Márquez bate Quartararo na volta final e vence GP de San Marino. Viñales é 3º

Marc Márquez aproveitou um erro de Fabio Quartararo nos metros finais para vencer o GP de San Marino e da Riviera de Rimini. Maverick Viñales ficou com o terceiro posto, à frente de Valentino Rossi e Franco Morbidelli

O GP de San Marino e da Riviera de Rimini partiu corações franceses. Depois de liderar a maior parte das 27 voltas deste domingo (15), Fabio Quartararo não resistiu ao ataque de Marc Márquez na volta final em Misano e viu o #93 vencer com 0s903 de vantagem.
 
Quando as luzes se apagaram no circuito Marco Simoncelli, as 96.212 pessoas que lotaram o circuito viram Maverick Viñales manter a ponta, com Quartararo, Franco Morbidelli e Márquez passando Pol Espargaró. Não demorou muito Márquez despachou Morbidelli e se posicionou melhor para a briga pela vitória. 
 
Na terceira volta, Quartararo passou Viñales no Curvone, a 11ª curva, para assumir a liderança. No giro seguinte, Márquez deixou Maverick para trás, com Fabio já 0s863 distante.
Marc Márquez (Foto: Repsol)
O #93, então, apertou o passo e começou a recortar a vantagem, que, na oitava volta, já era de só 0s170. Nas muitas voltas que se seguiram, a diferença entre os dois ponteiros oscilou entre 0s1 e 0s4, mas sem que Márquez direcionasse um ataque ao líder.
 
Na abertura da última volta, Márquez conseguiu tomar a ponta de Fabio, que deu o troco alguns metros adiante, na curva 4. Pouco depois, o #93 respondeu de novo, mas o #20 se manteve colado. O titular da SIC, então, cometeu um pequeno erro e permitiu que Marc escapasse para receber a bandeirada com 0s9 de frente.
Depois de se mostrar muito bem nos treinos, Viñales decepcionou na corrida. Embora tivesse um ritmo bastante melhor do que o pelotão de trás, o #12 não teve o que oferecer aos dois ponteiros e, ainda que tenha se aproximado nas voltas finais, acabou num isolado terceiro.
 
Valentino Rossi demorou, mas passou Franco Morbidelli na volta 18 para assegurar o quarto lugar, com Andrea Dovizioso fechando o top-6. Destaque do sábado, Pol Espargaró ficou em sétimo, seguido por Joan Mir e Jack Miller. Danilo Petrucci completou um top-10 coberto por 31s456.

Johann Zarco ficou com o 11º lugar, com Aleix Espargaró levando a Aprilia ao 12º lugar. Jorge Lorenzo terminou em 14º, 47s247 atrás do companheiro de Honda. Hafizh Syahrin foi o último na zona de pontuação.
 
Paddockast #33
10 ANOS DE SECA BRASILEIRA NA F1

Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

Saiba como foi o GP de San Marino e da Riviera de Rimini de MotoGP:
 
A província de Rimini brindou o Mundial de Motovelocidade com mais um dia de sol e calor. Pouco antes da largada para a 13ª etapa da temporada 2019, os termômetros mediam 26°C, com o asfalto chegando a 40°C. A velocidade do vento estava na casa dos 5 km/h.
 
Igualando Luca Cadalora, Maverick Viñales tinha a pole na classe rainha pela oitava vez na carreira, a primeira desde o GP do Catar, na abertura da temporada. Na melhor classificação da KTM na temporada, Pol Espargaró tinha o segundo posto, à frente de Fabio Quartararo, que vinha na primeira fila do grid pela sétima vez no ano.
 
Franco Morbidelli abria a segunda fila, seguido por Marc Márquez, em sua pior classificação desde o quinto posto em Valência no ano passado. Andrea Dovizioso vinha na sequência, à frente de Valentino Rossi.
 

 

Como sempre, a Michelin levou para Misano pneus slicks macios, médios e duros, com apenas as duas opções traseiras mais resistentes construídas em versão assimétrica, com a borracha mais dura do lado direito do pneu. Em caso de chuva, os pilotos poderiam contar com os calçados dianteiros macios e médios e traseiros extramacio e macio, este último assimétrico.
A escolha de pneus era quase a mesma para todo mundo, com médio na frente e também na traseira. Jorge Lorenzo era o mais diferente, com dois macios, enquanto Johann Zarco foi de macio na frente e Miguel Oliveira de macio atrás.
 
A largada aconteceu às 9h (em Brasília) com Viñales saindo muito bem e segurando a pressão de Quartararo e Morbidelli, que surgiam logo atrás. Márquez subia para o quarto lugar, na frente de um Pol Espargaró que saiu muito lento do grid. Rins aproveitava enrosco entre Rossi e Dovizioso e também ganhava terreno.
 
Márquez não precisou de mais de uma volta para provar que estaria na briga. O espanhol foi para cima de Morbidelli, passou e conseguiu segurar bem o terceiro lugar. Mesmo sem o equilíbrio das Yamaha, o pentacampeão estava no bolo, acompanhando os dois ponteiros.
 
