Márquez resiste a ataque inicial de Quartararo, escapa na ponta e vence no Japão

Fabio Quartararo até tentou, mas Marc Márquez anulou rapidamente o esforço do francês e aproveitou a segunda metade do GP do Japão para escapar definitivamente na ponta e vencer pela décima vez na temporada 2019. Andrea Dovizioso ficou com o terceiro posto

A conquista antecipada do título da temporada da MotoGP não tirou a fome de Marc Márquez. Dono da pole-position, o #93 resistiu ao ataque inicial de Fabio Quartararo e tratou de escapar na ponta do GP do Japão para conquistar na casa da Honda sua décima vitória campanha de 2019.
 
Quando as luzes se apagaram na reta de Motegi, os 51.123 espectadores viram Márquez manter a ponta, mas logo ser superado por Quartararo. Ainda na primeira volta, porém, o #93 retomou o comando da corrida.
 
De volta ao topo da folha de tempos, Márquez apertou o ritmo e abriu 1s2 de margem para Quartararo após apenas duas voltas. O piloto da SIC, então, tentou imprimir um ritmo mais forte para recortar a diferença, que caiu para 0s880 após cinco voltas.
Marc Márquez (Foto: Red Bull Content Pool)
O campeão antecipado, porém, também conseguiu apertar o passo, voltando a abrir vantagem em relação ao #20. Na metade da corrida, Márquez conseguiu levar a diferença para 1s5 e tratou de se afastar mais pouco depois.
 
Enquanto a disputa pela ponta não acontecia, o terceiro posto era bastante mais atrativo, já que Andrea Dovizioso vinha caçando Franco Morbidelli, com Maverick Viñales preparado para dar o bote logo atrás.
 
Na 14ª volta, Dovizioso conseguiu tomar o terceiro posto de Morbidelli. Dois giros depois, foi a vez de Viñales superar o #21. O piloto da Yamaha, então, passou a tentar tomar a posição do #4.
Trabalhando bem na defesa da posição, Andrea conseguiu não só afastar o #12, mas também se aproximar de Quartararo. Na última volta, o italiano tinha 0s7 de atraso para o francês, mas Fabio conseguiu manter a posição e assegurou o título de melhor estreante com um segundo lugar.
 
Viñales, então, acabou no quarto posto, seguido por Cal Crutchlow, que passou Franco Morbidelli com a potência do motor Honda na linha e chegada. Álex Rins ficou em sétimo, escoltado por Joan Mir. Danilo Petrucci foi o nono, com Jack Miller recebendo a bandeirada em décimo.
 
Na casa da Honda, Jorge Lorenzo teve mais uma atuação ruim e recebeu a bandeirada apenas em 17º, 40s410 atrás do companheiro de equipe.
 
Valentino Rossi, por outro lado, teve um domingo ainda pior. Décimo no grid, o #46 não conseguiu avançar e vinha brigando com Petrucci pelo nono posto quando, com quatro voltas para o fim, caiu e abandonou a corrida.
 
Paddockast #38
CORRIDAS POLÊMICAS DA HISTÓRIA DA FÓRMULA 1

Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

Saiba como foi o GP do Japão de MotoGP:
 
A ilha de Honshü deixou para trás o céu nublado e amanheceu com um dia mais aberto neste domingo. Mesmo com algumas nuvens no céu, a temperatura subiu e, pouco antes da largada, estava na casa dos 22°C, com o asfalto chegando a 28°C. A velocidade do vento era de 13 km/h.
 
Pela primeira vez em Motegi na classe rainha do Mundial de Motovelocidade, Marc Márquez tinha a pole-position, a 62ª do espanhol em 124 GPs na MotoGP.
 
Igualando seu melhor resultado na categoria, Franco Morbidelli tinha o segundo posto, à frente de Fabio Quartararo e Maverick Viñales. Assim, é a quarta vez no ano que três Yamaha aparecem no top-4 do grid da MotoGP.
 
