MotoGP

Márquez pede melhora no chassi e alerta para avanço de rivais, mas vê Honda em “uma boa posição”

Completados os testes de Jerez de la Frontera, Marc Márquez avaliou que a Honda precisa melhorar o chassi da RC213V e se manter atenta à evolução de Yamaha, Ducati e Suzuki. O #93, no entanto, considerou que a marca da asa dourada está em uma boa posição
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 Marc Márquez (Foto: Repsol)
Marc Márquez completou a fase final de testes de 2018 satisfeito com os rumos da Honda. Mesmo alerta para a evolução da concorrência, o #93 avaliou que a montadora nipônica entra de férias em uma boa posição com a RC213V.
 
Depois de fechar os testes de Valência com o terceiro tempo ― 0s154 atrás do líder Maverick Viñales ―, Márquez completou os exercícios de Jerez de la Frontera na mesma terceira colocação, mas com só 0s025 de atraso para Takaaki Nakagami, o líder dos trabalhos.
Marc Márquez quer melhora no chassi da RC213V (Foto: Repsol)
“Em relação ao segundo dia, estou muito, muito feliz, porque talvez tenha sido um dos melhores dias da pré-temporada, na maneira como trabalhamos. Em Valência nós também trabalhamos muito bem”, disse Márquez. “No primeiro dia, nós trabalhamos bem, mas eu não estava pronto em termos de condição física, porque estava doente. Eu me sinto melhor, então pude trabalhar de uma maneira melhor. Nós testamos muitas coisas, conseguimos muitas informações sobre tudo: eletrônica, chassi, motor e até os pneus”, seguiu.
 
“Nós nos concentramos o dia todo no traseiro médio, no traseiro duro, que ninguém usou, apenas para entender e nos prepararmos para a próxima temporada. No fim, foi um bom dia para nós e estou feliz com a forma como estamos trabalhando”, celebrou.
 
Mesmo atento à evolução das marcas rivais, Márquez fez um balanço positivo do trabalho da Honda e avaliou que a RC213V pode chegar ainda melhor ao teste da Malásia, marcado para o início de fevereiro.
 
“Acho que estamos em uma boa posição”, avaliou o #93. “A questão é que a pré-temporada é ainda muito longa e agora é hora de pegar todas as informações e ver como Honda, Yamaha, Ducati e Suzuki são capazes de melhorar para a Malásia”, seguiu.
 
“Eles podem trabalhar muito em dois meses e vai ser outro passo, então é com isso que precisamos ter cuidado e estarmos prontos em caso de melhora dos outros”, alertou. “Mas parece que a Ducati está trabalhando bem. A Yamaha tem um pouco mais de dificuldade com o ritmo, mas eles são muito rápidos em uma volta”, pontuou. 
 
Questionado sobre quais aspectos da RC213V espera que a HRC consiga melhorar para o teste de Sepang, Marc respondeu: “Claro, melhoramos na área do motor. Ainda precisamos melhorar mais, porque ainda tenho um pouco de dificuldade em algumas áreas”.
 
“Mas agora nós temos de entender como melhorar o chassi, porque perco velocidade em algumas áreas”, indicou. “Nós precisamos analisar, entender como melhorar, porque foi um dos pontos problemáticos durante a temporada 2018. E, também com essa nova moto, nós tivemos o mesmo problema, porque é o mesmo. Agora é hora de analisar e tentar coisas diferentes”, concluiu.