E aí foram duas voltas seguidas de pesadelo para Viñales. Primeiro, o espanhol foi atacado por Quartararo e, dando uma leve empinada na reta, perdeu ritmo e a posição para o francês. No giro seguinte, Maverick viu Márquez encostar e, sem medo, mergulhar. O #12 precisou recolher e desceu para terceiro.
 

 

A primeira queda do dia na MotoGP foi cortesia de Takaaki Nakagami, que parece cada vez mais longe do grid de 2020. Enquanto isso, Rins tentava passar Pol, mas ficava por fora, saía do traçado e tirava o pé ainda perdendo posição para Rossi e Dovizioso.
 
Márquez encostava de vez em Quartararo e iniciava uma pressão que, pelo histórico, prometia ser fatal para as pretensões do novato francês, que ao menos se segurava bem até ali. Rossi, por sua vez, chegava e passava Pol para entrar no top-5, ou seja, apenas Márquez estava infiltrado na festa da Yamaha dos cinco primeiros.

Rossi encostava em Morbidelli, Dovizioso passava na marra por Pol Espargaró e, para piorar tudo na KTM, Oliveira ainda tomava um chão, deixando a zona de pontos que ocupava. Outra queda era de Francesco Bagnaia, também que vinha no top-15, empurrando a capenga Aprilia de Aleix Espargaró para a zona de pontuação.

 
Márquez parecia cada vez mais próximo de Quartararo e Rossi de Morbidelli, inclusive tentando passar, mas tomando um 'x'. Mais atrás, Rins virava protagonista, mas não era num sentido muito bom. O espanhol até passou Pol, mas tomou a punição da reta longa e, antes mesmo de cumprir, foi ao chão, deixando bons pontos no caminho.
 
Rossi, depois de muito tentar, finalmente passava Morbidelli com 10 voltas para o final, subindo para a quarta colocação. Michele Pirro, em outra briga, se destacava com um competente décimo lugar.

Bom, o destaque de Pirro e o período no top-10 foram bem curtos. Na frente do titular Petrucci, o experiente italiano foi ao chão, promovendo Lorenzo ao top-15 e deixando ainda pior a prova da Ducati. Márquez, enquanto isso, seguia na pressão.

E as quedas não paravam por aí, não. Se Márquez colocava de lado e botava toda potência para cima de Quartararo, outra Honda não fazia algo nada bom. Crutchlow, em terrível final de semana, caiu na curva 8.

Veio a volta final e, é claro, o bicho pegou muito. Márquez superou Quartararo, mas deixou a brecha para levar o troco do francês, que tinha uma moto mais equilibrada e, também, menos potência. O troco veio, mas nada estava acabado para o pentacampeão.
 
Foi aí que Márquez insistiu, mergulhou de novo e deixou o francês para trás. Restava basicamente sobreviver à curva 14 e, evitando mais uma derrota praticamente na última curva, o espanhol tracionou fechadinho, Fabio quase caiu, mas já perdeu ritmo suficiente para não ter mais chances. Vitória categórica na casa de Rossi para Márquez.
 
Viñales, mesmo com um ritmo de corrida completamente distante do que foi o desempenho na classificação, ficou com um pódio, enquanto Rossi precisou segurar os ataques dos compatriotas Morbidelli e Dovizioso para salvar um quarto lugar.
 
Pol Espargaró lutou do jeito que deu e, apesar de tudo, ainda levou a KTM ao sétimo posto. Mir, Miller e Petrucci completaram o top-10, os três com corridas bem silenciosas.

MotoGP 2019. GP de San Marino e da Riviera de Rimini, Misano, Final:
1 M MÁRQUEZ Honda 42:25.163 27 voltas
2 F QUARTARARO SIC Yamaha +0.903  
3 M VIÑALES Yamaha +1.636  
4 V ROSSI Yamaha +12.660  
5 F MORBIDELLI SIC Yamaha +12.774  
6 A DOVIZIOSO Ducati +13.744  
7 P ESPARGARÓ KTM +20.050  
8 J MIR Suzuki +22.512  
9 J MILLER Pramac Ducati +26.554  
10 D PETRUCCI Ducati +31.456  
11 J ZARCO KTM +32.388  
12 A ESPARGARÓ Aprilia Gresini +34.477  
13 T RABAT Avintia Ducati +35.325  
14 J LORENZO Honda +47.247  
15 H SYAHRIN Tech3 KTM +1:02.280  
16 M OLIVEIRA Tech3 KTM +1:07.831  
17 K ABRAHAM Avintia Ducati +1:24.666  
18 T NAKAGAMI LCR Honda +1 volta  
  C CRUTCHLOW LCR Honda NC  
  M PIRRO Ducati NC  
  A RINS Suzuki NC  
  F BAGNAIA Pramac Ducati NC  
         
VMR M MÁRQUEZ Honda 1:33.355 162.9 km/h
MV A DOVIZIOSO Ducati 1:32.678 164.1  km/h
REC J LORENZO Ducati 1:31.629 166.0 km/h
         
  Condições do tempo PISTA SECA   ar: 28ºC | pista:39ºC

#GALERIA(9908)


 
Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube