Márquez confirma bom ritmo e crava melhor tempo no 3º treino na Alemanha. Rossi supera nova falha da M1 e é sexto

Marc Márquez tirou proveito máximo da pista seca na manhã deste sábado (1) e garantiu a liderança do terceiro treino livre da MotoGP. 0s170 mais lento, Maverick Viñales ficou em segundo, à frente de Jonas Folger. Valentino Rossi conseguiu superar um novo problema com a YZR-M1 e ficou com o sexto posto

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Marc Márquez voltou a mostrar sua mágica em Sachsenring. Dono do maior número de vitórias na pista da Saxônia, o espanhol afastou os rivais neste sábado (1) e garantiu a liderança do terceiro treino livre à frente das Yamaha de Maverick Viñales e Jonas Folger.
 
Contrariando a previsão desanimadora, o dia começou nublado, mas sem chuva, o que permitiu aos pilotos aproveitarem os 55 minutos deste treino ampliado para das sequência ao trabalho de avaliação de pneus.
 
Na parte final da sessão, porém, os tempos começaram a cair consideravelmente, mas foi Márquez quem levou a melhor com sua volta mais rápida em 1min20s745, 0s170 melhor do que Viñales. Terceiro, Folger ficou a 0s453 do piloto da Honda.
Marc Márquez venceu nas últimas sete vezes em que esteve em Sachsenring (Foto: Honda)
Aleix Espargaró segue mostrando boa forma a bordo da RS-GP da Aprilia e ficou com a quarta colocação. Com 1min21s275, Cal Crutchlow completa o rol dos cinco mais rápidos.
 
Assim como aconteceu na sexta-feira, Valentino Rossi teve problemas mecânicos com a YZR-M1, mas a Yamaha trabalhou rápido e devolveu ao #46 a moto com o chassi favorito para os minutos finais da sessão. 0s566 atrás de Márquez, o italiano ficou em sexto.
 
Jorge Lorenzo cravou o sétimo melhor tempo, à frente de Andrea Dovizioso, o líder do Mundial. Dani Pedrosa sofreu uma queda e ficou com o nono tempo, seguido por Álvaro Bautista.
 
Saiba como foi o terceiro treino da MotoGP em Sachsenring:
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Apesar do céu nublado, o terceiro treino livre da Moto3 começou com pista seca — uma excelente notícia para os pilotos, que ainda tinham muitos pneus para avaliar no novo asfalto saxão. Quando a pista foi liberada, os termômetros marcavam 17°C, como asfalto alcançando 21°C. A velocidade do vento era de 21 km/h.
 
Pelo resultado do primeiro dia de treinos, o treino de 55 minutos — ampliado em dez minutos para permitir mais tempo de pista seca —, Dovizioso, Viñales, Pedrosa, Aleix, Bautista, Márquez, Zarco, Petrucci, Miller e Redding eram os pilotos com vaga direto no Q2, enquanto nomes como Lorenzo, Crutchlow e Rossi teriam de remar para conseguir uma vaga na fase seguinte.
 
Depois de um dia complicadinho na sexta-feira, especialmente na chuva, a Yamaha apareceu nesta manhã com uma carenagem especial, toda furadinha. Peça, que foi testada no exercício coletivo de Montmeló, tem como objetivo ajudar a resfriar a YZR-M1.
 
Com poucos minutos de treino, Rossi voltou a ter problemas. Assim como na sexta-feira, o #46 precisou parar a M1 por conta de um problema mecânico. Desta vez, porém, o italiano conseguiu parar em uma posição melhor, na última curva, facilitando a recuperação da moto.
 
Na sexta, a Yamaha não conseguiu identificar rapidamente o problema, então optou por trocar todo o sistema de aceleração. Mais tarde, Valentino não foi autorizado a revelar a causa da falha, mas foi o sistema eletrônico da moto que entrou em modo de segurança para preservar o motor.
Valentino Rossi voltou a ter problemas com a M1 na manhã deste sábado (Foto: Reprodução)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Assim como na sexta, porém, Rossi deixou clara sua preocupação com a moto, já que a que insiste em falhar é a que conta com o novo chassi, o preferido do italiano.
 
Mostrando uma evolução em seu ritmo, Sam Lowes abriu o treino com um revés: um tombo na curva 13. O britânico, no entanto, não se feriu.
 
Rapidamente, a moto de Rossi voltou aos boxes e os mecânicos começaram a montar uma versão hibrida, passando a carenagem aerodinâmica para a moto reserva, que tem o chassi original de 2017. O #46 voltou para a pista depois de desperdiçar os primeiros 15 minutos de sessão.
 
Folger foi um dos primeiros a partir para o ataque à tabela de tempos e, com um par de pneus macios, assumiu a ponta ao anotar 1mn21s502, 0s097 melhor que o tempo mais rápido de Dovizioso, registrado no TL1. O piloto da casa deu um novo giro e foi ainda melhor, ampliado sua margem para 0s196.
 
Assim como aconteceu na sexta-feira, os times continuaram testando o novo sistema de comunicação por mensagens de texto que será introduzido a partir de 2018. Depois de Karel Abraham, foi a vez de Dani Pedrosa testar o recurso, sendo chamado para uma troca de motos.
 

Tentando melhorar sua marca, Viñales deu uma escapada na curva oito, mas evitou a queda e logo retomou o treino.
 
Enquanto isso, Cal Crutchlow avançou para o quarto posto combinado ao baixar seu tempo de volta para 1min21s718, 0s315 atrás de Folger.
Pouco depois, Pedrosa sofreu uma queda sem maiores consequências físicas na curva um. O espanhol tinha o sexto posto no resultado combinado dos treinos.
 
Com um par de pneus médios, Márquez começou a avançar na tabela e se instalou no segundo posto, 0s145 atrás de Folger.
 
Com pouco mais de 20 minutos para o fim da sessão, Rossi voltou para a pista com seu chassi preferido e partiu para um ataque a tabela. O #46 tinha o 16º posto no resultado combinado, 1s038 atrás de Folger.
 
Quem, por outro lado, já tinha conseguido uma vaga no top-10 combinado era Jack Miller, que aparecia em oitavo, 0s432 atrás do #94.
Yamaha exibiu uma carenagem diferente neste sábado (Foto: Reprodução)
Calçado com pneus macios, Rossi logo melhorou sua marca, mas apenas o suficiente para avançar para a 14ª colocação. No giro seguinte, porém, o multicampeão saltou para o segundo lugar, 0s093 atrás de Folger. Márquez era terceiro, à frente de Dovizioso e Petrucci, que também melhorou. Mais atrás, Pol Espargaró se instalou no 12º posto, 0s542 atrás do líder.
 
Último nos dois treinos de sexta-feira, Iannone vinha tentando melhorar, mas tinha apenas o 16º tempo, 0s698 atrás do líder. O #29 está apanhando um pouco nesta primeira temporada com a GSX-RR da Suzuki.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Usando um pneu duro na traseira da M1, Viñales anotou 1min21s376 e passou a liderar a trinca da Yamaha no topo da tabela, 0s027 melhor que Folger. Lorenzo subiu para a quarta colocação.
 
Pouco depois, Aleix Espargaró acabou com o domínio da Yamaha e colocou a Aprilia na segunda colocação, 0s017 mais lento que Viñales. O #41 fez uma nova tentativa e, com um pneu médio na frente e um macio atrás, cravou 1min21s209 para assumir a ponta e abrir 0s167 de vantagem para Viñales.
 
Restando pouco menos de oito minutos para o fim, Petrucci sofreu uma queda na última curva de Sachsenring, mas não se feriu. O italiano, porém, não conseguiu voltar para a pista com a GP17 e teve de ir a pé para os boxes.
 
Logo na sequência, Zarco caiu na curva 11, mas tampouco se machucou, apesar de ter ficado no meio de muita poeira ao escorregar na brita atrás da M1 da Tech3.
Perigando ficar fora do top-10, Crutchlow lançou mão de um novo pneu macio traseiro e saltou para o segundo posto, 0s087 atrás de Aleix.
 
Logo depois, Márquez alcançou 1min20s745 e assumiu o comando da sessão, abrindo 0s464 de margem para Aleix. O #93 vem de sete vitórias seguidas em Sachsenring — contando aí as categorias menores.
 
Folger reagiu e escalou para o terceiro lugar, mas logo perdeu a posição para Crutchlow, que foi 0s016 mais rápido. 
 
Com pouco mais de um minuto para o fim, o top-10 combinado era formado por Márquez, Aleix, Crutchlow, Folger, Viñales, Dovizioso, Rossi, Pedrosa, Bautista e Lorenzo.
 
Com pneu macio na traseira da M1, Viñales chegou a 1min20s915 e subiu para o segundo posto, 0s170 atrás de Márquez.
 
Já com a bandeira quadriculada tremulando em Sachsenring, Folger saltou para terceiro, com Rossi subindo para sexto.
 

#GALERIA(7095)

MotoGP, GP da Alemanha, Sachsenring, Terceiro treino livre:

1 93 MARC MÁRQUEZ ESP HONDA 1:20.745  
2 25 MAVERICK VIÑALES ESP YAMAHA 1:20.915 +0.170
3 94 JONAS FOLGER ALE TECH3 YAMAHA 1:21.198 +0.453
4 41 ALEIX ESPARGARÓ ESP APRILIA 1:21.209 +0.464
5 35 CAL CRUTCHLOW ING LCR HONDA 1:21.275 +0.530
6 46 VALENTINO ROSSI ITA YAMAHA 1:21.311 +0.566
7 99 JORGE LORENZO ESP DUCATI 1:21.373 +0.628
8 4 ANDREA DOVIZIOSO ITA DUCATI 1:21.422 +0.677
9 26 DANI PEDROSA ESP HONDA 1:21.480 +0.735
10 19 ÁLVARO BAUTISTA ESP ASPAR DUCATI 1:21.497 +0.752
11 53 TITO RABAT ESP MARC VDS HONDA 1:21.608 +0.863
12 9 DANILO PETRUCCI ITA DUCATI 1:21.623 +0.878
13 8 HECTOR BARBERÁ ESP AVINTIA DUCATI 1:21.658 +0.913
14 43 JACK MILLER AUS MARC VDS HONDA 1:21.835 +1.090
15 45 SCOTT REDDING ING PRAMAC DUCATI 1:21.897 +1.152
16 42 ÁLEX RINS ESP SUZUKI 1:21.925 +1.180
17 5 JOHANN ZARCO FRA TECH3 YAMAHA 1:21.934 +1.189
18 44 POL ESPARGARÓ ESP KTM 1:21.945 +1.200
19 29 ANDREA IANNONE ITA SUZUKI 1:22.018 +1.273
20 76 LORIS BAZ ESP AVINTIA DUCATI 1:22.089 +1.344
21 38 BRADLEY SMITH ING KTM 1:22.350 +1.605
22 36 MIKA KALLIO FIN KTM 1:22.380 +1.635
23 22 SAM LOWES ING APRILIA 1:22.569 +1.824
24 17 KAREL ABRAHAM RTC ASPAR DUCATI 1:22.724 +1.979
             
RECORDE MARC MÁRQUEZ ESP HONDA 1:21.530 162.0 km/h
MELHOR VOLTA MARC MÁRQUEZ ESP HONDA 1:20.336 164.5 km/h
             
    Condições do tempo   PISTA SECA   ar: 17°C | pista: 21ºC

POLÊMICA MOSTRA QUE VETTEL PISOU NA BOLA E HAMILTON FOI MALANDRO EM BAKU

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height:
0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute;
top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube