MotoGP

Márquez justifica postura defensiva no fim do GP da Itália: “Se Dovizioso vencesse, seria pior para o campeonato”

Marc Márquez cruzou a linha de chegada do GP da Itália na segunda colocação. No final, decidiu se defender ao invés de atacar Danilo Petrucci, postura justificada pelo espanhol que não queria permitir uma possível ultrapassagem de Andrea Dovizioso

Warm Up / Redação GP, de São Paulo
Marc Márquez se contentou com uma segunda colocação no GP da Itália no domingo. Após a corrida em Mugello, o espanhol afirmou que preferiu se defender ao invés de atacar no final para não permitir uma possível ultrapassagem de Andrea Dovizioso.
 
Desde a largada da disputa, a dupla da Ducati, o espanhol da Honda e Álex Rins se envolveram em uma intensa briga para conseguir o triunfo. A ponta do pelotão passou por diversas trocas, mas foi o #9 quem subiu no degrau mais alto do pódio em sua primeira vitória na MotoGP.
 
O lance decisivo veio na última volta, quando Danilo fez uma ultrapassagem dupla em cima de Andrea e Marc para reassumir o primeiro posto. Depois, o pentacampeão explicou que achou melhor não tentar dar o troco em cima do italiano.
Danilo Petrucci, Andrea Dovizioso e Marc Márquez (Foto: Divulgação/MotoGP)
“Quando vi que Danilo era o primeiro, eu estava em segundo e Dovi era o terceiro [após a ultrapassagem na curva 1 na última volta], pensei ‘ok, não vou tentar, vou apenas me defender’”, apontou.
 
“Pois se eu tentasse e os dois abrissem demais, Dovi poderia vencer a corrida e então seria pior para o campeonato. Então, por essa razão, apenas fiquei atrás de Danilo. Apenas tentei no final com o vácuo, mas sabia que seria bastante difícil”, completou.
 
Por fim, Márquez comemorou o resultado considerado positivo na Itália. “Estou feliz porque em nossa pior corrida terminamos em segundo e conseguimos 20 pontos. Tentei no início usar meu ritmo, mas tive dois pequenos momentos e pensei ‘hoje não é o dia [de escapar]. Vou seguir e tentar na última volta’”, frisou.
 
“A coisa mais importante [para o campeonato] é que quando estamos sofrendo e não estamos bem, somos capazes de terminar em segundo, 0s043 atrás do primeiro. Estamos lá o tempo todo, em todas as condições”, encerrou.