Em seu melhor resultado desde o GP da Argentina, Cal Crutchlow tinha o quinto posto, escoltado por Jack Miller e Andrea Dovizioso, que fez a pole em Motegi no ano passado. Danilo Petrucci vem na sequência, com Valentino Rossi fechando o top-10.
 
Neste fim de semana, a Michelin manteve a tradicional alocação de pneus slicks macios, médios e duros, com os traseiros todos em configuração assimétrica, com a borracha mais resistente do lado esquerdo do pneu. Em caso de chuva, a escolha seria entre os calçados macios e médios, também com os traseiros assimétricos.
 
Apesar de a corrida ser prevista para acontecer em condições secas, Márquez completou a volta de aquecimento antes de ir ao grid com pneus de chuva.
Luzes se apagaram em Motegi e a última corrida foi autorizada. Márquez fez boa saída para seguir na ponta, enquanto Quartararo ficou em segundo. Já Morbidelli não saiu bem, caindo para o quinto posto.

Não demorou o final da primeira volta e o francês da SIC conseguiu dar o bote em cima do titular da Honda para tomar a ponta. Mas não por muito tempo, pois o #93 daria o troco em cima do #20.

Enquanto isso, Miller, que estava na terceira colocação, tentou se adiantar em cima do jovem piloto, mas sem sucesso. Melhor para Morbidelli, que aproveitou uma vacilada do australiano para voltar para terceiro.
 

Marc já começava a se afastar do restante do pelotão e vinha com um respiro de 0s540. Quartararo, Morbidelli, Miller, Dovizioso, Crutchlow, Viñales, Petrucci, Mir e Aleix Espargaró fechavam o top-10. 
 
As coisas estavam bastante agitadas nas primeiras colocações do pelotão. Enquanto o hexacampeão já estava estabelecido em primeiro, os pilotos estavam em uma grande disputa pelos postos do pódio. Miller, o terceiro, e Morbidelli, o quarto, estavam engajados na batalha, com Dovizioso acompanhando de perto a dupla.

Depois de toda a emoção dos primeiros giros, as coisas começaram a se estabelecer no Japão. Márquez já tinha 0s880 para Quartararo, o segundo colocado. No momento, Miller conseguia se segurar no terceiro posto.

Mais para trás do pelotão, Rossi vinha em uma corrida de recuperação. Depois de começar em décimo e não ter uma saída muito boa, o italiano caiu para 14º. Com 18 voltas para o fim, conseguiu subir dois postos e era o 12º.
 
O #4 da Ducati então cometeu um breve erro. O italiano escapou rapidamente da pista e passou pela grama. Mas para sua sorte, Viñales não conseguiu aproveitar o erro para tomar o posto.

Mas o espanhol estava disposto a assumir a quinta colocação. O titular da Yamaha tentava usar como podia o vácuo a seu favor, mas não se aproximava o suficiente para consumar a ultrapassagem.
 

Morbidelli ocupava a quarta colocação, enquanto Dovizioso era o quinto e Viñales era o sexto. Enquanto as três posições do pódio estavam muito a frente, o trio estava bastante próximo. Inclusive, quando Andrea tentou passar Franco, sem sucesso, viu Maverick se adiantar por um breve momento.
Finalmente, quando restavam 15 voltas para a bandeira quadriculada, Morbidelli alcançou o australiano da Pramac e tomou para si a terceira posição. Dovizioso até tentou seguir o ítalo-brasileiro, mas não conseguiu superar.
 
Mas não iria demorar muito, pois Andrea conseguiu dar o bote alguns metros a frente para se apossar da quarta colocação.
 
A ordem na pista era de Márquez líder com 1s084 de vantagem, com Quartararo em segundo e Morbidelli fechando o pódio. Dovizioso, Viñales, Miller, Crutchlow, Rins, Petrucci e Mir completavam o top-10.
Outra briga que começava a se desenhar na pista nipônica era a de Valentino em cima de Petrucci. O titular da Yamaha se aproximava ameaçadoramente do adversário da Ducati para ficar com o déximo posto.
 
Mais na frente, a disputa pelo degrau mais baixo do pódio também esquentou. Dovizioso alcançou Morbidelli e conseguiu passar o #21, beliscando um top-3. Enquanto isso, Maverick vinha na caçada do piloto da SIC.

Com a corrida na reta final, as coisas seguiam emocionantes em Motegi. Na curva 1, Viñales fez a investida em cima de Morbidelli para, enfim, ultrapassar o ítalo-brasileiro.
 

Restavam apenas oito voltas para a bandeira quadriculada. A ordem na pista era Márquez, Quartararo, Dovizioso, Viñales, Morbidelli, Rins, Crutchlow, Miller e Petrucci completando os dez primeiros.
Viñales estava disposto a subir ao pódio no Japão. Na casa da Yamaha, o espanhol começou a caçada em cima do adversário italiano, mas sem conseguir se aproximar o suficiente para consumar a ultrapassagem. Na estratégia de pneus, Dovizioso escolheu macio dianteiro e médio traseiro, enquanto Viñales foi de médio na frente e macio atrás.
 
Márquez vinha apresentando ritmo impressionante durante a corrida. Com seis voltas para o fim, tinha vantagem de 2s251 para o segundo colocado e nada menos que 13s800 para o décimo posto.
Viñales e Dovizioso vinham em uma emocionante briga. O espanhol chegou a emparalhar a moto ao lado do adversário, mas não foi o suficiente, mais uma vez, para ultrapassar. O #4 vinha sabendo se defender.
 
Valentino então teve o desfecho para o domingo para esquecer no Japão. Com apenas quatro giros para a bandeira quadriculada, o italiano acabou levando um tombo e abandonando.

Mas todos os olhos estavam voltados para a briga pelo degrau mais baixo do pódio. Ainda não era possível apontar quem iria terminar em terceiro, já que Maverick vinha cada vez mais ameaçando Andrea.

Nas últimas voltas, Dovizioso apertou ao máximo o acelerador para tentar tomar a segunda colocação de Morbidelli. Apesar de tirar de forma efetiva a diferença para o francês, não conseguiu ultrapassar.
 
Com isso, Márquez conseguiu sua décima vitória na temporada, com Quartararo mais uma vez terminando no pódio. Quem ficou com o terceiro posto foi Dovizioso, com Viñales e Crutchlow completando o top-5.
 
O resultado bastante positivo do titular da SIC ainda lhe garantiu o título de estreante do ano da MotoGP.

MotoGP 2019, GP do Japão, Motegi, Final: 
1 M MÁRQUEZ Honda 42:41.492 24 voltas
2 F QUARTARARO SIC Yamaha +0.870  
3 A DOVIZIOSO Ducati +1.325  
4 M VIÑALES Yamaha +2.608  
5 C CRUTCHLOW LCR Honda +9.140  
6 F MORBIDELLI SIC Yamaha +9.187  
7 A RINS Suzuki +9.306  
8 J MIR Suzuki +10.695  
9 D PETRUCCI Ducati +14.216  
10 J MILLER Pramac Ducati +18.909  
11 P ESPARGARÓ KTM +25.554  
12 M OLIVEIRA Tech3 KTM +27.870  
13 F BAGNAIA Pramac Ducati +29.983  
14 M KALLIO KTM +31.232  
15 A ESPARGARÓ Aprilia Gresini +32.546  
16 T NAKAGAMI LCR Honda +37.482  
17 J LORENZO Honda +40.410  
18 K ABRAHAM Avintia Ducati +43.458  
19 H SYAHRIN Tech3 KTM +46.206  
20 S GUINTOLI Suzuki +50.235  
  V ROSSI Yamaha NC  
  A IANNONE Aprilia Gresini NC  
         
VMR M MÁRQUEZ Honda 1:45.766 163.4 km/h
MV J LORENZO Yamaha 1:45.350 164.0  km/h
REC J LORENZO Yamaha 1:43.790 166.5 km/h
         
  Condições do tempo PISTA SECA   ar: 21ºC | pista:27ºC

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube