Martín bate Dixon no fim e lidera primeiros treinos livres da Moto2 do GP da França

O espanhol da KTM Ajo anotou tempo de 1min37s400, cerca de 14s mais veloz que na parte da manhã, e fechou o dia no topo da tabela. Jake Dixon e Marco Bezzecchi completaram o top-3

Jorge Martín fechou o primeiro dia de treinos livres da Moto2 como o mais rápido. Nesta sexta-feira (9), em Le Mans, o espanhol anotou o tempo de 1min37s400 para se colocar como o mais rápido na abertura das atividades para o GP da França.

Na primeira sessão do dia, a chuva se fez presente e as condições estavam bastante molhadas. Portanto, quando os pilotos voltaram para o traçado para a parte da tarde, as marcas caíram drasticamente.

Então, o piloto da KTM Ajo foi cerca de 14s mais rápido do que o tempo da parte da manhã, anotado por Kasma Daniel. Quem foi o segundo mais rápido do dia foi Jake Dixon, com Marco Bezzecchi completando os três primeiros da tabela.

Quem sofreu um verdadeiro golpe de azar foi Luca Marini. Líder da classificação, o italiano teve queda ainda nos primeiros minutos do segundo treino e precisou ser levado para o centro médico para exames. O treino chegou a ser interrompido para limpeza da pista.

Jorge Martín foi o mais rápido no primeiro dia de treinos em Le Mans (Foto: Red Bull Content Pool)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram.

Assim como na Moto3, a classe intermediária também começou a sessão com algumas quedas por conta do traçado molhado. O primeiro a ir ao chão foi o líder Luca Marini assim que deixou os boxes, com Andi Idzhar, Marcel Schrötter e Lorenzo Dalla Porta acompanhando o italiano pouco depois.

Mas os tempos começaram a pipocar na tabela e Hafizh Syahrin sendo o primeiro a se estabelecer na primeira colocação com 1min54s339. Com oito minutos de sessão completados, apenas pouco mais da metade do pelotão havia completado uma volta rápida.

Somkiat Chantra, Piotr Biesierkiski, Syahrin e Kasma Daniel engrossaram a lista de quedas. Nas condições do traçado, Hafizh seguia na ponta com 0s915 para Sam Lowes, segundo colocado. Mas na sétima volta cronometrada, Nicolò Bulega tratou de bater o malaio em apenas 0s053 para tomar a primeira posição.

O festival de quedas continuou e Fabio Di Giannantonio protagonizou um acidente impressionante. Na curva 14, o italiano sofreu um highside e antes de ir ao chão, bateu na parte dianteira da moto e destruiu o visor protetor. Após o ocorrido, seguiu caído com visível dor.

Com treino encerrado, Hector Garzó foi quem tratou de terminar na primeira posição com 1min51s279. Logo atrás, 0s356 mais lento veio Joe Roberts, com Daniel completando os três mais rápidos. Os minutos finais ainda reservaram novas quedas, dessa vez de Lowes e Roberts.

Diferente da Moto3, os pilotos da Moto2 não demoraram a sair para a pista quando o cronômetro começou a rodar. Após as primeiras voltas estabelecidas, Schrötter cravou 1min42s810 para ser o primeiro colocado.

Marini sofreu um forte revés ainda nos primeiros minutos da sessão. Na curva 5, o italiano foi arremessado da moto e voou antes de acertar o chão com violência. O piloto da VR46 saiu mancando e foi colocado na ambulância, enquanto o treino foi interrompido.

Com a continuidade da sessão, Jorge Martín tratou de anotar 1min39s030 para saltar para a primeira colocação. O tempo era quase 12s melhor que o mais rápido do primeiro treino, já que o asfalto estava em condições consideravelmente melhores.

Com a bandeira quadriculada, Jorge ficou como o mais rápido baixando ainda mais sua marca para 1min37s400. Quem veio em segundo foi Jake Dixon, 0s313 mais lento. Marco Bezzecchi, Lowes e Fernández fecharam o top-5.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube