MotoGP

Márquez exalta 'pegas' com Lorenzo, fala em “relação profissional” e descarta rixa no estilo Senna/Prost

Jorge Lorenzo vai ser companheiro de Marc Márquez a partir de 2019 e, apesar de dois grandes nomes dentro da Honda, isso não preocupa o pentacampeão. O #93 afirmou que ambos sempre tiveram bom relacionamento e disse não acreditar que uma grande rivalidade vai nascer entre eles
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 Marc Márquez e Jorge Lorenzo (Foto: Repsol)
Marc Márquez mostrou zero preocupação em como vai ser sua relação com Jorge Lorenzo a partir de 2019. Apesar de reconhecer que os dois vão protagonizar boas brigas dentro das pistas, acredita que pode ter uma relação amigável fora delas.
 
A chegada do piloto de Palma de Maiorca à Honda já traz grandes expectativas para a MotoGP. Ao mesmo tempo, estimula as suposições de que os dois espanhóis vão ter um relacionamento bastante conturbado na equipe.
 
Ao perguntarem para o pentacampeão se eles poderão ter uma rivalidade tão intensa quanto a de Ayrton Senna e Alain Prost na McLaren em 88 e 89, Márquez foi bastante direto: “não”.
Marc Márquez (Foto: Repsol)
“Acho que, claro, na pista ambos os pilotos querem vencer o título, os dois querem estar na frente. E ambos vão tentar dar 100%. Mas fora da pista somos companheiros de equipe, mesmo até agora tivemos ótimas brigas na Áustria, em Brno, e tivemos uma relação profissional”, disse.
 
“Claro que ele é mais maduro do que eu, pois teve mais experiência, mas no fim, dentro da pista é uma coisa, mas fora dela você pode ter um bom relacionamento como tenho com [Andrea] Dovizioso”, continuou.
 
Logo após a última etapa do campeonato, em Valência, os pilotos já foram para a pista para os primeiros testes pré-temporada, também na cidade espanhola. Nos dois dias de atividades, Marc ficou em segundo e terceiro.
 
E por ter sido um dos mais rápidos, não olhou para os dados de Jorge. “Eu não chequei [os dados], pois durante todo o dia, como é normal nos primeiros dias, fui mais veloz do que ele. Então não chequei no momento. Estava concentrado em meu lado da garagem”, encerrou.