Márquez escapa no fim e vence prova de tirar o fôlego na Austrália. Dovizioso erra, é só 13º e se complica no campeonato

Marc Márquez aproveitou uma disputa entre Valentino Rossi, Johann Zarco e Andrea Iannone para escapar nas voltas finais e vencer pela sexta vez no ano. Vice-líder do Mundial, Andrea Dovizioso errou ainda nos primeiros giros e só conseguiu o 13º lugar

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Phillip Island, mais uma vez, foi palco de uma corrida de tirar o fôlego. Nesta 29ª edição do GP da Austrália ― a 23ª no circuito de Victoria ―, a MotoGP viu um primeiro pelotão de oito pilotos até os giros finais, mas foi Marc Márquez quem levou a melhor ao aproveitar uma briga pelo segundo posto para escapar na ponta em direção ao sexto triunfo do ano.
 
Na sempre maravilhosa terra dos irmãos Hemsworth, a corrida da MotoGP teve um início frenético, com Márquez, Jack Miller, Rossi e Johan Zarco puxando o pelotão só nos primeiros 12 giros. Com o passar dar voltas, porém, a situação seguia absolutamente inalterada, com um enorme pelotão se mantendo juntinho na briga pela vitória.
A classificação do Mundial de Motovelocidade após o GP da Austrália
Marc Márquez escapou nos giros finais e venceu a sexta no ano (Foto: Michelin)
Nas voltas finais, porém, Márquez conseguiu aproveitar uma disputa entre Rossi, Zarco e até Andrea Iannone para abrir vantagem e consolidar seu triunfo. O #46, então, conseguiu superar a concorrência e, ainda se recuperando de uma fratura dupla na perna direita, recebeu a bandeirada em segundo, 1s799 atrás do #93.
 
Maverick Viñales, por sua vez, chegou a brigar pela ponta e cair no pelotão, mas aproveitou os metros finais para dar o bote e conquistar o terceiro posto, superando Johann Zarco na linha de chegada por apena 0s016.
Cal Crutchlow fez uma prova mais discreta, mas recebeu a bandeirada em quinto, à frente de Iannone. Pouco mais de três semanas após fraturar a tíbia da perna direita em um acidente em uma sessão de treinos, Miller impressionou, mas perdeu terreno e acabou apenas em sétimo.
 
Álex Rins chegou a rodar boa parte da disputa no primeiro pelotão, mas acabou em oitavo, mais de 6s atrás do australiano da Marc VDS. Pol Espargaró colocou a KTM na nona colocação, com Bradley Smith fechando o top-10.
 
Vice-líder do Mundial, Andrea Dovizioso sofreu um importante revés ainda nos primeiros giros em Phillip Island. Na segunda volta, o #4 errou a freada na Doohan, a primeira curva do circuito de Victoria, e despencou para o 20º posto. O #4 chegou a escalar até a 11ª posição, mas recebeu a bandeirada apenas em 13º, atrás ainda de Scott Redding e Dani Pedrosa.
Com o resultado, Márquez chegou aos 269 pontos, 33 a mais que Dovizioso, o que significa que o #93 pode fechar o Mundial já na Malásia na próxima semana. Viñales tem 50 pontos de atraso para o líder, à frente de Rossi, que passou Pedrosa pela quarta colocação no campeonato.
 

Saiba como foi o GP da Austrália de MotoGP:
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

A chuva não quer mesmo dar trégua à MotoGP. Intermitente ao longo dia, a chuva recomeçou na hora da classe rainha, impondo um desafio extra aos 23 pilotos do grid. A temperatura, por outro lado, não tinha nada de irregular, já que permaneceu bem baixa ao longo de todos os dias. Às vésperas da largada, os termômetros marcavam 16°C, com o asfalto chegando a 30°C. A velocidade do vento era de 18 km/h.
 

Rei das poles de 2017, Marc Márquez tinha o lugar de honra no grid pela quinta vez no ano e pela quarta vez consecutiva em Phillip Island. Maverick Viñales vinha na sequência, com Johann Zarco completando o top-3.
 
Em seu melhor resultado desde o segundo lugar no Catar na abertura da temporada, Andrea Iannone tinha a quarta colocação, à frente de Jack Miller, que iguala sua melhor posição de largada na MotoGP pouco mais de 20 dias depois de fraturar a tíbia da perna direita.
 
Em um ano de constante evolução para a estreante KTM, Pol Espargaró fecha a segunda fila, logo à frente de Valentino Rossi e do irmão Aleix. Bradley Smith tem o nono posto, com Cal Crutchlow completando o top-10.
 
Vice-líder do Mundial, Andrea Dovizioso aparece como melhor Ducati, mas apenas na 11º colocação, seu pior resultado desde o 14º posto de Jerez de la Frontera. É a primeira vez desde 2006 que a casa de Bolonha fica fora do top-10 do grid da Austrália.
 
16º no grid, Jorge Lorenzo sofreu uma forte queda no TL3 e apareceu na pista de Victoria nesta manhã usando muletas por conta de uma entorse no tornozelo esquerdo.
 
Para este domingo, a Michelin levou para Phillip Island os slicks macios, médios e duros, todos em configuração assimétrica, com a borracha mais dura no lado esquerdo do pneu. Em caso de chuva, os pilotos optariam entre extramacios e macios, com apenas a versão mais mole dos calçados traseiros montados de forma assimétrica.
 
Com as condições mudando durante todo o dia em Phillip Island, todos os pilotos optaram por deixar a moto reserva preparada para chuva. Bem, quase todos, pois Álex Rins foi a exceção.
 
Já no grid houve mudanças de última hora dos pneus, com Márquez optando por uma borracha macia traseira. Rossi, Dovizioso, Petrucci e Parkes são os únicos do grid que optaram por pneus médios dianteiro e traseiro.
 
Assim que as luzes apagaram no circuito australiano, Márquez fez uma boa largada, mas na segunda curva, era Miller quem liderava a prova. Viñales era o terceiro, com Pol Espargaró em quarto e Rossi em quinto.
 
Enquanto isso, mais para trás, Dovizioso acabou sofrendo um grande revés ainda nas voltas iniciais. O piloto acabou escapando da pista e, com isso, foi para a 20ª posição, precisando apostar em uma corrida de recuperação.
 
A prova estava bastante movimentada nos minutos iniciais. Zarco vinha bastante agressivo no traçado, mas quando foi aproveitar a ultrapassagem de Viñales em cima de Márquez, acabou errando e caindo para quinto. Quem aproveitou o bolo foi Rossi, que pulou para terceiro.

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Com quatro giros completos, o #46 deu uma bela ultrapassada em cima de seu companheiro de equipe. Por dentro, o italiano tomou a segunda colocação e começou a caçada em cima do australiano líder.
 

Foi quando os pilotos estavam na reta principal, na abertura da quinta volta, a dupla da Yamaha veio junto para ir para cima do #43. Viãnles ficou com a ponta, com Rossi em segundo. Mas o já experiente piloto não deixaria barato, superando-o logo em seguida e tornando-se o mais novo líder da corrida.
 
Mais para trás, Márquez aproveitava para entrar no ataque em cima do Miller e conquistava o último degrau do pódio. Enquanto isso, Zarco subia para o quarto, enquanto Márquez dava o bote e ultrapassava Maverick.
 
Zarco estava com sangue nos olhos. Com faca nos dentes, o francês não deixava barato para ninguém. Com 20 giros para o final, o titular da Tech3 já era o segundo e pouco depois ultrapassou Rossi. Márquez veio junto e jogou o italiano para terceiro.
 
Mais para trás do pelotão, Dovizioso vinha fazendo sua prova de recuperação. O piloto já estava em 11º, posição em que largou. Ele chegou a encontrar seu companheiro Lorenzo no traçado, mas o espanhol não mostrou resistência para o #04.
 
Faltando 18 voltas para acabar, Zarco era o primeiro colocado, seguido por Márquez. Miller aparecia em terceiro, com Rossi e Viñales completando o top-5 daquele momento.
 
A briga pelas posições do pódio estava bastante animada. Valentino deu o bote em cima de Márquez para tomar o segundo posto. O italiano agora vinha para cima de Zarco, e em jogada certeira, assumiu a ponta do pelotão.
 
Os quatro primeiro colocados estavam muito próximos. Johann e Marc protagonizavam um quente embate, trocando posições constantemente. Enquanto isso, Viñales assistia tudo de camarote, logo atrás da dupla.
Com 11 voltas para o fim, o #5 mostrou que não estava para brincadeira em Phillip Island. O francês mais uma vez atacou o #46, obtendo êxito e conseguindo mais uma vez a primeira colocação.

Enquanto isso, Márquez estava em maus lençóis. Iannone apareceu para dificultar a vida do espanhol, segurando ele na quinta colocação. Mas não por muito tempo, pois o #93 daria um jeito de assumir o quarto posto.
 

A briga na ponta estava emocionante. Viñales deu um salto e abocanhou de uma só vez Rossi e Zarco, sendo o novo líder da prova. Nisso, Valentino assumiu a segunda colocação, enquanto Márquez aproveitou o bolo para assumir a terceira colocação. No momento, Johann aparecia em quinto.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Fazendo jus ao final de semana apagado da Ducati, Dovizioso mal parecia estar brigando por um título. Após assumir a 11ª colocação, o italiano estacionou, sem ir para frente ou para trás.
 

Faltavam oito voltas para o fim e a briga seguia fervendo no traçado australiano. Viñales era o primeiro, seguido por Márquez, Rossi, Zarco e Iannone. Os cinco estavam disputando constantemente a ponta do pelotão.
 
Mas as posições anteriores pouco importavam, já que os pilotos estavam todos muito próximos. Márquez era líder, mas tinha uma vantagem insignificante para Rossi. Mais para trás, Viñales cometeu um erro que lhe custou caro, e o piloto caiu para sétimo.
A corrida já estava na reta final, com menos de cinco giros para a bandeira quadriculada. Márquez era o primeiro, com Zarco em segundo, Rossi, Iannone e Crutchlow completando o rol dos cinco melhores do momento.
 
Mas Rossi mostrava que estava com o sangue fervendo na disputa. Mais uma vez protagonizou uma bela ultrapassagem em cima de Zarco, tomando o segundo posto do francês. O italiano estava se aproximando do #93.
 
A corrida estava acabando, mas a garra dos pilotos não. De repente Iannone deu um boe no pelotão da frente para subir para terceiro. Zarco tentou ultrapassar o #29 e, em um movimento arriscado, quase caiu. Sem sucesso, o piloto seguiu na caçada do titular da Suzuki. Enfim, ele tomou o segundo lugar.
 
Mas Rossi não quis ficar de fora da emocionante briga. O italiano chegou e ultrapassou Iannone, pouco depois aproveitou e ainda cresceu em cima de Johann, ficando atrás apenas de Márquez.
 
O #93 nem consciência tinha de todo o embate que estava atrás dele. Ele já havia aberto uma vantagem de 2s009 para o restante dos pilotos. 
 
Era a última volta e o #5 ainda não havia aliviado para o #46. O piloto dava constantes investidas em cima do titular da Yamaha, que fechava a porta e não dava abertura para o competidor.
 
Após uma emocionante prova, ainda sobrou uma grande ultrapassagem nosmetros finais. Sem perceber a aproximação de Viñales, Zarco deu abertura e viu o #25 superá-lo, o deixando fora do pódio.
 
Depois de uma corrida de tirar o fôlego, foi Márquez quem venceu a corrida, com Rossi em segundo e Viñales completando o top-3. Dovizioso sofreu um grande revés em seu campeonato, terminando apenas em 13º.

MotoGP, GP da Austrália, Phillip Island, Corrida:
1 93 MARC MÁRQUEZ ESP HONDA 40:49.772 27 voltas
2 46 VALENTINO ROSSI ITA YAMAHA +1.799  
3 25 MAVERICK VIÑALES ESP YAMAHA +1.826  
4 5 JOHANN ZARCO FRA TECH3 YAMAHA +1.842  
5 35 CAL CRUTCHLOW ING LCR HONDA +3.845  
6 29 ANDREA IANNONE ITA SUZUKI +3.871  
7 43 JACK MILLER AUS MARC VDS HONDA +5.619  
8 42 ÁLEX RINS ESP SUZUKI +12.208  
9 44 POL ESPARGARÓ ESP KTM +16.251  
10 38 BRADLEY SMITH ING KTM +16.262  
11 45 SCOTT REDDING ING PRAMAC DUCATI +21.652  
12 26 DANI PEDROSA ESP HONDA +21.668  
13 4 ANDREA DOVIZIOSO ITA DUCATI +21.692  
14 17 KAREL ABRAHAM RTC ASPAR DUCATI +26.110  
15 99 JORGE LORENZO ESP DUCATI +26.168  
16 53 TITO RABAT ESP MARC VDS HONDA +26.252  
17 19 ÁLVARO BAUTISTA ESP ASPAR DUCATI +36.377  
18 76 LORIS BAZ ESP AVINTIA DUCATI +39.654  
19 22 SAM LOWES ING APRILIA +40.400  
20 8 HECTOR BARBERÁ ESP AVINTIA DUCATI +45.901  
21 9 DANILO PETRUCCI ITA DUCATI +48.768  
22 23 BROC PARKES AUS TECH3 YAMAHA +57.711  
23 41 ALEIX ESPARGARÓ ESP APRILIA NC  
             
POLE MARC MÁRQUEZ ESP HONDA 1:28.386 181.1  km/h
VOLTA MAIS RÁPIDA JOHANN ZARCO FRA TECH3 YAMAHA 1:29.572 178.7 km/h
RECORDE MARC MÁRQUEZ ESP HONDA 1:28.108 181.7 km/h
MELHOR VOLTA JORGE LORENZO ESP YAMAHA 1:27.899 182.1 km/h
             
    Condições do tempo   PISTA SECA   ar: 16ºC | pista: 29ºC
 
 

#GALERIA(7220)

RITMO DE FESTA

PADDOCK GP CHEGA À EDIÇÃO 100 COM HISTÓRIAS IMPERDÍVEIS DE EDGARD MELLO FILHO

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height:
0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute;
top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube