Martín resiste à pressão de Canet e conquista segunda vitória da carreira na abertura da temporada da Moto3 no Catar

Jorge Martín suportou a pressão de Arón Canet nas voltas finais do GP do Catar e começou a temporada 2018 exatamente de onde parou no ano passado: no topo do pódio. Num pelotão bastante disputado, Lorenzo Dalla Porta levou a melhor e ficou com o terceiro posto

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Jorge Martín começou a temporada 2018 justamente de onde parou no ano passado: no topo do pódio. Neste domingo (18), o #88 superou a pressão de Arón Canet na parte final da disputa em Losail e conquistou seu segundo triunfo no Mundial de Moto3.
 
Dono da pole-position, Niccolò Antonelli até saiu bem e se manteve na ponta nos metros iniciais, mas o ‘holeshot’ foi mesmo para Martín, que mergulhou primeiro na curva um. O piloto da Gresini, então, tratou de imprimir um ritmo forte para tentar abrir vantagem na ponta, mas o pelotão manteve o tradicional estilo Moto3: com o pelotão bem grudado.
Jorge Martín conquistou a segunda vitória da carreira (Foto: Gresini)
Depois de quatro voltas, Enea Bastianini tomou a ponta de Martín, mas não conseguiu escapar e levou o troco na volta seguinte. Pouco depois, porém, o piloto da Leopard caiu na curva 6 ― para esquerda ― e, apesar de ter tentado, não conseguiu voltar para a prova.
 
Canet assumiu, então, à caçada a Martín e, ao invés de se engalfinharem na briga pela ponta, afastaram primeiro o segundo pelotão. Com nove giros para o fim, Arón fez um primeiro ataque, mas Jorge logo retomou a liderança.
 
Duas voltas depois, o #44 fez uma nova tentativa, mas, de novo, Martín se mostrou mais forte e voltou para a liderança. O espanhol da Estrella Galicia 0,0 não aliviou e tratou de recuperar a ponta no giro seguinte, desta vez sem dar chance de reação ao rival.
 
Dono de um ritmo impecável ao longo de todo o fim de semana, Martín recuperou o comando da disputa na volta seguinte e não deu mais chances para o rival. Arón até tentou na reta final, mas recebeu a bandeirada 0s023 atrás.
 
Superando um pelotão intensamente disputado, Lorenzo Dalla Porta ficou com a terceira colocação. 0s045 à frente de Antonelli, o quarto. Gabriel Rodrigo aparece na sequência, seguido por Fabio Di Giannantonio, Kaito Toba, Ayumu Sasaki, Jakub Kornfeil e Andrea Migno.
 
Entre os debutantes, Jaume Masià foi quem se deu melhor, com um 12º posto, seguido por Kazuki Masaki. Dennis Foggia ficou em 16º, com Makar Yurchenko em 19º. Alonso López caiu já nas voltas finais.
 

Saiba como foi o GP do Catar de Moto3:
 

Com a mudança na programação do fim de semana em Losail, os pilotos da Moto3 largaram ainda no fim da tarde catari, quando o relógio marcava 16h (10h de Brasília). Com o sol ainda brilhando no céu, os termômetros marcavam 26°C, com o asfalto chegando a 33°C. 
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

No 103º GP da carreira, Niccolò Antonelli tinha a pole-position ― a quinta dele ―, à frente de Jorge Martín e Gabriel Rodrigo, que aparece para quebrar o domínio da Honda. Ayumu Sasaki abre a segunda fila, seguido por Kaito Toba, o melhor resultado de ambos no grid da Moto3. Jakub Kornfeil fecha o top-6.
 

Todos os pilotos optaram por um par de pneus médios, exceto Bezzecchi, McPhee e Yurchenko, que calçaram a traseira com a borracha dura.
 
Assim que foi dada a largada, Antonelli se manteve na ponta após uma ótima largada. Quem acompanhava o pole-position era Gabriel Rodrigo, enquanto Martín era o terceiro colocado. Sasaki e Kornfeil completavam o top-5.
 
No entanto, o #23 não foi capaz de segurar os seus adversários, e nem terminou a primeira volta e Martín já havia assumido a liderança do pelotão, enquanto Rodrigo pulou para segundo. O titular da SIC58, entretanto, já era o quarto.
 
Após dois giros completados, o #88 já sustentava uma vantagem de 0s684 para o segundo colocado, Bastianini. Atrás da dupla vinha Canet, Dalla Porta e Rodrigo. A prova seguia bastante agitada na fase inicial.
 
Então, com 15 giros para o final, um golpe de falta de sorte acertou Darryn Binder e Philipp Oettl. Os pilotos acabaram se envolvendo em um incidente e, na curva 8, foram parar no chão. Apesar de fim da prova para a dupla, não sofreram danos físicos.
 
Enquanto isso, na ponta, a batalha estava intensa. Até que, após cinco voltas completadas, uma grande reviravolta aconteceu. Quando Bastianini ocupava a primeira colocação, acabou sofrendo uma queda na curva 6, e teve que se contentar em ficar apenas assistindo o restante da corrida.. Quem assumiu a ponta, então, foi Martín, seguido por Cant e Kornfeil.
O #44 e o #88 protagonizavam um quente embate pelo degrau mais alto do pódio. Com constantes mudanças na ponta, os pilotos vinham mostrando grande ritmo. Com nove voltas para a bandeira quadriculada, o vencedor ainda era um mistério no autódromo catari.
 
Um pouco mais para trás, a briga também estava animada. Pela terceira colocação, Dalla Porta surgiu para tomar a posição de Bezzechi. O italiano, no entanto, não estava conformado e fazia constantes ataques em cima do #48.
 
O top-10 na reta final da corrida era Martín, Canet, Dalla Porta, Bezzechi, Antonelli, Rodrigo, Kornfeil, Sasaki, Di Giannantonio e McPhee.
 
Perto do fim, McPhee se enfiou no pelotão da frente para brigar pelas posições da ponta. Em grande ultrapassagem, o pilotou pulou para a quarta colocação e começou a botar pressão em cima de Dalla Porta.
 
Mas como uma corrida só acaba na bandeira quadriculada, muita coisa mudou nas três voltas finais. Martín, na ponta, conseguiu estabelecer um ritmo dominante para segurar as investidas de Canet. Atrás da dupla, as posições vinham constantemente mudando na briga pelo último degrau do pódio, ora com McPhee, ora com Di Giannantonio. 
Na última volta, Martín e Canet vinham embolados em uma quente briga, com o #44 encostando ameaçadoramente no #88 na última reta do circuito. Mas no final, quem cruzou a linha de chegada na frente foi o espanhol.
 
Assistindo de camarote a briga dos dois ponteiros, Dalla Porta foi quem fechou o dia na terceira colocação, com Rodrigo e Antonelli completando o top-5. Presença constante na briga pelas posições da ponta, Bezzechi caiu e não conseguiu cruzar a linha de chegada.

Moto3, GP do Catar, Losail, Final:

 
1 88 JORGE MARTÍN ESP GRESINI Honda 38:18.207 20 voltas
2 44 ARÓN CANET ESP ESTRELLA GALICIA 0,0 Honda +0.023  
3 48 LORENZO DALLA PORTA ITA LEOPARD Honda +6.746  
4 23 NICCOLÒ ANTONELLI ITA SIC58 Honda +6.791  
5 19 GABRIEL RODRIGO ARG RBA KTM +6.850  
6 21 FABIO DI GIANNANTONIO ITA GRESINI Honda +6.916  
7 27 KAITO TOBA JAP TEAM ASIA Honda +6.946  
8 71 AYUMU SASAKI JAP PETRONAS Honda +6.998  
9 84 JAKUB KORNFEIL TCH PRÜSTEL KTM +7.156  
10 16 ANDREA MIGNO ITA ÁNGEL NIETO KTM +7.699  
11 7 ADAM NORRODIN MAL PETRONAS Honda +7.753  
12 5 JAUME MASIÁ ESP WORLDWIDE KTM +8.026  
13 22 KAZUKI MASAKI JAP RBA KTM +8.829  
14 12 MARCO BEZZECCHI ITA PRÜSTEL KTM +21.838  
15 42 MARCOS RAMÍREZ ESP WORLDWIDE KTM +26.912  
16 10 DENNIS FOGGIA ITA VR46 KTM +26.981  
17 14 TONY ARBOLINO ITA SNIPERS HONDA +33.401  
18 41 NAKARIN ATIRATPHUVAPAT TAI TEAM ASIA Honda +33.446  
19 76 MAKAR YURCHENKO CAZ CIP KTM +33.622  
  17 JOHN MCPHEE ING CIP KTM +1 volta  
  72 ALONSO LÓPEZ ESP ESTRELLA GALICIA 0,0 Honda NC  
  11 LIVIO LOI BEL AVINTIA KTM NC  
  8 NICOLÒ BULEGA ITA VR46 KTM NC  
  33 ENEA BASTIANINI ITA LEOPARD Honda NC  
  65 PHILIPP OETTL ALE SCHEDL GP KTM NC  
  40 DARRYN BINDER RSA RED BULL KTM AJO NC  
             
POLE NICCOLÒ ANTONELLI ITA SIC58 Honda 2:06.364 153.2 km/h
VOLTA MAIS RÁPIDA ARÓN CANET ESP ESTRELLA GALICIA 0,0 Honda 2:06.373 153.2 km/h
RECORDE ALEXIS MASBOU FRA ONGETTA Honda 2:05.862 153.8 km/h
MELHOR VOLTA JORGE MARTÍN ESP GRESINI Honda 2:05.590 154.2 km/h
             
    Condições do tempo   PISTA SECA   ar: 25ºC | pista: 33ºC

#GALERIA(8331)

Aos 39 anos, Rossi acelera para se afastar da aposentadoria na MotoGPAo provar que Ducati pode vencer, Dovizioso mira concluir o que iniciouLorenzo vai para segundo ano na Ducati tentando recuperar performance

”VOCÊ TEM DE RESPEITAR”

EMOÇÃO GENUÍNA DE BARRICHELLO É EXEMPLO DE MOTIVAÇÃO

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube