol às pistas. Neste fim de semana, Hiroshi Aoyama, piloto de testes da HRC, assume a vaga do #26.
 
Para esta 15ª etapa da temporada, a Michelin disponibilizou os pneus dianteiros macios, médios e duros, e traseiros médios e duros, esses últimos em versão assimétrica, com a borracha mais resistente do lado direito. Caso seja necessário, os pneus intermediários também estão à disposição, assim como os compostos de chuva em versão macia e média.
 
Na hora da largada, os pilotos exibiram uma escolha nem tão uniforme. A maioria optou por pneus médios na frente e macios atrás, mas Barberá, Smith, Hernández e Aoyama apostaram no macio na frente, enquanto Crutchlow e Baz foram pelo duro. Atrás, o único com uma escolha diferente foi Hernández, que quis o composto médio.

No instante em que as luzes se apagaram na reta do circuito construído pela Honda, os 52.216 espectadores viram Lorenzo sair bem e assumir a ponta, com Márquez passando Rossi por dentro poucos metros depois. Aleix vinha em quarto, à frente de Crutchlow, Dovizioso, Viñales, Pol, Petrucci e Barberá.
Jorge Lorenzo saiu na frente na largada (Foto: Yamaha)
Rodando em um ritmo fortíssimo, Lorenzo abriu 0s379 de margem para Márquez, que tinha Rossi pertinho atrás. Aleix era agora escoltado por Dovizioso, que tinha derrubado Crutchlow para sexto.
 
Na abertura do giro seguinte, Rossi passou Márquez, mas escapou e permitiu o troco. O #46 insistiu e pegou a posição. Na curva sete, os dois inverteram mais uma vez, com um novo Xis, mas foi Márquez quem ficou em segundo, já 0s534 atrás de Jorge.
 
Mais atrás, Viñales também passou Crutchlow e assumiu a sexta colocação, 0s948 atrás de Dovizioso.
 
Vendo Lorenzo escapar, Márquez apertou o passo e começou a reduzir a vantagem, com Rossi acelerando também para seguir na briga dos ponteiros. Ao longo do fim de semana, os três mostraram ritmos parecidos.
 
Ainda nesse início de disputa, Laverty caiu na curva nove e abandonou. O norte-irlandês já tinha sofrido uma queda feia no segundo treino do fim de semana.
 
Na terceira volta, a diferença entre Lorenzo e Márquez era de 0s199, enquanto Rossi seguia rodeando.
 
Na curva nove, Márquez atacou Lorenzo por dentro e assumiu a liderança da disputa, de cara se afastando ligeiramente e deixando o #99 para se defender de Rossi, que vinha 0s173 atrás. Quarto, Aleix já vinha 0s9 afastado do primeiro pelotão.
 

Márquez, então, apertou consideravelmente o passo, com direito a melhor volta da corrida até então — 1min45s577 — e levou a vantagem em relação a Lorenzo para 0s675. Terceiro, Rossi vinha 0s2 atrás do #99 e com mais de 1s de tranquilidade.
 
Na reta oposta, Rossi colou em Lorenzo e chegou a se colocar à frente, mas o troco logo chegou. O italiano insistiu mais um pouco e conseguiu ficar com o segundo posto, já 0s9 atrás de Márquez.
 
Na sexta volta, Jack Miller sofreu uma queda na curva 1 e abandonou a corrida. O australiano não vive mesmo uma boa fase. Foi a quarta queda do GP do Japão para o piloto da Marc VDS.
 
Rodando em segundo, Rossi caiu na curva dez e ficou com a perna esquerda presa embaixo da moto. Os fiscais logo vieram ajudar, mas já era tarde demais para conseguir qualquer bom resultado.
 
O #46 seguiu direto para os boxes da Yamaha e abandonou a corrida. Foi o quarta vez que o italiano não completou uma prova nesta temporada — três por queda e uma por quebra de motor.
 
Assim, Márquez abriu 1s695 de margem para Lorenzo, com Dovizioso aparecendo na terceira colocação.
 
Dois giros mais tarde, Barberá quis fazer companhia ao italiano e também se acidentou. O espanhol corre neste fim de semana pela Ducati, substituindo o lesionado Andrea Iannone. O #8 não se feriu na curva 1 e voltou para a pista.
 
Restando 16 giros para a bandeirada, Márquez seguia em ritmo forte e já exibindo 2s081 de margem para Lorenzo. Terceiro, Dovizioso tinha 1s5 de atraso para o segundo colocado.
 
Aleix, por sua vez, vinha tentando dar alguma animação para a corrida, forçando o ritmo para encostar em Dovizioso. Viñales ia na mesma batida, buscando o companheiro de equipe e trazendo junto Crutchlow.

Com Rossi fora de combate, cabia a Lorenzo a missão de, pelo menos, adiar a conquista do tricampeonato de Márquez. O #99 tinha de estar dentro do top-4 para levar a briga para Phillip Island. 
 
Dovizioso, entretanto, vinha reduzindo a vantagem do espanhol e trazendo junto Aleix Espargaró. Restavam 13 voltas.
Dupla da Yamaha abandonou o GP de Motegi (Foto: Yamaha)
Mais lento entre os pilotos do top-4, Lorenzo foi pouco a pouco perdendo terreno para Dovizioso, que seguia encostando, com Aleix ainda colado atrás. Quinto, Viñales tinha 1s2 de atraso para o companheiro de Suzuki.
 
Lorenzo, então, começou a reagir aos avanços de Dovizioso e voltou a colocar 1s de diferença entre eles. Aleix, por sua vez, tampouco tinha encostado de forma mais firme.
 
Com um ritmo bom durante todo o fim de semana, Dovizioso seguiu insistindo em pressionar e voltou a derrubar a vantagem de Lorenzo, mas seguia longe para iniciar uma disputa mais quente. Aleix, aliás, já tinha ficado pelo caminho.
 
Com sete giros para o fim, foi Viñales quem chegou em Aleix, iniciando uma disputa pela quarta posição. Mais à frente, Dovizioso tinha 0s481 de atraso para Lorenzo.
 
Na 19ª volta, Lorenzo foi ao chão na curva nove, o que dava o título para Marc Márquez. 
 
MotoGP, GP do Japão, Motegi, Final:
 
1 93 MARC MÁRQUEZ ESP HONDA 42:34.610 24 voltas
2 4 ANDREA DOVIZIOSO ITA DUCATI +2.992  
3 25 MAVERICK VIÑALES ESP SUZUKI +4.104  
4 41 ALEIX ESPARGARÓ ESP SUZUKI +4.726  
5 35 CAL CRUTCHLOW ING LCR HONDA +15.049  
6 44 POL ESPARGARÓ ESP TECH3 YAMAHA +19.654  
7 19 ÁLVARO BAUTISTA ESP APRILIA GRESINI +23.032  
8 9 DANILO PETRUCCI ITA PRAMAC DUCATI +28.555  
9 45 SCOTT REDDING ING PRAMAC DUCATI +28.802  
10 6 STEFAN BRADL ALE APRILIA GRESINI +32.330  
11 21 KATSUYUKI NAKASUGA JAP YAMAHA +42.845  
12 68 YONNY HERNÁNDEZ COL ASPAR DUCATI +52.219  
13 38 BRADLEY SMITH ING TECH3 YAMAHA +53.783  
14 53 TITO RABAT ESP MARC VDS HONDA +54.760  
15 73 HIROSHI AOYAMA JAP HONDA +1:00.155  
16 76 LORIS BAZ ESP AVINTIA DUCATI +1:04.440  
17 8 HECTOR BARBERÁ ESP DUCATI +1:42.966  
18 7 MIKE JONES AUS AVINTIA DUCATI +1 volta  
  99 JORGE LORENZO ESP YAMAHA NC  
  46 VALENTINO ROSSI ITA YAMAHA NC  
  43 JACK MILLER AUS MARC VDS HONDA NC  
  50 EUGENE LAVERTY IRL ASPAR DUCATI NC  
             
POLE VALENTINO ROSSI ITA YAMAHA 1:43.954 166.2  km/h
VOLTA MAIS RÁPIDA MARC MÁRQUEZ ESP HONDA 1:45.576 163.7 km/h
RECORDE JORGE LORENZO ESP YAMAHA 1:45.350 164.0 km/h
MELHOR VOLTA JORGE LORENZO ESP YAMAHA 1:43.790 166.5 km/h
             
    Condições do tempo   SOL   ar: 25ºC | pista: 36ºC